PUBLICIDADE
Topo

Patricia Lobaccaro

Outubro Rosa e a conscientização sobre o câncer de mama

Patricia Lobaccaro

Patricia Lobaccaro construiu carreira no campo do investimento social, articulando redes e iniciativas para fortalecer projetos transformadores no Brasil. Foi presidente e CEO da BrazilFoundation de 2010 a 2019, mobilizando mais de 35 milhões de dólares em apoio a mais de 500 organizações da sociedade civil no Brasil. Atualmente Patricia atua como consultora no setor social e faz parte do conselho de instituições sem fins lucrativos. É formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo e fez curso de gestão em non-profits em Harvard.

04/10/2020 04h00

Com a chegada de outubro a cor rosa começa a aparecer em diversas campanhas e ações nos alertando sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Ao redor do mundo monumentos arquitetônicos como a Torre Eiffel (em Paris), o Empire State Building (em Nova York) e o Cristo Redentor (no Rio de Janeiro), foram iluminados de cor-de-rosa anunciando a chegada do mês de outubro. Mas você sabe como surgiu o Outubro Rosa e quais são os objetivos dessa campanha? O movimento surgiu nos EUA, na década de 90, quando a Fundação Susan G. Komen organizou uma corrida pela cura e distribuiu laços cor-de-rosa aos participantes. A partir daí, o evento passou a ocorrer anualmente e as ações de conscientização se multiplicaram ao redor do mundo.

O câncer de mama é o tipo de câncer que mais mata mulheres no Brasil e é a 2ª causa de todas as mortes de mulheres no Brasil, atrás somente das doenças do sistema circulatório. Entretanto, se diagnosticado precocemente e tratado de forma adequada e com qualidade tem até 95% de cura.

Na coluna de hoje, tenho o prazer de conversar com Cris Assunção, diretora executiva do Instituto Protea. Fundado em 2018 por Gabriella Antici, quando ela enfrentava o câncer de mama pela segunda vez, o Protea tem como missão proporcionar, de maneira ágil e com qualidade, o tratamento do câncer de mama para mulheres de baixa renda. Embora seja uma instituição jovem, o Protea já está se tornando referência nacional no tratamento do câncer de mama.

Cris, o que é o câncer de mama e quais os principais sintomas?

O câncer de Mama é uma doença resultante da multiplicação descontrolada de células mamárias anormais. As transformações celulares podem ocorrer por razões hereditárias ou ambientais. Um dos principais sintomas do câncer de mama é o nódulo, mas existem outras alterações na mama que devem ser vistas com atenção. Outros sinais que podem indicar câncer de mama além do nódulo são: vermelhidão e coceira; afundamento do mamilo; enrijecimento da mama; veia crescente da mama; pele áspera com aspecto de casca de laranja; dor, vermelhidão e calor; nódulo na axila; fluido desconhecido ou sangue e protuberância na mama. É muito importante que as mulheres conheçam seu corpo, que visitem o ginecologista anualmente, façam os exames solicitados e, em caso de qualquer alteração, procurem um médico.

Qual o cenário do câncer de mama no Brasil?

No mundo 1 em cada 8 mulheres desenvolverão câncer de mama ao longo da vida. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA) são estimados para 2020 mais de 66 mil novos casos de câncer de mama. Infelizmente por causa do diagnóstico tardio e pela demora no início do tratamento, nossa taxa de mortalidade é de 25%. O câncer de mama é o tipo que mais acomete brasileiras, 30% dos casos de cânceres nas mulheres, e é a 2a causa de morte das brasileiras. 75% da população não tem plano de saúde, dependem do SUS - e apesar do SUS ser um sistema público referência mundial com uma população de mais de 209 milhões de habitantes, (ele) não dá conta.

Por que é importante realizar o diagnóstico precoce?

Quando o câncer é diagnosticado nos estágios iniciais tem 95% de chance de cura.

Como funcionam os atendimentos do Instituto?

O Instituto Protea faz parceria com Hospitais particulares filantrópicos que atendem pacientes do SUS. Hoje nossa parceria é com o Hospital Santa Marcelina, localizado em Itaquera - uma das regiões mais carentes e populosas da cidade de São Paulo. O projeto atua em triagem, exames e custeio do tratamento.

Muitas pessoas não têm consciência dos direitos dos pacientes com câncer. Poderia dar algumas orientações nesse sentido?

É muito importante as pacientes de câncer conhecerem seus direitos e lutarem por eles. Por exemplo, nem todo mundo sabe que o Sistema Único de Saúde (SUS) tem o prazo máximo de 30 dias para a realização de exames para comprovar o diagnóstico de câncer após pedido médico. E o primeiro tratamento oncológico no SUS deve se iniciar no prazo máximo de 60 dias a partir da assinatura do laudo patológico. Além disso, pacientes com câncer podem sacar o FGTS e o PIS/Pasep, têm direito ao Auxílio-Doença, isenção de tarifas de transporte coletivo urbano, entre outros.

O que podemos fazer para apoiar essa causa?

A principal ação é a divulgação! O Outubro Rosa nos ajuda muito a divulgar a causa através de parcerias com empresas, lojas e serviços. Este ano já temos mais de 62 parcerias. Um das ações foi a da Lojas Marisa, que criou uma linha de sutiãs especiais para mulheres que passaram pela retirada parcial ou completa da mama. Neste ano, as assistidas pelo Protea foram as modelos da campanha do Sutiã do Recomeço, participando do ensaio fotográfico da ação. Nosso sonho é ser o "Médicos sem Fronteiras do câncer de mama", ong que mais arrecada no Brasil. Nosso único objetivo é diminuir a taxa de mortalidade do câncer de mama no Brasil. Vamos juntas?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.