PUBLICIDADE

Topo

Guia do suplemento

Toma CLA para emagrecer? Não é comprovado que suplemento queime gordura

O CLA é uma gordura naturalmente presente na carne vermelha e também produzida pelo corpo humano - iStock
O CLA é uma gordura naturalmente presente na carne vermelha e também produzida pelo corpo humano Imagem: iStock

Diana Cortez

Colaboração para o VivaBem

14/08/2020 04h00

Apesar de haver inúmeros suplementos alimentares nas prateleiras, algumas substâncias não têm comprovação científica de que melhoram a performance do treino, nem sempre geram o resultado que prometem e seus benefícios são controversos. É o caso do CLA (conjugated linoleic acid, em inglês) ou ácido linoleico conjugado.

Muito indicada para quem busca emagrecer, a substância não tem um consenso entre os especialistas sobre seus benefícios para o corpo humano, nem para a perda de peso. A seguir, respondemos as principais dúvidas sobre o CLA e mostramos o que a ciência já sabe sobre o suplemento.

O que é o CLA?

O ácido linoleico conjugado (CLA) é um lipídeo, ou seja, uma gordura presente na carne de animais ruminantes e em seus produtos lácteos, mas que também é produzida naturalmente pelo corpo humano em doses muito pequenas a partir de reações bioquímicas que convertem alimentos fontes de ômega 6 —como óleo de girassol, de cártamo e de linhaça — em CLA.

A substância começou a ser consumida como suplemento com a ideia de que poderia contribuir para o emagrecimento e para a mudança de composição corporal a partir de pesquisas com ratos que mostraram esse efeito.

O CLA funciona em humanos?

Apesar de ser vendido com a promessa de promover uma maior oxidação (queima) de gordura pelo organismo, que levaria ao emagrecimento, os estudos realizados até hoje em humanos não confirmam esse benefício, conforme mostra uma análise divulgada na Revista de Nutrição/ Brazilian Journal of Nutrition.

Um outro estudo mostrou que a substância também não previne o acúmulo de gordura corporal (lipogênese), nem a formação de novas células (adipócitos).

Acredita-se que o resultado do uso do CLA por humanos não seja igual ao visto em roedores devido ao fato de nosso organismo ser muito mais complexo, além de existir um aspecto limitador no processo de oxidação de gorduras, como uma proteção natural de sobrevivência.

Os efeitos positivos do CLA na perda de peso só foram observados em análises que associaram o uso do suplemento a uma dieta de restrição calórica e a prática de exercícios regular, como aponta uma revisão de estudos publicada na Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Portanto, a substância sozinha não parece ter grande potencial de emagrecimento.

O CLA aumenta o ganho de massa muscular?

Apesar de algumas pesquisas mostrarem que houve o ganho de músculos em ratos que consumiram CLA, isso ainda não foi observado em pesquisas realizadas com humanos.

Em um estudo publicado no International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism, o consumo de de CLA associado à ingestão de creatina até trouxe resultados para aumentar o ganho de massa. No entanto, a creatina sozinha já é um suplemento reconhecido por contribuir para o ganho de músculos. Portanto, não é necessário investir no CLA para ter esse resultado na hipertrofia.

Até o momento também não foi comprovado que o suplemento de CLA ofereça melhora no desempenho físico, nem seja capaz de adiar a fadiga muscular.

O CLA baixa o colesterol e ajuda a combater doenças cardiovasculares?

Enquanto alguns trabalhos sugerem que o CLA seja capaz de reduzir o colesterol total e o LDL (conhecido como colesterol ruim), beneficiando os pacientes cardiovasculares, outras análises mostram que o suplemento piora fatores que podem impactar negativamente o organismo. Isso porque a substância também diminuiria os níveis de HDL ("colesterol bom"), que tem a importante função de evitar o acúmulo de placas de gordura nos vasos sanguíneos.

Ainda há análises que demonstram que o CLA aumentaria a Proteína C Reativa (PCR), associada a uma maior tendência às doenças cardiovasculares, além de outros parâmetros pró-inflamatórios no organismo.

Por esses motivos, pacientes com hipertensão ou com outras doenças cardiovasculares não devem arriscar consumi-lo.

O CLA melhora a imunidade?

Uma revisão de 239 estudos publicada na revista Nutrients sugere que o suplemento de CLA possa contribuir para uma boa imunidade, uma vez que a substância serviria de alimento para as bactérias benéficas que compõem a microbiota intestinal e têm a função de proteger o organismo de doenças.

Mas somente consumir o CLA não garante uma saúde de ferro. Uma alimentação equilibrada, com vitaminas e minerais variados, proteínas, gorduras boas, fibras e o consumo de água adequado, é imprescindível para se ter uma boa imunidade.

O CLA ajuda a proteger contra o câncer?

Apesar de existirem algumas evidências científicas de que a ingestão de CLA tenha uma ação significativa em reduzir a incidência e a progressão de alguns tipos de câncer em humanos, como o de próstata, gástrico e a leucemia, ainda não há um consenso sobre o assunto e mais estudos precisam ser realizados para comprovar esse benefício.

Mas uma análise divulgada no The American Journal of Clinical Nutrition coloca que a substância não oferece um efeito protetor contra o desenvolvimento de câncer de mama.

A suplementação com CLA deixa os ossos mais fortes?

Apesar de um estudo promovido por pesquisadores chineses em animais demonstrar que o consumo de CLA promova a formação óssea, segundo os especialistas ouvidos por VivaBem não é possível afirmar que o mesmo aconteça no corpo humano. Portanto, são necessárias pesquisas em pessoas para investigar essa hipótese.

Qual dose de CLA é indicada para consumo?

Em geral, boa parte dos rótulos indicam de 2 g a 3 g do suplemento de CLA por dia, em qualquer horário. Lembrando que faltam evidências científicas de que a suplementação da substância seja benéfica em humanos.

O CLA engorda?

Por se tratar de uma gordura, o CLA contém 9 kcal por grama, portanto, é uma fonte de energia. Mas, como a quantidade indicada para consumo é pequena, seu impacto energético é de apenas cerca de 30 calorias na dieta diária, o que dificilmente vai contribuir para o ganho de peso.

O suplemento pode causar efeitos colaterais?

Em algumas pessoas, o suplemento de CLA pode causar irritação do trato gastrointestinal, provocando um efeito laxativo que leva à diarreia, além de náuseas e flatulências.

O CLA pode ser prejudicial à saúde?

Uma meta-análise mostra que o CLA pode aumentar o risco de quadros de esteatose hepática (gordura no fígado), resistência à insulina (quadro que pode levar ao diabetes tipo 2) e diminuição do colesterol bom (HDL).

Na prática, o CLA parece reduzir a ação da proteína GLUT4, responsável por colocar a glicose (açúcar) dentro das células musculares e adiposas. Dessa maneira, a glicose ficaria circulante por mais tempo, o que pode levar à resistência à insulina e ao diabetes do tipo 2.

Já o quadro de esteatose hepática poderia surgir em pessoas que têm um consumo elevado de gorduras, uma vez que o suplemento deve entrar na conta do total de gorduras consumidas no dia. Algumas análises mostram ainda que o suplemento poderia causar a formação de pedra na vesícula.

Quem tem diabetes pode consumir o CLA?

Como o paciente com diabetes tipo 2 descontrolado geralmente possui sobrepeso e um corpo já inflamado, o CLA não seria uma boa opção devido à sua característica pró-inflamatória e também por prejudicar a captação de glicose, favorecendo o aumento dos níveis de açúcar no sangue (hiperglicemia).

O CLA possui cafeína?

Por se tratar de uma gordura, o CLA puro não possui cafeína e a combinação das duas substâncias ainda não é regulamentada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Mas, fora do Brasil (ou em farmácias de manipulação), é possível encontrar suplementos que ofereçam na fórmula CLA e cafeína, com a ideia de otimizar a queima de gordura. No entanto, não há evidências científicas de que esta combinação gere mais benefícios para uma mudança de composição corporal, conforme mostra um estudo publicado no Journal of the International Society of Sports Nutrition.

Por outro lado, já é sabido que a cafeína possui propriedades ergogênicas que contribuem para manter o esportista em atividade por mais tempo. Mas a melhora no rendimento físico é ainda melhor quando ela é consumida com alimentos fontes de carboidratos, que servem de combustível rápido para os músculos se manterem em atividade.

Grávidas e mulheres que amamentam podem consumir o CLA?

Como as substâncias consumidas pela mãe passam para o bebê através da placenta e pelo leite, é aconselhado que essa mulher consuma apenas os suplementos vitamínicos indicados para as fases de gestação e amamentação, conforme orientação do médico ou nutricionista que a acompanha. Por isso, não se arrisque!

Fontes: Aline David Silva, nutricionista, mestre e doutora em fisiologia humana pela USP (Universidade de São Paulo) e docente do curso de Nutrição do Centro Universitário São Camilo; Grazielle Silva de Lima, nutricionista, farmacêutica, mestre em saúde pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz e membro da diretoria do Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional (IBNF); Andrea Zaccaro de Barros, nutricionista clínica e esportiva do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Nutrição Esportiva (ABNE) e coordenadora do curso de pós-graduação em nutrição esportiva da Cefit/Unip.

Guia do suplemento