PUBLICIDADE

Topo

Universa

Casal é vítima de homofobia no interior de SP: 'Isso não é coisa de Deus'

Simone Machado

Colaboração para o UOL, em São José do Rio Preto (SP)

29/09/2020 13h09

Um casal sofreu ataque homofóbico dentro uma clínica veterinária e pet shop, em Birigui, no interior de São Paulo. O crime ocorreu na sexta-feira.

Nas imagens feitas pelos homens, é possível ver que uma mulher, ainda não identificada, se aproxima e começa a ofender os dois rapazes.

De acordo com o universitário Guilherme Franceschini Simoso, 23, uma das vítimas, as ofensas contra ele e o namorado, o também universitário Eric Cordeiro Cavaca, 24, começaram antes de a gravação começar a ser feita por eles.

casal - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Guilherme (esq.) e Eric foram vítima de homofobia em clínica veterinária no interior de SP
Imagem: Arquivo Pessoal

Além das ofensas, o casal conta que a mulher não usava máscara de proteção facial e zombava da situação.

Um funcionário do petshop aparece, conversa com a mulher e tenta impedir as agressões verbais. "Por favor, aqui dentro não", diz ele à mulher. "Então vai lá fora, que eu falo pra vocês lá fora!", retruca a senhora ao casal, os desafiando.

Logo depois, uma das vítimas pergunta se a mulher sabe que homofobia é crime, mas ela responde que "não acha que é crime".

Uma das vítimas tenta dialogar com a mulher e se defende dos ataques: "A gente não quer ouvir a opinião da senhora. Guarde para você. Ninguém aqui está pedindo a opinião da senhora. Eu não estou sendo desrespeitoso. Estou dizendo para você guardar para a senhora", diz um dos ofendidos.

mulher - Reprodução de vídeo - Reprodução de vídeo
Mulher atacou um casal em clínica veterinária
Imagem: Reprodução de vídeo

Em seguida, a mulher insiste nas agressões verbais, volta a se aproximar do casal e começa a gesticular novamente. "Olha aqui. Estou falando que é homem com mulher. Não é homem com homem e mulher com mulher. Está ouvindo? Isso não é de Deus. Isso não é de Deus", diz a mulher.

Uma das vítimas ainda pede para a mulher parar de se aproximar e diz que vai chamar a Polícia Militar. O funcionário da clínica, então, intervém na discussão mais uma vez, retira a mulher de perto do casal e pede que ela os respeite.

"Ela já entrou no petshop falando alto. Ela falava sobre Deus e outros assuntos. Quando ela nos viu, do outro lado da loja, começou a menosprezar os gays em tom alto e olhando para a gente. Foi aí que meu namorado disse que isso era crime e ela veio para cima da gente gritando, e falando tudo o que ela falou no vídeo", explica Guilherme.

Boletim de ocorrência

Após o episódio o casal procurou a Polícia Civil e registrou um boletim de ocorrência. A mulher que aparece nas imagens está sendo identificada pela polícia e será chamada para prestar depoimento.

"Já tinha enfrentado situações de preconceito, mas estando junto com meu namorado foi a primeira vez. Infelizmente a comunidade LGBTQIAPN+ sofre muito com esse tipo de situação", diz.

Estabelecimento diz repudiar a situação

O pet shop São Francisco onde o caso aconteceu emitiu uma nota de repúdio e afirmou que a ação não partiu de nenhum de seus funcionários.

"A equipe clínica veterinária e pet shop São Francisco vem manifestar seu repúdio contra o ato de discriminação e preconceito ocorrido no dia 25/09 em nosso estabelecimento e esclarecer que não foi praticado por qualquer integrante da nossa equipe ou diretoria. Reforçamos que essa atitude não condiz com as diretrizes e valores da nossa empresa, atendendo a todos os clientes e amigos com dignidade e em busca de sua satisfação. Assim, a empresa manifesta publicamente sua solidariedade aos ofendidos, a todas e todos aqueles que tem sofrido qualquer tipo de preconceito ou discriminação", disse, em nota.

Universa