Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Alimentação

Dá para deixar o brigadeiro mais saudável. Especialistas ensinam como fazer

iStock
Imagem: iStock

Luciana Mastrorosa

Colaboração para o VivaBem

12/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Para fazer brigadeiro em casa de forma mais saudável, dá para trocar o achocolatado por cacau e usar leite condensado light e manteiga
  • Outra forma é usar apenas o leite condensado comum (que já tem gordura) e o cacau em pó, mas pode ficar um pouco mais amargo e difícil de enrolar
  • Existem também alternativas veganas ou até que misturam o leite condensado com hortaliças
  • O melhor momento para consumir um brigadeiro é depois do almoço, já que os nutrientes ingeridos na refeição reduzem impacto do doce na insulina

O brigadeiro clássico nada mais é do que uma mistura de leite condensado (rico em açúcar e gorduras), chocolate em pó (que tem cacau, mas também tem bastante açúcar) e manteiga ou margarina. Natália ensina a fazer uma versão mais light desse doce com uma substituição simples de ingredientes. "Pode usar leite condensado light no lugar do tradicional, para reduzir o teor de gordura. E optar pelo cacau em pó, puro, que não contém açúcar e tem um teor mais elevado de antioxidantes", ensina a nutricionista Natália Colombo, e docente na pós-graduação da VP Centro de Nutrição Funcional. "Eu ainda colocaria manteiga comum ou ghee (tipo de manteiga clarificada, típica da culinária indiana) no lugar da margarina, pois trazem um pouco mais de benefícios", completa.

Uma alternativa, também, é experimentar fazer apenas usando o leite condensado comum e o cacau. Como o primeiro item já tem gordura, você pode dispensar a manteiga ou margarina. No entanto, isso traz mudanças de textura: a gordura depois de fria endurece, o que faz com que ele seja enrolado mais facilmente. O sabor também é afetado, já que cacau fica mais acentuado, então pode ser interessante reduzir um pouco a quantidade desse item para ajustá-lo de acordo com seu paladar.

Brigadeiro de cenoura, mandioca, beterraba...

iStock
Imagem: iStock

Para os que curtem o sabor e a textura que o leite condensado traz à receita de brigadeiro, a chef funcional Lu Rocha, do buffet Well Be, de São Paulo, sugere como alternativa abrir mão do cacau e, no lugar dele, usar legumes como a cenoura e a beterraba. O resultado é um docinho com cara de festa, mas com as vitaminas, fibras, minerais e antioxidantes contidos nessas hortaliças. "É só picar os legumes e bater no liquidificador junto com o leite condensado. Depois, leve a mistura ao fogo baixo e mexa até dar o ponto. Depois de deixar na geladeira para esfriar, forme as bolinhas e passe-as na cobertura de sua preferência".

Ela opta por enrolar os brigadeiros de legumes em gergelim branco e preto, para dar uma aparência mais festiva. Além disso, o gergelim também agrega sabor e traz gorduras de boa qualidade, cálcio e proteínas. A cenoura e a beterraba trazem uma cor bonita aos docinhos, agradando também às crianças.

O momento certo de consumir

iStock
Imagem: iStock

Para a nutricionista Natália Colombo, uma dieta equilibrada comporta perfeitamente um brigadeiro ou dois, mesmo que seja na versão tradicional, ou um tablete pequeno de chocolate 70% cacau. "Uma unidade de brigadeiro costuma ter 30 gramas, com cerca de 80 calorias. É algo supertranquilo de se consumir no contexto de uma alimentação saudável", afirma ela.

Seja na versão clássica ou em suas variações, o momento ideal para consumir o doce é junto com uma refeição principal, ou seja, do café da manhã, o almoço e jantar, principalmente se ele levar leite condensado ou muito açúcar. "Como o brigadeiro tem bastante açúcar, se consumi-lo junto com uma refeição com maior variedade de nutrientes (gorduras, proteínas e fibras) é possível controlar um pouco o pico de insulina que esse ingrediente promove", afirma ela.

A explicação para isso é que, ao ser consumido de estômago vazio, a quantidade grande de açúcar acaba por estimular a insulina, que tem efeito lipogênico, ou seja, promove o acúmulo de gordura. "Mas, se consumir com a refeição, as fibras e as proteínas contidas no prato conseguem retardar esse pico, sem liberar tanta insulina, embora a quantidade ingerida de calorias seja a mesma", explica a nutricionista.

Alimentação