Topo

Tudo sobre Infarto

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Infarto

Pessoas otimistas têm menos chance de sofrer com doenças do coração

Novo estudo mostra que pessoas otimistas têm riscos menores de sofrer problemas cardiovasculares e mortes prematuras  - iStock
Novo estudo mostra que pessoas otimistas têm riscos menores de sofrer problemas cardiovasculares e mortes prematuras Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

28/09/2019 11h55

Enxergar sempre o lado bom da vida traz não apenas benefícios para a saúde mental como também para o coração. É o que diz um novo estudo publicado recentemente no periódico JAMA Network Open.

A pesquisa revelou que pessoas que se identificam como otimistas têm cerca de um terço a menos de chance de sofrer um ataque cardíaco ou um AVC.

No total, os cientistas, coordenados pelo cardiologista Alan Rozanski, do Mount Sinai St Luke's Hospital, em Nova York, analisaram dados de quase 230 mil participantes vindos dos EUA, da Europa, de Israel e da Austrália.

Como o estudo foi feito?

  • Os médicos analisaram um total de 15 estudos sobre o tema englobando um total de 229.391 participantes.
  • Dez desses estudos exploraram a ligação entre otimismo e o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos ou morte por conta de alguma doença cardíaca. Nove deles envolviam dados sobre mortes de qualquer causa.
  • Todos os estudos foram publicados entre 2001 e 2017 e seguiram os participantes por entre dois e 40 anos.
  • Em todos os estudos analisados, os pacientes foram avaliados de acordo com escalas psicológicas e também tiveram sua saúde no geral avaliada pelos médicos.
  • Quando os resultados dos estudos foram comparados, o time de cientistas percebeu que, em comparação com os menos otimistas, os mais otimistas tinham 35% menos risco de sofrer algum problema cardiovascular e 14% menos chance de uma morte prematura por qualquer causa incluindo, além das doenças cardiovasculares, câncer, demência e diabetes.

Por que isso é importante?

Os médicos participantes do estudo concordam que não é possível comprovar que apenas uma mudança de estado de espírito possa melhorar a saúde do coração e reduzir os riscos de morte por qualquer doença.

No entanto, eles acreditam que ser otimista faz a pessoa ser mais propensa a ter um estilo de vida mais saudável, praticando exercícios e atividades ao ar livre, mantendo uma alimentação balanceada e ainda evitando vícios nocivos à saúde, como consumo de álcool, drogas e cigarro.

Além disso, os otimistas tendem a ser mais hábeis na resolução de problemas, sendo mais propensos a lidar melhor com as adversidades do dia a dia. O ideal, portanto, seria estimular essa mudança de pensamento por meio de terapias comportamentais.

Rir é o melhor remédio

As evidências a favor do pensamento positivo não faltam. Há pouco tempo, outro estudo, publicado no periódico PNAS, também havia levantado a tese de que pessoas otimistas vivem até 15% mais do que o resto da população.

De acordo com a pesquisa, indivíduos positivos alcançariam uma "longevidade excepcional", chegando aos 85 anos ou mais, independente do status socioeconômico, condições de saúde ou hábitos de vida.

Em 2009, a AHA (Associação Americana de Cardiologia) publicou um estudo com quase 100 mil mulheres, dizendo que as otimistas tinham menos incidência de doenças cardiovasculares -- 43 casos a cada 10 mil mulheres, contra 60 no grupo das mais pessimistas *.

As justificativas para esse elo também não estão bem estabelecidas, mas não há dúvidas de que, sim, otimistas vivem mais e melhor. "Uma pessoa otimista não se deixa abater e o corpo dela acaba de se estruturando de acordo com isso", diz Paulo Camiz, geriatra e clínico geral do HCFMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). O efeito está relacionado à resiliência, nossa capacidade de se recuperar das adversidades da vida.

O riso em si já trabalha em nome da saúde e bem-estar. "Dar risada libera endorfinas, neurotransmissores que têm efeito semelhante ao de um analgésico", destaca Fábio Porto, neurologista do HCFMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

*Informações de matéria publicada no dia 11/04/2018 e apurada por Chloé Pinheiro

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Tudo sobre Infarto