Topo

Como emagreci

Histórias inspiradoras de quem mudou a silhueta


Como emagreci

"Descontava o estresse na comida e perdi 10 kg em 4 meses ao mudar a mente"

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Thamires Andrade

Colaboração para o VivaBem

30/08/2018 04h00

A psicóloga Dani Milagres nunca teve uma boa relação com a comida. Quando percebeu o quanto a mente sabotava sua dieta, ela passou a se controlar melhor e conseguiu emagrecer. A seguir, conta como isso aconteceu  

"Sempre fui uma criança magra a ponto de minha mãe ficar desesperada para que eu engordasse. Ela me obrigava a comer tudo que tinha no prato. Às vezes, eu chegava a vomitar por não aguentar mais, mas precisava seguir comendo.

Na adolescência, comecei a praticar exercício físico. Então, consegui manter o físico mesmo comendo coisas pouco saudáveis. Só depois de me casar repensei minha alimentação. O fato de eu não comer nenhum legume ou verdura me incomodava. E, aos poucos, fui tentando incluir esses alimentos no dia a dia com dicas de canais e sites vegetarianos.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Psicóloga de formação, resolvi fazer uma formação em coaching e foi muito transformador. Comecei a verificar que eu tinha várias questões 'comportamentais', quase crenças, com relação aos alimentos. Por exemplo, se ia a algum restaurante que eu gostasse da sobremesa servida tinha que comer tudo até o fim. Quando frequentava um rodízio precisava comer até passar mal.

A forma como eu pensava sobre a comida era complicada. Parecia que ela ia entrar em extinção e eu nunca mais conseguiria me alimentar.

Veja também:

Em 2016, trabalhei nas Olimpíadas do Rio de Janeiro e engordei bastante. O trabalho era desgastante. Saia de casa cedo e voltava bem tarde. À noite, comia de tudo: pizza, hambúrguer e todo tipo de besteiras. No início ainda tentei manter o foco, mas depois deixei a onda me levar. Terminei o projeto com 10 kg a mais. Só fui perceber o quanto tinha engordado de fato em janeiro de 2017 quando meu marido tirou uma foto minha de biquíni. Quase cai dura. Aquela foto me fez ver que eu precisava mudar de vida. 

Como já estava atendendo alguns coachees que tinham esse foco no emagrecimento, resolvi que precisava aplicar o coaching e todas as técnicas da psicologia positiva no meu dia a dia. Passei a identificar os pensamentos sabotadores e as crenças alimentares. Coloquei como meta emagrecer 8 kg em quatro meses, que seria justamente no meu aniversário de casamento.

Após estipular um objetivo principal, tracei metas mais curtas com prazos possíveis de serem alcançáveis. Isso é importante para ver resultados e manter a motivação

Comecei por minha conta. Substituindo alguns alimentos, lendo sobre receitas e alimentos na internet para entender um pouco mais sobre esse universo. Os primeiros 15 dias foram os mais difíceis e fiz questão de ser bem regrada com a alimentação.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Cortei o açúcar e busquei por sobremesas saudáveis. Comprava frutas secas, damasco, uvas passas e mix de frutas em saquinhos para levar na bolsa. Assim, quando a fome atacava eu não precisava entrar em uma lanchonete. Com o tempo, as escolhas foram ficando mais fáceis e até o paladar se modificou. Hoje, por exemplo, não consigo mais comer o chocolate ao leite. Acho muito doce.

Também voltei para a academia. Comecei a incluir o treino aos pouquinhos durante a semana até estipular como meta malhar de segunda a sexta, independentemente de chuva ou cansaço. Todo dia eu levantava e falava: `Só por hoje eu me comprometo a fazer o que eu preciso para atingir o meu objetivo'. Resultado? Emagreci 3 kg em um mês. Apesar de não ser muito fã, comecei a fazer musculação e exercícios aeróbicos. Hoje, sigo com os trabalhos para fortalecer a musculatura e também faço ioga que me ajuda muito a equilibrar o corpo e a mente.

No fim, maio chegou e eu tinha perdido 10 kg. Até mais do que o programado. Nunca tinha conseguido emagrecer tanto com dieta anteriormente, pois tinha dificuldade até para seguir o plano alimentar. Focar nas questões mentais fez toda a diferença. Quando minha mente mudou, meu corpo se transformou.

É preciso identificar o que faz você descontar suas emoções na comida. Meu gatilho era o estresse no trabalho, e consegui minimizar esse problema  

Planejar minhas refeições foi importante para evitar que eu comesse besteiras quando estivesse muito estressada. Assim, deixei de ser refém do alimento, pois consumia o que estava programado e não o que tinha vontade. Antes, comia uma pizza inteira e agora tenho estratégias para evitar alimentos que não me programei para comer. Tudo que fazia parte do meu dia a dia antes virou exceção. Mas sem neuras. Quando quero, planejo uma escapada da dieta e como de forma consciente

Ao todo, emagreci ainda mais e reduzi meu percentual de gordura de 30% para 14%. Quando cheguei nesse ponto comecei a ter um treino mais focado em ganhar massa e uma dieta com menos carboidrato. Tudo para ficar com o físico que sempre quis.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook ? Instagram ? YouTube