PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Saúde do DF investiga professores imunizados que tomaram 3ª dose da Janssen

Secretaria de Saúde do DF está investigando professores já imunizados que voltaram aos postos de vacinação para tomar 3ª dose da Janssen - Divulgação/Secretaria de Saúde do Ceará
Secretaria de Saúde do DF está investigando professores já imunizados que voltaram aos postos de vacinação para tomar 3ª dose da Janssen Imagem: Divulgação/Secretaria de Saúde do Ceará

Do UOL, em São Paulo

30/06/2021 15h40Atualizada em 01/07/2021 12h00

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou hoje que apura três denúncias contra professores, já imunizados contra a covid, que voltaram aos postos de vacinação e conseguiram receber uma 3ª dose, da vacina Janssen. A investigação acontece em parceria com o MPDFT (Ministério Público do DF e Territórios).

O caso foi divulgado pelo Bom Dia DF, da TV Globo, que obteve mensagens de servidores que trabalham na campanha de vacinação. Nas conversas, eles dizem ter identificado possíveis irregularidades ao incluírem os dados dos imunizados no sistema —no momento da aplicação da dose, não há consulta.

"Só detecta [a irregularidade] quando lança no sistema. Vários [professores] com doses de CoronaVac e AstraZeneca, e tomando novamente. Agora, tivemos que colocar uma pessoa na fila consultando CPF por CPF, para ver se tem registro", diz uma das servidoras. Os casos aconteceram no último final de semana.

Agora, a Subsecretaria de Vigilância à Saúde deve informar ao MP, no prazo de dez dias úteis, se os professores realmente receberam a dose indevida de imunizante.

"Em caso afirmativo, encaminhar lista contendo a identificação desses profissionais (nome, CPF e cargo), datas e locais de aplicação dos imunizantes, além do tipo de vacina aplicada", informou o Ministério Público.

Outro ofício foi encaminhado à Secretaria de Saúde do DF solicitando providências para impedir a duplicidade irregular de imunização. A força-tarefa diz que a duplicidade indevida de imunização pode caracterizar ilícito penal e ato de improbidade administrativa.

"É muito grave um servidor público declarar falsamente não ter recebido uma dose da vacina, para então receber, irregularmente, a vacina da marca Janssen. Com esse pedido de informações e providências, o Ministério Público pretende adotar as medidas de responsabilização cabíveis", disse a promotora de Justiça Hiza Carpina.

A Secretaria de Saúde do DF disse ao UOL que, se comprovada a má conduta, o servidor é passível de penalidades previstas no regime jurídico dos servidores públicos civis.

Saúde