PUBLICIDADE

Topo

Diarista tenta evitar agressões do patrão contra a mulher e morre espancada

A diarista Denise Alves Fernandes, de 54 anos, foi espancada até a morte - Divulgação/Polícia Civil
A diarista Denise Alves Fernandes, de 54 anos, foi espancada até a morte Imagem: Divulgação/Polícia Civil

Pedro Paulo Couto

Colaboração para Universa, de Goiânia

29/01/2021 11h02Atualizada em 29/01/2021 11h46

Um homem de 45 anos foi preso pela Polícia Civil de Goiás suspeito de espancar até a morte a diarista Denise Alves Fernandes, 54, em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital de Goiás. Ele foi detido na última quarta-feira (27) e não teve a identidade revelada pela polícia.

O caso aconteceu no dia 7 de janeiro e foi registrado como feminicídio. De acordo com o delegado Carlos Levergger, o suspeito estava escondido em uma empresa de reciclagem da cidade quando foi preso.

Segundo o delegado, Denise fazia faxina quando testemunhou o suspeito agredindo a companheira e tentou fazer com que ele parasse com a violência. "Ele então iniciou diversas agressões, entre socos e chutes, contra a diarista. Ela foi atingida na região da face e teve múltiplas lesões", disse.

Denise foi encaminhada ao Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia, mas morreu no dia 14 de janeiro, em decorrência de traumatismo cranioencefálico.

Histórico de agressões

De acordo com o delegado, o homem tem histórico de agressões. Ele responde por violência doméstica contra a irmã, ocorrida em 2018, e contra a própria mãe, em 2020, ambas com medidas protetivas decretadas pela Justiça. Ele também foi condenado por homicídio em 2007.

Segundo o delegado, a mulher do agressor foi testemunha do crime e colaborou com as investigações. Ele foi indiciado por homicídio qualificado por circunstância que impossibilitou a defesa da vítima e motivo fútil, com pena de até 30 anos de reclusão.