PUBLICIDADE
Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

O que muda para as marcas britânicas de carros após Brexit entrar em vigor

Indefinição sobre futuro pós-Brexit preocupa até montadoras de luxo como a Jaguar - Divulgação
Indefinição sobre futuro pós-Brexit preocupa até montadoras de luxo como a Jaguar
Imagem: Divulgação

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo

01/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Indefinição sobre acordos comerciais com União Europeia ameaça futuro das montadoras
  • Dona da maior fábrica da Inglaterra, Nissan pode deixar de fazer modelos importantes em Sunderland
  • Marcas de luxo como Aston Martin e Bentley também não escondem preocupação

O Reino Unido não faz mais parte da União Europeia. Foram 47 anos de filiação, encerrados na tradicional pontualidade britânica às 20h no horário de Brasília e 23h no horário de Londres.

Se por um lado o impasse do "Brexit" finalmente acabou, por outro alguns setores da economia britânica estão apreensivos com o futuro. Um dos mais preocupados é a indústria automotiva, que, assim como na maioria dos países, responde por uma boa parcela do PIB local.

O primeiro-ministro Boris Johnson promete que fechará acordos comerciais com a União Europeia e outras importantes nações antes do fim deste ano. Porém, as montadoras não escondem a preocupação.

Produção do novo Defender foi transferida para a Eslováquia - Divulgação
Produção do novo Defender foi transferida para a Eslováquia
Imagem: Divulgação

"Não sei se é viável, mas estamos dispostos a isso. Até porque nós precisamos disso, não temos condições de ficar sem um acordo comercial até o final do ano. Seria uma ameaça séria ao nosso futuro no Reino Unido", afirmou Mike Hawes, da Sociedade das Montadoras de Automóveis e Fornecedores, à "BBC".

Hawes teme que a autonomia do Reino Unido dê origem a uma série de novas regras para a compra de matéria-prima e componentes utilizados na fabricação de um automóvel.

"Existem o equivalente a cinco listas telefônicas de regras que determinam como se faz um carro. Se você muda essas regras é preciso mudar a receita de como produzir um carro", explicou.

Na média, um único veículo precisa de aproximadamente 30 mil peças para serem montadas. Alguns desses componentes, inclusive, podem passar por diversos países até chegarem ao local da fábrica. Isso implicaria na multiplicação de impostos e atrasos para a liberação das peças em fronteiras e portos.

Além disso, as empresas britânicas podem estar sujeitas às regras da OMC (Organização Mundial de Comércio) para países que não pertencem à União Europeia. Isso incluiria um imposto de 10% sobre cada veículo importado para o bloco econômico, por exemplo.

Nissan joga duro

Defensores do Brexit vão dizer que a indústria automotiva do Reino Unido não é mais a potência de antes, mas as montadoras ainda empregam milhões de trabalhadores.

Um estudo feito pela IHS Markit estima que a produção de carros caia 24% e chegue a 1,36 milhão de unidades em 2020. Para ter uma ideia, o recorde do setor foi de 1,8 milhão de veículos em 2016, justamente o ano em que os britânicos votaram por deixar a União Europeia.

Nissan é dona da maior fábrica de automóveis da Inglaterra - Divulgação
Nissan é dona da maior fábrica de automóveis da Inglaterra
Imagem: Divulgação

A Nissan, que é dona da maior fábrica de automóveis do Reino Unido, também já ameaçou tomar medidas drásticas. Metade da produção da planta de Sunderland é exportada para países da União Europeia. Só no ano passado, a montadora decidiu não produzir o X-Trail em solo britânico, deixou de fabricar modelos da Infiniti e ameaçava suspender a produção do Qashqai caso o governo realmente decidisse pelo Brexit.

Marcas britânicas estão preocupadas

Em janeiro deste ano, a Jaguar Land Rover (maior fabricante de automóveis do Reino Unido) anunciou que 500 empregos podem ser extintos na fábrica de Halewood.

Dois anos atrás, a empresa cortou 1 mil empregos na fábrica de West Midlands. A produção da nova geração do Land Rover Defender será realizada na Eslováquia, mesmo país para onde a Land Rover transferiu a produção do Discovery.

A empresa realizou investimentos significativos na Inglaterra antes do Brexit. Gastou mais de 650 milhões de libras esterlinas (aproximadamente R$ 3,6 bilhões) na construção de um centro de design em Gaydon. O local tem mais de 11 mil metros quadrados e é totalmente sustentável, com placas solares fotovoltaicas.

Jaguar investiu mais de R$ 3,6 bilhões em centro de design em Gaydon - Divulgação
Jaguar investiu mais de R$ 3,6 bilhões em centro de design em Gaydon
Imagem: Divulgação

A fábrica de Castle Bromwich está sendo totalmente adaptada para a produção de veículos elétricos, já que a Jaguar pretende eletrificar toda sua gama de modelos nos próximos anos.

O problema para a JLR é que tantos investimentos podem trazer problemas para o conglomerado.

"O investimento está muito concentrado na Inglaterra e isso pode dar a Jaguar uma 'desvantagem competitiva de longo prazo'. Os recursos destinados a Gaydon foram decididos alguns anos atrás, e não há mais como voltar atrás", afirmou Ferdinand Dudenhoffer, diretor do Centro de Pesquisa Automotiva da Universidade de Duisburg-Essen, na Alemanha.

Luxo de cabelos em pé

A Aston Martin também pode viver um momento delicado, já que se prepara para lançar o DBX. Projeto mais ambicioso dos últimos anos da marca, o SUV é fabricado no País de Gales e é peça fundamental no plano estratégico da empresa, que se prepara para lançar 7 modelos nos próximos anos.

"Normalmente a qualidade e capacidade destes modelos não atrapalhariam o crescimento de marcas como a Aston Martin, mas as preocupações com o Brexit estão atingindo praticamente todas as empresas sediadas no Reino Unido. E isso continuará até que o governo defina todos os impasses a respeito disso", afirmou Karl Brauer, da consultoria Kelley Blue Book, à revista "Fortune".

DBX é peça chave no plano de crescimento da Aston Martin - Divulgação
DBX é peça chave no plano de crescimento da Aston Martin
Imagem: Divulgação

De todas as montadoras britânicas, apenas a Bentley se encontra em uma situação um pouco mais cômoda por fazer parte do Grupo Volkswagen, cuja sede fica na Alemanha e conta com diversas fábricas em países da União Europeia.

Mesmo assim, a marca não esconde uma ponta de apreensão com o lançamento do novo Flying Spur, que foi desenhado, projetado e construído na sede da Bentley, em Crewe.

Flying Spur é lançamento mais importante da Bentley nos últimos anos - Divulgação
Flying Spur é lançamento mais importante da Bentley nos últimos anos
Imagem: Divulgação

Para encarar modelos como Mercedes-Benz Classe S e Rolls-Royce Ghost, o requintado sedã aposta na potência do motor 6.0 W12 e de luxos como couro de primeira linha e uma tela tátil no banco traseiro que permite aos passageiros controlar a temperatura do ar-condicionado, massageadores e até a cor da luz ambiente. A própria marca não esconde a importância de seu novo carro.

"Esse modelo é provavelmente o mais competitivo que já fizemos porque todos os nossos rivais no segmento são tecnicamente excelentes. É por isso que é importante que a gente acerte neste lançamento", afirmou Peter Guest, gerente de projeto do Flying Spur.

Como se vê, a preocupação com o futuro do Reino Unido atinge todas as montadoras, independente do segmento em que atua. E elas torcem para que as autoridades britânicas não cometam erros que ameacem o futuro delas.

Seu Automóvel