PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'Refeição livre' é uma boa estratégia para emagrecer?

Tara Moore/Getty Images
Imagem: Tara Moore/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do UOL

04/10/2021 04h00

Desde o surgimento das dietas, as estratégias para emagrecimento ficaram cada vez mais elaboradas na busca por resultados mais satisfatórios e duradouros. É bem verdade que a literatura científica sempre contribui para respaldar condutas médicas e nutricionais feitas não só em consultórios, mas também nas redes sociais.

Uma curiosidade é que hoje em dia o Brasil apresenta mais de 25% da população em obesidade e mais de 60% em sobrepeso, além de um maior número de pessoas com outras doenças crônicas como diabetes e hipertensão quando comparado ao início do século XXI.

Mesmo com mais informação e evidências científicas com estratégias para o emagrecimento, a conta não fecha quando se fala no maior número de pessoas com excesso de peso. Uma possível explicação para isso é que uma estratégia que funciona para você pode não funcionar para outra pessoa da sua família. Portanto, não existe uma estratégia que seja a "melhor", já que cada organismo funciona de uma forma diferente. Ficar brigando com seu corpo, tentando se encaixar em um método que pode ser muito rígido para você provavelmente não dará resultados sustentáveis e saudáveis.

Sendo assim, aceitar que seu corpo é único, além de aprender a se amar e ter paciência com o processo de emagrecimento são os primeiros passos para ter um resultado satisfatório e duradouro.

Entre as dietas para emagrecer, muitos lançam mão da estratégia de tirar um dia da semana para uma refeição livre, na qual você come algo que esteja fora da dieta. Normalmente as pessoas que fazem esse método comem, neste dia, alimentos de alta densidade calórica, fast-food, doces, entre outros ultraprocessados.

Dependendo de como for a sua relação e história com a comida, comer um alimento "proibido" pode trazer a sensação de que você precisa comer como se não houvesse amanhã, sendo aquela sua ultima oportunidade para comer algo fora da dieta. Para outros, refeição livre traz a sensação de que você estava preso e que no momento da refeição o correto é comer tudo de forma descontrolada.

Outra questão é que muitas vezes, para quem já passou por muitas tentativas de emagrecimento ou até mesmo está no efeito sanfona, comer se tornou um martírio e o simples fato de fazer dieta tende a aumentar o estresse dessas pessoas. Portanto, quando são submetidas a escolher um dia da semana para comer algo que gosta, essa se torna mais uma forma de aumentar a ansiedade que ela sente ao comer.

Nesses casos, é interessante trabalhar o processo de permissão incondicional para comer, assim você aprende a enxergar a comida apenas como comida, e não mais como boa ou ruim.

Pode ser que muitos se adaptem com o método de organizar um dia da semana para comer algo fora do programado. Para outros que já passaram por traumas com as tentativas de emagrecimento, aprender a enxergar a comida de forma mais compassiva talvez seja o primeiro passo para entender que comer algo mais calórico de vez em quando não tem nada demais e o organismo sabe lidar com isso.

Independentemente de fazer refeições livres, é importante entender que comer bem não é motivo de aprisionamento, mas sim uma forma de autocuidado e atenção com a saúde. Você não precisa resistir à comida com base na sua força mental, mas é importante aprender e reconhecer que esses alimentos mais calóricos podem fazer parte da sua vida, porém com uma menor frequência e de forma equilibrada.

Proibir e resistir nem sempre é o melhor caminho, mas tente entender se quando você come esses alimentos, isso ocorre por impulso, por hábito, por se restringir demais ou simplesmente porque está na sua frente. Desse jeito seu corpo é condicionado a ter equilíbrio e a comer apenas quando de fato fizer sentido para você de forma natural, sem precisar fazer força.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL