PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Coronavírus: estudo mostra que 40% dos transmissores são assintomáticos

Pesquisa feita em pequena cidade italiana ilustra a importância de testar a população e realizar o distaciamento social - Orbon Alija/iStock
Pesquisa feita em pequena cidade italiana ilustra a importância de testar a população e realizar o distaciamento social Imagem: Orbon Alija/iStock

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

01/07/2020 11h51

Um estudo feito em Vò, comuna italiana na província de Pádua, sugere que pessoas assintomáticas ou pré-sintomáticas são um fator importante na transmissão da covid-19.

Publicada hoje no periódico científico Nature, a pesquisa também aponta que testar a população em massa, isolar pessoas infectadas, e um bloquear as atividades da comunidade foram as medidas que interromperam o surto no local.

Como o estudo foi feito

  • A cidade, que tem uma população de quase 3200 pessoas, registrou a primeira morte por covid-19 em 21 de fevereiro de 2020. A população foi colocada em quarentena imediata por 14 dias.
  • Durante esse período, os pesquisadores testaram a maior parte da população no início do bloqueio (86% dos habitantes) e após duas semanas (72% dos habitantes).
  • O teste revelou que, no início do bloqueio, 2,6% da população (73 pessoas) tinham o vírus SARS-CoV-2 no organismo, enquanto, após algumas semanas, apenas 1,2% (29 pessoas) apresentaram resultado positivo.
  • Nos dois momentos, cerca de 40% dos casos positivos não apresentaram sintomas. Os resultados também mostram que levou em média 9,3 dias (intervalo de 8 a 14 dias) para que o vírus fosse eliminado do corpo das pessoas doentes.
  • Como resultado do teste em massa, todos os casos positivos, sintomáticos ou não, foram colocados em quarentena, retardando a propagação da doença.

O que mostram os resultados

"Nossa pesquisa aponta testar a maioria dos cidadãos, com ou sem sintomas, fornece uma maneira efetiva de gerenciar a propagação de doenças e impedir surtos. Apesar da transmissão 'silenciosa' e generalizada, a doença pode ser controlada", afirma Andrea Crisanti, principal autora do estudo, ao site EurekAlert!.

Além de identificar a proporção de casos assintomáticos, a equipe também descobriu que pessoas assintomáticas tinham uma 'carga viral' semelhante — a quantidade total de vírus que uma pessoa possui no organismo — a de pacientes sintomáticos.

Em conclusão, os pesquisadores afirmam que ainda há muitas questões em aberto sobre a transmissão do vírus SARS-CoV-2, como o papel das crianças e a própria contribuição de portadores assintomáticos para a transmissão. Os esforços científicos para solucionar esses mistérios, de acordo com eles, são cruciais para identificar estratégias de controle direcionadas e sustentáveis.

Saúde