PUBLICIDADE

Topo

Dieta mediterrânea é aliada no combate à disfunção erétil; veja o que comer

A dieta mediterrânea é rica em peixes, castanhas, azeite, laticínios e vegetais, como a abobrinha - iStock
A dieta mediterrânea é rica em peixes, castanhas, azeite, laticínios e vegetais, como a abobrinha Imagem: iStock

Do VivaBem

11/09/2021 15h27

Não é de hoje que a dieta mediterrânea é apontada como uma das melhores para a saúde. Pesquisas já mostraram que o plano alimentar —que tem como base o consumo de frutas, verduras, legumes, peixes, aves, castanhas, laticínios e um pouquinho de vinho— reduz o risco de ter doenças cardiovasculares (infarto, AVC e hipertensão, por exemplo), diabetes tipo 2, Alzheimer e até alguns tipos de câncer, como o de mama.

Agora, um pequeno estudo apresentado este ano no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia concluiu que a dieta pode ser benéfica para homens que sofrem com disfunção erétil e pressão alta (que aumentam em duas vezes o risco de desenvolver problemas de ereção).

"Nossa pesquisa concluiu que o consumo de uma dieta mediterrânea está associado a uma maior capacidade física, a uma boa saúde arterial, a um melhor fluxo sanguíneo, a níveis elevados de testosterona e a ereções mais potentes", afirma Athanasios Angelis, pesquisador da Universidade de Atenas (Grécia).

Segundo o autor do estudo, o trabalho científico não avaliou os mecanismos que fazem com que a dieta ajude a minimizar a disfunção erétil, mas isso provavelmente ocorre pois esse tipo de alimentação está ligado a uma melhor saúde vascular (lembre-se que o pênis precisa receber um bom aporte de sangue para ficar ereto) e à manutenção do nível adequado de testosterona (hormônio sexual masculino) no organismo, que diminuiu naturalmente conforme envelhecemos.

Como o estudo foi feito

  • A pesquisa foi realizada com 256 homens de meia-idade que sofriam com hipertensão e disfunção erétil;
  • A idade média dos participantes do estudo foi de 56 anos;
  • O consumo da dieta mediterrânea foi avaliado por meio de um questionário. Além disso, os participantes fizeram exames para avaliar a capacidade física, o nível de testosterona e a saúde vascular;
  • A gravidade da disfunção erétil foi determinada por meio do Sexual Health Inventory for Men (SHIM), que tem cinco questões sobre a capacidade sexual masculina.
  • Os pesquisadores descobriram que os homens nos quais a alimentação melhor se enquadrava na dieta mediterrânea tinham menor rigidez arterial; melhor fluxo sanguíneo; maior nível de testosterona; e melhor desempenho erétil.

"As descobertas da pesquisa sugerem que a dieta mediterrânea pode desempenhar um papel na manutenção de vários parâmetros da saúde vascular e da qualidade de vida em homens de meia-idade com hipertensão e disfunção erétil", diz Angelis.

O que comer na dieta mediterrânea?

- Legumes, verduras e frutas A recomendação é consumir ao menos dez porções desses alimentos por dia. Entre os vegetais que fazem parte do menu mediterrâneo estão brócolis, abobrinha, tomate, couve, espinafre, pepino, morango, uva, maçã, melão, figo, pêssego etc.

- Sementes oleaginosas Castanhas, nozes, amêndoas etc.

- Peixes, frutos do mar e carnes brancas Salmão, camarão, ostras, tilápia, sardinha, bacalhau, frango, peru devem ser as principais fontes de proteína da dieta mediterrânea.

- Leite, queijos e iogurtes Na alimentação europeia entram os queijos brancos, como o de cabra e o de ovelha, mas aqui no Brasil você pode optar pelo queijo minas frescal (popularmente chamado de queijo branco ou queijo minas).

- Vinho seco Ele não é obrigatório na dieta e deve ser consumido com moderação —ou seja, no máximo uma dose para mulheres e duas doses para homens, e nunca por mais de cinco vezes na semana.

- Azeite É fonte de gordura saudável, que protege a saúde cardiovascular. Por ser altamente calórico, deve ser consumido com moderação.

*Informações retiradas de reportagem publicada em janeiro de 2019