PUBLICIDADE

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Ventosaterapia: técnica que Mateus Solano faz alivia dor e relaxa músculos

Reprodução do Instagram
Imagem: Reprodução do Instagram

Do VivaBem, em São Paulo

13/03/2022 13h44

Na última sexta (11), ator Mateus Solano chamou a atenção de seus seguidores ao compartilhar nas redes sociais uma foto durante sessão de ventosaterapia, principalmente pelo número de ventosas aplicadas em suas costas —mais de 30!

O tratamento desperta a curiosidade —e a agonia— de muitas pessoas por causa dos copos com sucção e dos hematomas circulares que eles deixam pelo corpo todo. Mas como funciona a técnica e quais são seus benefícios? Dói? Pode ser feito por qualquer pessoa? Tiramos algumas dúvidas a seguir.

Como é feita?

A ventosaterapia é uma forma de acupuntura, terapia milenar chinesa. Nela, podem ser usadas ventosas (que parecem copos) de acrílico, vidro, bambu, plástico. Algumas cúpulas têm um líquido inflamável, que é aceso. Quando a chama se apaga (por ter acabado o oxigênio dentro do copo), forma-se um vácuo parcial no interior da ventosa. Assim, a força de sucção é gerada e puxa a pele. Já outras (como as usadas na terapia de Solano) têm válvula, onde uma bomba é encaixada e faz a sucção do ar da ventosa.

"A sucção na pele promove, localmente, uma melhora da microcirculação sanguínea e aumenta a ação de oxido nítrico, uma mólecula vasodilatadora. Isso promove um relaxamento na região", aponta Marcus Yu Bin Pai*, médico fisiatra e pesquisador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

The Rock - @therock/Reprodução Instagram - @therock/Reprodução Instagram
A ventosaterapia costuma ser feita por praticantes de exercícios intensos, como o ator americano The Rock, que mostrou os hematomas gerados pela terapia
Imagem: @therock/Reprodução Instagram

Outra teoria, aponta o médico, é que o estímulo doloroso provocado pela sucção faz com que o corpo produza e envie para o local substâncias que aliviam o desconforto e combatem a inflamação —o que ajudaria a minimizar não só o incômodo provocado pela sucção, como também a dor muscular preexistente, provocada por um treino de musculação ou uma corrida, por exemplo.

Apesar de muitos especialistas no método dizerem que a terapia não dói, é comum ver relatos (e caretas) de atletas que dizem que a técnica gera bastante dor. Os hematomas circulares provocados pela sucção tendem a desaparecer da pele após dois ou três dias.

Para que serve?

De acordo com Yu Bin Pai, a técnica é estudada e aplicada em diferentes quadros —desde paralisia facial até o controle da asma em crianças. No entanto, como já demos pistas, o uso mais comum é para o tratamento de dores, alívio da tensão (tanto física quanto mental) e relaxamento muscular, principalmente nas regiões da cervical, lombar e pernas. Por isso a ventosaterapia costuma ser adotada por atletas ou pessoas que praticam atividades físicas intensas.

É importante ter em mente que o método apenas promove alívio e ajuda a acelerar a recuperação de um desconforto agudo —a dor muscular pós-treino ou um incômodo no pescoço após dormir de mau jeito, por exemplo.

Em casos de lesão ou dor crônica, como a provocada por uma hérnia de disco, a ventosaterapia até pode fazer parte do tratamento, mas não resolve o problema. Nessas situações, o efeito de relaxamento e manejo da dor dura apenas entre dois e três dias, mas o incômodo voltará e só será solucionado quando a causa da dor for combatida.

Cuidados

A ventosaterapia só deve ser realizada por um profissional especializado. Em caso de dores crônicas (que você sente há mais de 3 meses ou que permanecem por mais de 1 mês após tratamento de uma lesão), é muito importante primeiro procurar um médico, para identificar a causa do problema e saber se (e quando) a ventosoterapia pode ser adotada para alívio do desconforto.

A técnica não é recomendada para quem toma remédios anticoagulantes ou tem sangramento fácil, já que o hematoma pode ficar mais forte e a pele mais sensível, gerando dor local além da esperada na terapia.

Quem tem alergias severas e pele com feridas, bolhas e cortes também não deve fazer as sessões.

*Fonte consultada em reportagem de Giulia Granchi, publicada em março de 2021

Equilíbrio