PUBLICIDADE
Topo

Renault Oroch muda para encarar a Toro; veja preços e primeiras impressões

José Antonio Leme

do UOL, em São Paulo

12/04/2022 09h51Atualizada em 12/04/2022 10h40

A Renault Oroch não considera a guerra perdida e está trabalhando para tentar roubar algum espaço da Fiat Toro com a chegada da linha 2023.

O modelo chega às lojas a partir de hoje, 12, com uma reestilização, mais equipamentos e na versão de topo, destinado ao público que busca um carro de lazer, o motor 1.3 turboflex, mesma iniciativa que a marca com o Duster 2023.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

A Renault Oroch será oferecida em três versões agora: Pro, Intense e Outsider. Os preços são de R$ 105.800, R$ 111.300 e R$ 137.100, respectivamente.

Preços Oroch 2023

  • Oroch Pro 1.6 MT: R$ 105.800
  • Oroch Intense 1.6 MT: R$ 111.300
  • Oroch Outsider 1.3 AT: R$ 137.100

A picape agora também passa a se chamar apenas Renault Oroch, sem o Duster, para se distanciar do SUV, que teve mudanças mais profundas na sua última reestilização.

As duas primeiras versões virão equipadas com o motor 1.6 flex de até 120 cv e 16,2 mkgf já preparado para o Proconve L7 acoplado ao câmbio manual de seis marchas. A variante de topo vai contar com o 1.3 turboflex de até 170 cv e 27,5 mkgf e câmbio automático CVT que simula 8 velocidades.

Visual

Além das mudanças mecânicas, a picape também tem mudanças estéticas. Essa é a primeira reestilização do modelo desde que ele chegou ao mercado em 2015, poucos meses antes da Fiat Toro, que assumiu a liderança da categoria de cara e nunca mais saiu.

A Renault fez uma boa reestilização, mas evitou mudanças tão grandes. Na dianteira, ela tem um novo para-choque dianteiro que aumentou o ângulo de ataque e uma nova grade. Na traseira, novo grafismo na tampa da caçamba com o nome da picape e novas lanternas fumê, além de um novo santantônio, mais prático para fixação de itens.

Por dentro, a picape traz uma mistura de Captur com Duster. O painel de instrumentos é o mesmo do primeiro, mas com um grafismo diferente para as partes analógicas.

Do Duster ela recebeu o painel, mas com mudanças na textura, apesar de manter por exemplo a posição de botões centrais e o formato das saídas de ar-condicionado. Na versão de topo Outsider, que emprestou o nome da versão aventureira do Kwid, há detalhes na cor laranja por dentro da cabine.

Equipamentos

Desde a versão de entrada, a Renault Oroch agora traz controles de tração e estabilidade. Ela conta também com assistente de partida em rampa e sistema anti-capotamento, que caso os sensores leiam inclinação excessiva, entra em funcionamento acionando os controles de tração e estabilidade.

Há também ar-condicionado manual, direção eletro-hidráulica, volante com regulagem de altura, trio elétrico, protetor de caçamba e airbags dianteiros duplos.

Para as versões Intense e Outsider, a lista de equipamentos inclui também a central multimídia com tela de 8 polegadas com integração a Android Auto e Apple CarPlay sem fio.

É o primeiro carro da Renault no Brasil que oferece essa função sem uso de cabo USB. A lista de Intense e Outsider fica completa com espelhos retrovisores elétricos e sensor de obstáculos na traseira e rodas de liga leve de 16".

Exclusividades da Outsider são o ar-condicionado automático, câmera de ré e sensores de chuva e de luminosidade, capota marítima, acabamento brilhante na capa dos retrovisores e maçanetas, faróis de neblina e de milha auxiliares e rodas de 16" com acabamento diamantado e grade no vidro traseiro também estão na lista

Primeiras impressões

O primeiro contato que tivemos foi com a versão de topo Outsider, onde residem as maiores mudanças que o modelo teve. A opinião parece recorrente, mas é porque é verdade: o motor 1.3 turbo fez milagre nos produtos da marca.

Com a Oroch não foi diferente. Como ela teve uma reestilização com menos mudanças que o Duster fez todo o sentido que a marca tenha tirado o nome do SUV mais antigo no mercado dela.

Atrás do volante, que também é novo, a picape acelera com desenvoltura agora. O casamento do motor com o câmbio CVT que já havia sido exemplar no Captur no Duster também é um case de sucesso para a picape.

Acelerações rápidas, retomadas com vigor e sem trancos, um oferecimento do câmbio automático CVT. Apesar de não contar mais com tração 4x4, a Renault manteve a suspensão traseira multilink no projeto.

Isso oferece um comportamento bom da picape em curvas, mesmo com caçamba vazia, situação em que geralmente as picapes ficam menos estáveis.

Além disso, a Oroch conta com pneus que tem uma pegada mais off-road, com gomos maiores e sulcos largos. Apesar do pneu com jeito misto, isso não afeta a estabilidade, mas aumenta o ruído interno na cabine durante a rodagem, especialmente em velocidade de cruzeiro, na casa dos 120 km/h.

Os penaltis da Oroch continuam os mesmos: não tem ajuste de distância no volante, só de altura, o que reduz as possibilidades para encontrar a posição perfeita de guiar, continua a vir com apenas dois airbags, apesar de até o Kwid oferecer quatro e o espaço interno do banco traseiro ser limitado para as pernas de passageiros mais altos.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros