PUBLICIDADE

Topo

Autoestima

Modelo britânica morre por anorexia. No Brasil, casos pioraram na pandemia

Nikki faleceu em função de complicações da anorexia nervosa - Reprodução / Instagram
Nikki faleceu em função de complicações da anorexia nervosa Imagem: Reprodução / Instagram

Ana Bardella

De Universa

11/04/2021 13h02

O falecimento da modelo Nikki Grahame, de 38 anos, que participou do Big Brother Reino Unido em 2006, é um alerta sobre o quanto os transtornos alimentares podem ganhar sintomas mais agressivos durante a pandemia. Nikki faleceu em função de complicações causadas por uma anorexia nervosa.

Em entrevista à Universa, a a psiquiatra Roberta Catanzaro, supervisora do AMBULIM (Programa de Tratamento de Transtornos Alimentares do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas) confirma que o contexto atual tem contribuído para o desenvolvimento de novos casos e para a piora deste e de outros transtornos, tais como a bulimia e compulsão alimentar. "Posso dizer que a procura pelos nossos serviços, tanto no ambulatório, quanto nos consultórios, triplicou", afirma.

Nikki, que se tornou uma celebridade local, chegou a escrever dois livros sobre suas experiências convivendo com a doença e estava internada em um hospital particular para tratar de uma nova crise.

Pouco antes da morte, sua mãe havia concedido uma entrevista para o programa "This Morning", explicando que a piora aconteceu em função do fechamento das academias. "Com a Covid, parece loucura, mas coisas como o fechamento de academias a impactaram. Para ela comer, ela precisa saber que pode se exercitar. Então quando elas fecharam foi uma grande preocupação. Ela se sentia muito isolada e gastando muito tempo sozinha, sem pensar em outra coisa além da comida", disse.

Nikki Grahame, ex-participante do Big Brother no Reino Unido, sofria de anorexia nervosa - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Nikki Grahame, ex-participante do Big Brother no Reino Unido, sofria de anorexia nervosa
Imagem: Reprodução/Instagram

A seguir, Roberta alerta para os sintomas da anorexia e para os fatores que devem ser levados em conta para a prevenção e controle dos transtornos alimentares:

Anorexia: o transtorno mais grave

Roberta explica que, entre os transtornos, a anorexia — que atinge principalmente mulheres — é o mais grave. "Ela se desenvolve a partir de três sintomas: perda de peso autoinduzida, intenso medo de engordar e distorção da imagem ou da percepção corporal", lista. Trata-se do transtorno com maior taxa de mortalidade.

"Em alguns subtipos, o paciente utiliza métodos compensatórios, como o vômito provocado ou o uso de laxantes, o que leva a um desequilíbrio no organismo e pode ser a causa de uma parada cardiorrespiratória. Além disso, as restrições alimentares provocam desnutrição. Existe ainda um terceiro fator: uma pessoa com anorexia tem 12 vezes mais chances de tentar suicídio do que alguém que não sofre com ela", alerta. Por isso, a doença é considerada tão preocupante.

Agravamento dos sintomas e desenvolvimento de novos casos na quarentena

De acordo com Roberta, o que os profissionais da área têm observado é que tanto a anorexia, quanto a bulimia e a compulsão alimentar estão sendo agravadas durante o período de isolamento social. "É como se o paciente não conseguisse sair daquele pensamento que é monotemático, obsessivo. Ele não tem mais as atividades cotidianas, não transita entre outras questões, e por isso acaba focando somente na preocupação com o peso", explica.

Assim, quem antes controlava intensamente o que comia passa a ser ainda mais rigoroso. Quem sofria episódios de compulsão alimentar esporádicos pode se sentir mais ansioso ou estressado e aumentar a frequência da ingestão descontrolada de alimentos, seguida da culpa desproporcional por ter "exagerado". E aqueles que buscavam compensar o ato de comer queimando calorias na academia, provocando o próprio vômito ou ingerindo purgantes também podem recorrer a esses recursos nocivos com mais frequência.

Mesmo quem não sofria com estes sintomas pode desenvolvê-los durante o período. "O número de novos pacientes, que já tinham uma pré-disposição às doenças e que agora estão notando os primeiros sintomas também cresceu", afirma. Isso porque, diante do cenário pandêmico, mais pessoas se sentem ansiosas, angustiadas, tristes e acabam utilizando a comida como um recurso para se confortar ou acalmar. O fator, somado a uma insatisfação corporal, funciona como um gatilho.

O que fazer para evitar o problema

A médica alerta principalmente para os familiares de crianças e adolescentes que ainda estão em fase de desenvolvimento, mas garante que a dica vale para qualquer idade: a melhor forma de evitar um transtorno alimentar é não fazer nenhum tipo de comentário sobre o corpo do outro e nem de seu próprio. "Nenhum pai ou mãe deveria dizer ao filho que ele engordou, que está com uma barriguinha. As pessoas também deveriam evitar falar sobre seus próprios corpos pejorativamente na frente dos outros. O comportamento gera sofrimento, pode causar traumas e contribui para o principal fator de manutenção dos transtornos: a insatisfação corporal", diz.

Outra dica importante é observar o conteúdo que consumimos na internet: "Muitos influenciadores nos influenciam de forma errada. Eles filmam a si mesmos dizendo que comeram um chocolate, exageraram no almoço e agora estão indo correr ou malhar para compensar o exagero anterior. Essa ideia contribui muito para os transtornos alimentares", alerta.

No caso de aparecimento dos sintomas, a psiquiatra recomenda que as famílias ou o paciente busquem uma ajuda especializada. "O tratamento correto de um transtorno alimentar é feito em conjunto com psiquiatra, psicólogo e nutricionista, todos especialistas no tema", conclui.

Autoestima