PUBLICIDADE

Topo

Consumir manga com leite realmente faz mal ao organismo?

Daniel Navas e Renata Turbiani

Colaboração para VivaBem

04/11/2020 04h00

Manga com leite. Certamente essa é uma das combinações mais polêmicas da alimentação. Muita gente, sobretudo quem tem mais idade, jura de pé junto que ela é tóxica e faz mal para a saúde, resultando em incômodos gastrointestinais, como diarreia e até a morte. Mas será que isso tem algum fundamento?

Do ponto de vista científico a resposta é não. A má fama da dupla, na verdade, não passa de mais um mito, esse inventado na época do Brasil colonial pelos senhores de engenho. Como naquele tempo o leite era um produto caro e raro, voltado para a elite, e a manga uma fruta bem abundante, eles espalharam que juntar os dois era perigoso. Tudo isso para desestimular o consumo pelos escravos.

Benefícios da manga e do leite

Tanto a manga quanto o leite de vaca são altamente nutritivos. A fruta, por exemplo, é rica em caroteno (provitamina A) e contém fósforo, potássio, vitamina C e fibras. Alguns dos seus benefícios são: melhora da imunidade e do funcionamento intestinal, equilíbrio da frequência cardíaca, redução dos níveis de colesterol LDL (mau colesterol) e proteção da visão.

Já o leite é fonte de proteína de grande valor biológico, cálcio —não havendo outro item que forneça a mesma quantidade—, fósforo, magnésio e vitaminas A, D e riboflavina. Além de ser o principal aliado da saúde dos ossos e dos dentes, ele faz bem para o coração, auxilia no crescimento, aumenta a saciedade e ajuda a ganhar massa muscular e até a emagrecer.

A combinação pode ajudar no combate e até mesmo prevenir o desenvolvimento de algumas doenças. Entre elas estão a osteoporose, já que o leite e a manga apresentam bons níveis de cálcio; a anemia (a ingestão de leite fortificado pode combater os níveis diminuídos de ferro); e é bom para o fortalecimento dos dentes, isso porque os nutrientes do leite e da manga, como cálcio, fósforo, magnésio, vitamina D e outros dão suporte ao desenvolvimento da arcada dentária e tecidos orais em crianças, o que ajuda a proteger contra cáries.

Levando tudo isso em conta, a conclusão é de que, quando consumidos juntos, estes dois alimentos são nutricionalmente complementares, já que garantem fartas doses de vitaminas, fibras e sais minerais importantes para o organismo.

Quantidades diárias

A quantidade recomendada de leite varia de acordo com a idade e a condição de saúde, e está relacionada com a necessidade de suplementação do cálcio. No geral, adultos saudáveis precisam de cerca de 1.000 mg do mineral por dia, o que pode ser obtido com duas ou três porções de lácteos (leite, queijos e iogurte).

A atenção fica para os pequenos abaixo de 1 ano de vida quanto ao consumo de leite não materno. O ideal é iniciá-lo a partir de um ano de idade, pois antes disso o intestino das crianças ainda não está 100% maduro para digeri-lo. O líquido integral derivado da vaca não contém vitamina E, ferro e ácidos graxos essenciais suficientes. Em contrapartida, há a obtenção de muita proteína, sódio e potássio. Estes níveis podem ser muito altos para o organismo da criança. A proteína e gordura do leite são mais difíceis para os pequenos digerirem e absorverem.

A restrição fica apenas para quem tem alergia às proteínas do leite, principalmente a caseína e as proteínas do soro. Já as pessoas intolerantes à lactose, conhecida como o açúcar do leite, podem e devem ingeri-lo. Para estes casos, há opções de produtos no mercado sem lactose e também está à venda a enzima lactase —em forma líquida ou em cápsulas—, que minimiza os efeitos do problema e ajuda na digestão.

Quanto à manga, ela entra no grupo total de frutas. Segundo os especialistas consultados por VivaBem, o indicado é o consumo de três a cinco porções diárias de frutas variadas, de preferência in natura. Não há contraindicação para a ingesta desta espécie em particular, nem mesmo para os diabéticos.

Tipos de leite

São três os tipos de leite disponíveis e a diferença entre eles está no teor de gordura: integral, com, no mínimo, 3%; semidesnatado, entre 0,6 e 2,9%; e desnatado, no máximo, 0,5%. A escolha vai depender das necessidades nutricionais de cada pessoa e da fase da vida.

Normalmente, o integral é sugerido para crianças que precisam de dietas mais calóricas e estão em fase de crescimento, pois sabe-se que a gordura presente no leite é importante para a absorção de algumas vitaminas.

O semidesnatado, por sua vez, é mais indicado para adolescentes e pessoas que queiram ingerir menos gordura para diminuição de peso corporal. Por fim, o desnatado é o ideal para quem faz um planejamento alimentar hipocalórico ou tem taxas elevadas de colesterol no sangue.

De ruim só o fiapo

A manga pode ser introduzida na fase dos alimentos sólidos, conforme recomendação do pediatra, e consumida pelos adultos, inclusive por quem está de dieta.

A manga Tommy, por exemplo, apresenta 52 kcal por 100g. E os benefícios vão muito além do baixo valor calórico. A manga ajuda a combater a prisão de ventre, porque tem efeito laxante e melhora a digestão.

Também contribui no controle da pressão por conta das fibras solúveis e antioxidantes que melhoram o funcionamento das artérias. Além disso, melhora a saúde da pele, porque tem ação fotoprotetora.

Fontes: Allan Ferreira, nutrólogo do Hospital Anchieta de Brasília; Dan Waitzberg, nutrólogo da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo; Olga Amancio, presidente da SBAN (Sociedade Brasileira de Nutrição); Paula Quitério Oliveira, nutricionista do Hospital Santa Paula (SP); Sérgio Loss, médico do serviço de endocrinologia e nutrologia do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre; e Tarcila Campos, nutricionista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP).