Topo

Edmo Atique Gabriel


Palpitações podem significar um ataque do coração? Entenda melhor o que são

iStock
Imagem: iStock
Edmo Atique Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), conselheiro de Comissão Nacional de Residência Médica do MEC (Ministério da Educação), especialista em cirurgia cardiovascular, com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic, e pós graduado em nutrologia médica pela ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia)

Colunista do UOL

22/09/2019 04h00

Dentre as principais queixas em consultório cardiológico, estão as palpitações, que podem aparecer a qualquer momento do dia ou da noite, gerando muito desconforto. Os indivíduos que, com frequência, apresentam palpitações cardíacas tornam-se pessoas traumatizadas e constantemente temerosas quanto ao que pode acontecer após uma crise. É muito comum o questionamento de se um episódio intenso e prolongado de palpitações poderia resultar com uma parada cardíaca.

A harmonia das atividades profissionais e rotineiras pode ser ameaçada pela quantidade e intensidade dos episódios de palpitações cardíacas. Para dirigir um veículo, prevalece o profundo temor quanto a possibilidade de perder o controle da direção e ocorrer um terrível acidente. Para viajar de férias e praticar esportes, o temor é de maior magnitude. Imagine se o coração "disparar" dentro do avião, o que pode acontecer? Imagine se o coração "disparar " durante uma trilha de bicicleta ou moto?

Enfim, palpitações do coração costumam ser multifatoriais e realmente incomodam. Na rotina de um consultório cardiológico, nota-se nitidamente que as mulheres queixam-se com maior frequência do problema. Também é interessante registrar que estas palpitações, embora ocorram em horários aleatórios, são mais acentuadas no período noturno, quando as pessoas já estão em casa e até quando já estão dormindo.

Ainda que as palpitações do coração causem muito desconforto e temor, as mesmas costumam ser, na maioria dos casos, benignas e relativamente fáceis de controlar, por intermédio da mudança de alguns hábitos de vida e uso de alguns medicamentos.

As palpitações do coração podem ser compreendidas de duas formas básicas: há casos de aceleração do ritmo cardíaco sem a ocorrência de "descompassos" do ritmo, como também há casos de elevação dos batimentos de uma forma desorganizada, o que seria uma arritmia.

A primeira situação reflete a elevação dos batimentos cardíacos, sem a existência de sobressaltos, como resposta a algum estímulo. Essa ocorrência é frequentemente observada quando se tem medo e ansiedade acerca de algo que acabou de ocorrer ou poderá ocorrer muito em breve. Indivíduos que farão um concurso, uma prova escolar, aqueles que acabaram de ser demitidos ou até promovidos e aqueles que sabem que um falecimento poderá ocorrer em breve devido a uma grave doença, são candidatos ao aparecimento de palpitações assim.

A busca de controle emocional e a orientação de um cardiologista desempenham papel fundamental na resolução do problema. A primeira etapa da avaliação cardiológica, para estes casos de elevação dos batimentos sem os sobressaltos, contempla a obtenção de uma história clínica meticulosa, exame clínico detalhado e solicitação de alguns exames complementares, sendo estes últimos relevantes para documentar que efetivamente não se trata de um defeito estrutural do coração.

No segundo contexto, relativo à ocorrência de elevação dos batimentos em meio a "descompasso" do ritmo, destacam-se diversas modalidades de arritmias, desde as mais brandas até aquelas mais intensas e que podem gerar algum desconforto ou até eventual risco. Os indivíduos que apresentam este tipo de palpitação necessitam de uma abordagem cardiológica mais aprofundada, uma vez que fatores familiares, genéticos, hormonais e defeitos estruturais do coração podem estar presentes.

Quando parentes de primeiro grau têm ou tiveram histórico de arritmias cardíacas, existe maior probabilidade de transmissão desta tendência. Analogamente, quando parentes de primeiro grau apresentam ou apresentaram defeitos estruturais do coração, estes poderão ser encontrados nos descendentes diretos e, desta forma, isto seria a causa das arritmias.

Em países da América Latina, destacadamente o Brasil, existem muitos casos da doença de Chagas. Uma das mais típicas manifestações desse quadro pode ser arritmia cardíaca. Desta forma, no consultório cardiológico, dependendo da história clinica e dos antecedentes pessoais e familiares, torna-de primordial solicitar exame sorológico, a fim de identificar a causa exata da arritmia.

Alguns hábitos alimentares também podem provocar a ocorrência das diferentes modalidades de palpitações cardíacas. Recomenda-se consumo moderado de bebidas energéticas como também alimentos e bebidas ricos em cafeína e xantinas.

Em suma, as palpitações cardíacas são manifestações comumente associadas ao nível de estresse, fatores genéticos e alguns hábitos alimentares. Buscar orientação cardiológica é fundamental para prevenir ocorrências mais sérias e até mesmo episódios frequentes de desconforto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Mais Edmo Atique Gabriel