Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

Volkswagen vendeu no Brasil 194 carros fora do padrão; entenda

Caso surgiu na Europa, onde marca teria comercializado 6.700 carros irregulares - Ferdinand Ostrop/AP
Caso surgiu na Europa, onde marca teria comercializado 6.700 carros irregulares
Imagem: Ferdinand Ostrop/AP

Fernando Calmon, Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

30/01/2019 10h00

Veículos não possuem registro nos arquivos da fábrica e serão recomprados; donos vão receber pagamento baseado na tabela Fipe

Um estranho caso envolvendo a Volkswagen veio à tona em dezembro de 2018. A imprensa alemã noticiou que a marca vendeu 6.700 veículos de teste (conhecidos como "modelos pré-série") como se fossem carros usados, a consumidores da Europa e dos Estados Unidos. A revista "Der Spiegel" foi além e revelou que o total de carros nestas condições poderia passar de 17 mil unidades.

A novidade é que o caso também atinge o Brasil. A fabricante anunciou nesta quarta-feira (30) que 194 veículos fora dos padrões de fabricação foram vendidos no país.

Confira abaixo os números dos chassis das unidades envolvidas no chamado:

+ Touareg (2011, 2013 e 2015):

WVGVE87P6BD004943
WVGVF87P7BD012000
WVGVF67P7DD011212
WVGVF67P0DD011214
WVGVF67P9FD000280

+ CC (2013 e 2016):

WVWBC63C7DE519774
WVWBC63C2DE520427
WVWBC63C8DE521226
WVWBD63C2GE508067

+ Passat (2013):

WVWMG83C7DP009759
WVWMG83C0DP010154

+ Passat Variant (2013): WVWRG83C6DE019104

+ Tiguan (2013 e 2015):

WVGSV65N4DW014306
WVGSV65N3DW519611
WVGSV65NXFW016449

+ Golf (2015, 2016 e 2017): de FW094744 até H4000452

+ Up (2014): de ET500039 até ET500077

+ Fox/CrossFox (2015, 2016, 2017 e 2018): de F4001762 até J4000040

+ Saveiro (2009, 2015, 2016 e 2017): de 9P082682 até JP100759

+ Polo (2009, 2010, 2011 e 2014):

9BWAB49N69P019666
9BWAB49N79P020017
9BWAE49N8AP000001
9BWDB49N0BP000002
9BWAB49N5EP000004

+ Polo Sedan (2009 e 2014):

9BWJB49NX8P038428
9BWJB49N28P038679
9BWDE49N79P000015
9BWDB49N7EP000003

+ Gol (2010, 2011, 2014 e 2016): de AP012368 até GP185049

+ Parati (2009 e 2011):

9BWGB45W69P083389
9BWGB05W3BP000001
9BWGB05W0BP025342

+ Voyage (2010):

9BWDB05U0AT034050
9BWDA45U5AT035060
9BWDB45U4AT039887

Segundo a empresa, as unidades produzidas entre 16/01/2008 e 17/02/2017 saíram da fábrica sem o registro de liberação que acompanha cada veículo produzido. Como o documento é uma das formas de assegurar o controle de qualidade da empresa, os veículos podem estar fora das especificações de produção, embora a Volkswagen afirme que não tem conhecimento de acidentes causados por este problema.

A VW garantiu que vai investigar o paradeiro destes veículos e fazer uma proposta de compra oferecendo o valor integral da tabela Fipe. Esta é a primeira vez que uma montadora faz uma iniciativa deste tipo na história da indústria automobilística brasileira.

A própria VW sabe que não será nada fácil achar cada um dos carros. Isso porque a empresa estima que 7 milhões de veículos foram produzidos de 2008 a 2017. Outro empecilho está na possibilidade de muitos carros (especialmente os mais antigos) não existirem mais, já que podem ter sido vítimas de roubo, desmanche ou acidente com perda total declarada.

A fabricante entrará em contato com os proprietários dos veículos envolvidos na ação, pois nem todos os veículos dos intervalos de chassis informados foram afetados. Para mais informações, a empresa coloca à disposição o número de telefone 0800 019 8866 e seu site oficial.

Troller e a Pantanal

A atitude da Volkswagen é inédita no país, mas um caso semelhante aconteceu com a Ford em 2008. Pouco mais de um ano após adquirir a Troller, a empresa fez um recall para recolher, mediante pagamento, todas as 77 unidades da picape Pantanal. As unidades eram modelos 2006 e 2007 e foram produzidas antes da aquisição pela Ford em uma linha de montagem desativada no fim de 2006.

De acordo com a Ford, testes realizados no campo de provas da empresa apontaram problemas de estabilidade e dificuldade para manter o controle do veículo em algumas manobras, podendo causar acidentes. O chassi também teria apresentado trincas após provas de durabilidade, incluindo transporte de cargas e condução por terrenos acidentados.

Todos os carros adquiridos com base no valor da tabela Fipe foram destruídos. Os proprietários que decidiram não vendê-los à Ford precisaram assinar um termo isentando a Ford de qualquer responsabilidade em caso de eventuais acidentes.  

Mais Seu Automóvel