PUBLICIDADE

Topo

Refrigerante x suco em lata: qual deles é 'menos pior' para a saúde

iStock
Imagem: iStock

Chloé Pinheiro

Colaboração para o VivaBem

12/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Refrigerante tem mais aditivos químicos como conservantes, corantes e adoçantes
  • Os sucos prontos em lata, entretanto, podem ter teores significativos de açúcar e uma quantidade pequena da fruta em si
  • Até pode consumir as duas opções de vez em quando, mas, para o dia a dia, vá de chás e sucos naturais e, preferencialmente, água

Você não abre mão da bebida durante a refeição? Saiba que optar sempre pelos refrigerantes e pelos sucos prontos pode custar caro para a saúde. Ambos são ricos em açúcar e outros ingredientes que, em excesso, estão ligados a doenças como diabetes e obesidade.

"Na verdade, o ideal seria excluir definitivamente os sucos industrializados e refrigerantes da alimentação diária, preferindo a água ou o suco feito na hora com a fruta", comenta Indiomara Baratto, nutricionista, doutora em Ciências da Saúde/Obstetrícia pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Na prática, sabemos que é difícil abolir o consumo totalmente, mas reduzi-lo e deixar essas bebidas para ocasiões mais especiais é uma boa.

Se formos olhar a composição dos dois, até há uma pequena vantagem do suco pronto, pois ele leva fruta, mesmo que em pequena quantidade, mas isso não faz dele um produto saudável. Entenda melhor por quê.

Refrigerante é pior...

A doçura do refrigerante comum é o principal problema, pois uma lata pode atingir o consumo de açúcar recomendado para o dia todo da OMS (Organização Mundial de Saúde), que é de 25 g ao dia, ou seis colheres de chá. Mas não para por aí.

O hábito pode causar hipertensão por abalar o tônus das veias e desequilibrar os níveis de sal no organismo, faz mal aos dentes, ameaça o fígado e aumenta o nível de gordura em circulação, uma vez que a carga de açúcar extra é convertida em ácidos graxos pelo órgão.

E não pense por isso que os "zero açúcar" são inofensivos. Os adoçantes, por sua potência, enganam o sistema de recompensa do cérebro, o que desregula o apetite. Fora que tanto ele quanto o açúcar são estudados por alterarem a microbiota intestinal —conjunto de micro-organismos que participa do metabolismo, da imunidade e de muitos outros processos do corpo.

Por último, chama a atenção a quantidade de corantes, conservantes, acidulantes, edulcorantes e outros aditivos. Apesar da quantidade de aditivos químicos presentes numa latinha ser considerada segura pelas entidades regulatórias, o exagero no consumo de algumas delas pode ser ruim, daí o apelo para que alimentos e bebidas tenham o mínimo de ingredientes desconhecidos possível. Razões não faltam para evitar essa bebida no consumo diário.

... Mas o suco pronto não tão fica atrás

O problema é que boa parte dos sucos industrializados é do tipo néctar, que tem pouca quantidade da fruta e muito açúcar. Se a bebida for do tipo em pó, como é comumente vendida junto com os lanches de rua, o teor de fruta pode ser somente de 1%. Fora que essas categorias podem ser quase tão ricas de aditivos quanto os refris.

O melhor mesmo é o feito na hora. Mas, se tiver que optar por um pronto, fique com os integrais, que não têm adição de água ou conservantes, e ainda preservam mais nutrientes da fruta —mas continuam ricos em açúcar, no caso, o naturalmente presente nas frutas. Neste caso sim, o suco é uma escolha mais equilibrada para o organismo do que o refrigerante.

Vale a observação de que o integral ainda perde para o fresco pois pode possuir mais frutose o que resultaria em açúcar que uma lata de refrigerante. Outra opção bacana são os chás naturais gelados, oferecidos em restaurantes —não os em lata.

As melhores bebidas para acompanhar refeições

As nutricionistas ouvidas pela reportagem destacam que o ideal mesmo seria não ingerir líquidos durante as refeições. Eles podem interferir na digestão e aumentar o risco de problemas como gastrite e refluxo gastroesofágico. Quem não abre mão deve limitar o consumo a 150 ml, um pouco menos que um copo americano.

E, pensando em saúde, a água é sempre a melhor escolha tanto para matar a sede quanto para acompanhar refeições. Se você não tem o costume, pode começar com as águas saborizadas com frutas ou ervas frescas —as industrializadas também escondem armadilhas.

Fontes: Indiomara Baratto, nutricionista doutora em Ciências da Saúde/Obstetrícia pela Unifesp, coordenadora do Curso de Nutrição na UNIPAR (Unidade de Francisco Beltrão no Paraná); Michele Barone, nutricionista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.