PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Estado de SP amplia horário do comércio até a 0h e a capacidade para 80%

Henrique Sales Barros, Leonardo Martins e Rayanne Albuquerque

Do VivaBem, em São Paulo

28/07/2021 13h13Atualizada em 28/07/2021 14h58

O governador João Doria (PSDB) anunciou hoje a ampliação do horário do comércio até a meia-noite e a capacidade de ocupação em São Paulo a partir do dia 1º de agosto. A previsão é não ter mais restrição de funcionamento dos estabelecimentos partir do dia 17 de agosto, data na qual o governo pretende ter vacinado todos os adultos no estado.

"A capacidade de ocupação vai passar dos atuais 60% para 80%", afirmou Doria em entrevista coletiva, realizada no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi.

Não teremos mais nem limite de ocupação e nem tampouco de horários a partir de 17 de agosto. Com isso, ainda mantendo uso de máscara, recomendo uso de álcool em gel e mantendo protocolos de distanciamento, já estaremos com novas regras de funcionamento a partir de 17 de agosto"
João Doria, governador de São Paulo

De acordo com a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, protocolos de segurança como distanciamento social, uso de máscara e medidas de higiene serão exigidos para conter a disseminação do novo coronavírus.

"Vamos dar um passo para a próxima fase de transição com toda a população adulta tendo acesso à primeira dose. Lembrando que os protocolos se mantêm [...] Na etapa da Retomada Segura, nós damos o próximo passo, em que a restrição de horário é retirada e a ocupação é permitida em até 100%, desde que mantido o distanciamento e os protocolos: uso de máscara e protocolos de higiene e limpeza", afirmou.

A vida está voltando ao normal no estado de SP, de forma segura, passo a passo. Não teremos mais toques de restrição à noite ou de madrugada a partir de 1º de agosto."
João Doria

Também no domingo, segundo Patricia, todos os parques estaduais voltarão a funcionar no horário regular. "Vamos manter aqui o controle e o monitoramento da vacinação, vamos seguir monitorando os leitos, o monitoramento das medidas de proteção da população e toda a transparência de dados e monitoramento para que a população possa seguir monitorando", ressaltou.

De acordo com o secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, a medida é possível por conta do impacto da vacinação nos indicadores da pandemia no estado. Segundo ele, é a primeira vez, desde o dia 9 de janeiro, que o número de pacientes com covid-19 internados em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) fica abaixo dos 6 mil.

"Dar celeridade para a vacinação impacta no número de internações, de mortes e também de casos. Houve uma melhora expressiva, de forma a estar intimamente relacionada com o processo de vacinação bastante célere implementado em São Paulo", declarou.

A fala foi reiterada pelo coordenador do centro de contingência ao coronavírus do governo, Paulo Menezes, que reforçou a necessidade de manutenção de medidas como o distanciamento social.

"Para se ter uma ideia do impacto que isso tem: já havíamos dito que o primeiro impacto seria na gravidade dos casos e das fatalidades. Isso nós já observamos há cerca de dois meses, mas também notamos uma redução importante no número de casos", declarou.

Atualmente, a população adulta entre 30 e 50 anos é responsável por 43% do total de casos de covid-19 no estado de São Paulo. A faixa de 20 a 29 anos responde por 18% dos casos. "Dessa forma, a minha perspectiva é que, nas próximas semanas, vejamos uma redução bastante importante no número de casos por dia", projetou.

Pela primeira vez, desde agosto do ano passado, com todas as regiões de São Paulo com menos de 70% de ocupação nos leitos de UTI. Mas nós vamos seguir mobilizados nessa grande parceria com os municípios [...] Seguimos em SP com muito otimismo, esperança e responsabilidade."
Marco Vinholi. secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo

Apesar de gerar preocupações, a variante Delta ainda não é prevalente no estado. Até o momento, 15 pacientes foram diagnosticados como infectados pela cepa. "A concomitância de vacinas e regras sanitárias permite que nós tenhamos uma situação diferente daquela vista em outros países", esclareceu Jean.

Até o momento, 385 mil pessoas não retornaram para tomar a segunda dose da CoronaVac, e outras 363 mil deixaram de completar o calendário vacinal com os imunizantes da Fiocruz/AstraZeneca. "Por volta de 7% da população que deveria receber essa vacinação. Toda pessoa deveria retornar e esse número nos preocupa", declarou Regiane de Paula, coordenadora do Plano Estadual de Imunização contra a covid-19.

A estratégia do município, segundo ela, é mandar SMS, fazendo o casa a casa, mas nós temos trabalhado em sintonia com os municípios e secretarias de saúde.

Volta de Doria após segundo diagnóstico de covid

João Doria voltou aos trabalhos presenciais hoje, após ser afastado das atividades devido ao segundo diagnóstico de covid-19. O governador estava trabalhando de casa desde o dia 15 de julho, dia em que os resultados dos exames saíram. Mais cedo, no Twitter, Doria confirmou a volta ao trabalho presencial e disse estar totalmente recuperado.

Bom dia! 100% recuperado e já despachando no Palácio dos Bandeirantes. Obrigado a todos pelas palavras de apoio e solidariedade
João Doria

Em junho, o governador recebeu a segunda dose da vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. A vacina não impede que se desenvolva a doença, mas diminui a chance de que o caso seja grave e que o paciente morra.

Doria já havia sido diagnosticado em agosto do ano passado, mas, à época, disse não ter manifestado sintomas. Na metade do mês, no entanto, o governador estava rouco e com coriza — um dos sintomas da doença causada pelo novo coronavírus.

Saúde