PUBLICIDADE

Topo

Universa

'Me escondi enquanto olhavam minhas pernas - agora estou abraçando-as'

Monique Samuels foi diagnosticada com linfedema aos 12 anos; ela disse que deixou de viver em razão dos comentários maldosos sobre a condição - Reprodução/Instagram/@chronicallymoni
Monique Samuels foi diagnosticada com linfedema aos 12 anos; ela disse que deixou de viver em razão dos comentários maldosos sobre a condição Imagem: Reprodução/Instagram/@chronicallymoni

De Universa, em São Paulo

22/01/2021 15h56

Monique Samuels viveu escondida durante anos porque ficava envergonhada das suas pernas e pelos comentários maldosos das pessoas. Agora, tudo que ela tem é orgulho de quem é e não pensa duas vezes ao dizer que é "bonita por causa das pernas".

Ela foi diagnosticada com linfedema aos 12 anos. A condição provoca inchaço nos braços ou pernas em razão de uma obstrução do sistema linfático que gera o acúmulo de líquido no tecido linfático. Além disso, também pode causar dores nas articulações e infecções na pele.

A estudante de mestrado de 35 anos já foi internada diversas vezes e realizou mais de dez cirurgias. Monique faz sessões de drenagem linfática regularmente para amenizar as dores, mas não há cura para a sua doença. (Veja abaixo uma foto das pernas de Monique em 2011:)

"Quando eu tinha 12 anos, torci o tornozelo e, pouco depois, meu pé direito e minha perna começaram a inchar. Depois de ir a vários hospitais, fui encaminhada para o Centro de Linfedema Lerner por um residente do pronto-socorro e foi onde fui diagnosticada — após cerca de seis meses de internação, ressonância magnética, exames de sangue e ultrassom."

Monique disse que já deixou de fazer muitas coisas para evitar olhares de outras pessoas e comentários maldosos sobre as pernas delas.

"Eu ficava muito constrangido com a minha aparência depois que a condição se desenvolvia. Eu ouvia coisas dos outros ou apenas olhava as pessoas em público. Eu costumava me desviar de sair ou fazer certas coisas para evitar olhares ou sentir que dependia da ajuda de outras pessoas, quando minhas pernas estavam maiores", contou.

E completou: "Na maior parte do tempo, eu tinha que enrolar minhas pernas em bandagens e isso simplesmente tirava qualquer diversão que eu queria"

Hoje, a estudante diz que tem orgulho de quem se tornou e não deixou mais de fazer coisas e viver por conta do linfedema.

"Eu deixava a condição controlar minha vida e minhas decisões. Eu costumava basear todas as minhas escolhas de vida em como isso afetaria minhas pernas ou me limitaria por causa disso."

E continuou: "Eu estava cansada de ficar doente e cansada. Demorou, mas fiquei feliz em levar adiante esse processo de pensamento fazendo coaching de vida. Eu costumava ouvir comentários de pessoas dizendo que eu era bonita, mas minhas pernas eram tão grandes, e isso costumava me incomodar quando eu era mais jovem, mas agora eu sei que sou bonita por causa das minhas pernas. Há muito mais coisas em mim do que minha condição, tenho orgulho de quem sou e de quem estou me tornando."

Com intenção de desestigmatizar a sua condição, Monique começou a contar sobre sua experiência e vida no perfil @chronicallymoni no Instagram.

"Há tantas pessoas que apoiam. Sempre aquece meu coração ler meus comentários, há milhões de pessoas como eu lá fora e mesmo que sua condição não seja a mesma, elas também podem se identificar com o fato de esconderem quem você é e as lutas do dia a dia."

Universa