PUBLICIDADE

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Quarentena e saúde mental: depressão, TDAH e outros quadros pedem cuidados

iStock
Imagem: iStock

Roseane Santos

Colaboração para o VivaBem

02/04/2020 04h00

Quando a pandemia do novo coronavírus exigiu atitudes mais radicais para seu combate, grande parte da população se viu diante uma realidade que até então desconhecida. O isolamento imposto para prevenir a contaminação em massa do covid-19 trouxe várias consequências não só no campo profissional e social, mas também no emocional de muitos.

Se já é complicado para alguém sem problemas expressivos na saúde mental, imagem para as pessoas que já sofrem com transtornos psicológicos. Por isso o VivaBem conversou com o psiquiatra Marco Antonio Abud Torquato Junior, do IPq da FMUSP (Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e com a psicóloga Nataly Martinelli, especialista em transtornos de ansiedade, e reuniu dicas para ajudar a equilibrar algumas sensações que podem agravar ainda mais um quadro de desequilíbrio emocional.

Em todos os casos é importante não abandonar o tratamento com medicamentos e a psicoterapia, que pode ser realizada virtualmente:

Depressão e ansiedade

Para quem enfrenta esse quadros é muito importante tomar os seguintes cuidados:

  • Sempre se informe por fontes confiáveis e não sensacionalistas. Nesse caso, é fundamental avaliar os tipos de leitura, filmes e até noticiários a serem vistos no período de isolamento. Caso se sentir desconfortável com algum deles, é hora de eliminar de sua rotina;
  • Evite o "consumo" excessivo de mídia sobre a pandemia (limitar o número de vezes que checa sobre notícias);
  • Mantenha uma rotina de atividade física ao menos três vezes por semana, além de ter hábitos saudáveis de sono e alimentação;
  • Evite consumo de álcool e outras substâncias que podem alterar seu emocional, caso as mesmas não sejam administradas por profissionais da saúde;
  • Mantenha conexão com pessoas significativas (mesmo que seja através somente da internet ou telefone);
  • Fale sobre suas preocupações e angústias com pessoas de confiança ou profissionais.

Claustrofobia

Pessoas que não se sentem confortáveis com locais fechados podem ter dificuldades nesses tempos de isolamento em casa. A psicóloga Martinelli ressalta que durante essa fase "é fundamental termos recursos para lidarmos com esse medo, de forma a minimizar o avanço do quadro em quem já precisava lidar com a claustrofobia e também evitar o desenvolvimento em quem não a tinha.". Veja algumas dicas dos especialistas:

  • Invista em técnicas de respiração que ajudam a diminuir a ansiedade, por isso são fundamentais. Teste a respiração diafragmática e, se possível, faça isso na janela ou sacada, pois isso lhe ajudará a ter uma visão exterior e de amplitude. Para auxiliar esse momento você poderá usar algum aplicativo que direcione sua respiração, hoje em dia já existem vários disponíveis (já ensinamos algumas técnicas também);
  • Crie sua rotina e a obedeça. Em uma entrevista à um jornal, Jon Bailey, um marinheiro que costuma passar até 6 meses submerso em um submarinho, contou como conseguia passar seus dias. Para ele, um dos pontos fundamentais para superar esse isolamento era ter uma rotina: "Divida seu dia entre trabalho, descanso, exercícios, refeições e passatempos". Por isso, anote sua rotina e tente segui-la o máximo possível, estabilizando seu organismo e mente.
  • Se você notar que está passando por algum momento de muita ansiedade devido ao isolamento, pense a longo prazo: isso vai passar. Lembre-se que sua vida começou no ventre, um lugar fechado, mas que também significava proteção e, no momento certo, você saiu e está aqui hoje.

TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo)

O TOC é um transtorno mental caracterizado por pensamentos intrusivos que "invadem" a mente (obsessões) causando extrema ansiedade e por comportamentos repetitivos (compulsões), muitas vezes incontroláveis, que são realizados na tentativa de aliviar a ansiedade.

Os pensamentos obsessivos e as compulsões podem ser relacionados a vários temas. Quando são pensamentos relacionados à contaminação e atos repetitivos relacionados à limpeza na realidade atual, o portador pode ter um sofrimento fora do normal.

Nesse momento do coronavírus, eles enfrentam um grande desafio, porque fica mais difícil conseguir diferenciar até que ponto as preocupações e atos repetitivos são úteis ou estão exageradas e prejudicando o dia a dia.

  • Limite o consumo de notícias sobre a covid-19 a uma vez por dia e obter essas notícias apenas de uma fonte confiável e verificada;
  • Defina um tempo e frequência de atos de higiene. Como você provavelmente já ouviu, a lavagem regular das mãos é um dos componentes mais essenciais da prevenção ao coronavírus, mas lavar as mãos repetidamente, por mais de 20 segundos de cada vez, pode indicar que você está saindo do território de prevenção e entrando no terreno da compulsão. Lavar as mãos demais pode levar a irritação e lesões e até aumentar seu risco de infecções;
  • Tente manter uma rotina de atividade física, sono e alimentação saudáveis.

TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade)

Muitas vezes, pessoas com TDAH têm dificuldade em manter hábitos de higiene devido a vários fatores: distrabilidade (o sintoma número um dos adultos com o problema), esquecimento, excesso de pensamentos e ideias que impedem a pessoa de desacelerar e manter-se lavando as mãos por tempo adequado e desmotivação.

Isso pode ser um problema importante para prevenir a contaminação pelo novo coronavírus nesse momento de pandemia em que vivemos. Algumas atitudes podem ajudar a amenizar esse problema:

  • Estabeleça um prazo curto e definido para executar as mudanças ("é só por alguns dias ou por uma semana). Pessoas com TDAH se sentem mais motivadas a adotar hábitos se existe um limite de tempo definido. Esse prazo pode ser reavaliado depois;
  • Coloque avisos "Lave as Mãos", junto com uma mensagem motivacional, em vários ambientes da casa;
  • Tenha sempre um álcool gel ou lenços umedecidos antissépticos à mão. Vale a pena colocar em vários locais da casa, pois a pessoa com TDAH pode se sentir desmotivada ou esquecer a higiene se eles estiverem muito distantes ou for muito trabalhoso de conseguir;
  • Recompense-se (por exemplo, com um autoelogio sincero) cada vez que conseguir lembrar da higiene.

Equilíbrio