PUBLICIDADE

Topo

Autoestima

Conheça a Sensual Hip Dance mix de twerk, dança do ventre e empoderamento

Mariana Toledo

De Universa

18/09/2020 15h40

Sabrina Sato, Cleo e Juliana Paes estão entre as famosas que já fizeram aulas de Sensual Hip Dance, com passos que trazem uma combinação das técnicas do twerk com os movimentos da dança do ventre.

A marca é da gaúcha Gabbi Chultz, 27, que já lecionava dança do ventre com alguns toques pessoais adicionados à prática tradicional. Com a Sensual Hip Dance, sua ideia foi criar algo que fosse além de simplesmente uma aula de dança. "Queria proporcionar também um momento de empoderamento para as alunas, de transformação pessoal, percepção sobre seu corpo e autoimagem e de descoberta de novas sensações e formas de expressão", conta a professora para Universa. Na hora de batizar a modalidade, ela teve bastante receio de incluir a palavra "sensual", mas bancou a escolha: "A questão da sensualidade, pensando pelo lado de uma visão mais sensorial/singular, me interessava muito e tinha tudo a ver com que eu queria expressar".

Gabbi  - Reprodução/Instagram  - Reprodução/Instagram
Gabbi Chultz, criadora do Sensual Hip Dance
Imagem: Reprodução/Instagram

No início, a professora tentou oferecer a aula para diversas escolas de dança em Porto Alegre (onde mora e trabalha até hoje), mas só ouviu "não" por conta do que ela acredita ter sido um receio de uma modalidade tão nova e que fugia das danças mais conhecidas e tradicionais. Na época, algumas práticas mais diferentes, como o pole dance, estavam começando a se popularizar no Brasil. Mas quando ela montou cursos e workshops por conta própria a história começou a dar certo. Divulgando seu trabalho pelas redes sociais, Gabbi cresceu no Instagram e no YouTube e chamou atenção de famosas, que logo foram atrás de aulas particulares de sensual hip dance - Sabrina Sato, Cleo, Juliana Paes e Vitória Strada são algumas de suas aprendizes. "As aulas com as celebridades foram fundamentais para eu me firmar e oficializar a marca. Aí, aluguei um estúdio próprio, o My House, e passei a oferecer curso de certificação para que novos professores e professoras também dessem aulas de SHD", lembra. Hoje, são cerca de 50 profissionais certificados, em estados como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e até na cidade de Sidney, na Austrália.

O que hoje vemos nos clipes das cantoras de pop e funk brasileiras tem tudo a ver com o sensual hip. "O dançar com os quadris é nossa principal marca. As alunas olham um clipe dessas artistas e já lembram da aula", afirma Gabbi. Outro ponto importante da modalidade é que ela também utiliza técnicas de Dance Video, isto é, trata-se de uma coreografia já pensada para o vídeo e que, por isso, funciona muito bem para o Instagram e para o YouTube, por exemplo. Entre os hits que fazem mais sucesso nas aulas, estão "Vai Malandra" (Anitta, MC Zaac, Maejor e Tropkillaz), "Flores" (Luisa Sonza e Vitão), "Toma" (Luisa Sonza e MC Zaac) e "Desce Pro Play" (Anitta feat. MC Zaac).

Em São Paulo, a primeira professora certificada em sensual hip dance é Maria Fernanda Lemos, que dá aulas desde 2018 e hoje comanda o Instituto Meyfe. Mafê, que é formada em Educação Física, conheceu a modalidade por conta de um post no Instagram da Sabrina Sato, na época em que a apresentadora estava fazendo suas aulas com a Gabbi, e logo se apaixonou pelo conceito: "Entendi de cara como a dança estava ligada ao empoderamento. Para mim, ser empoderada é ser livre para fazer o que eu gosto e tenho vontade. O sensual hip prega essa liberdade de rebolar e de dançar da forma que eu quero e que meu corpo permite. É isso que a gente passa para as alunas, um manifesto de desenvolvimento pessoal e liberdade".

Maria Fernanda e Gabbi Sensual Hip Dance  - Acervo Pessoal  - Acervo Pessoal
Maria Fernanda e Gabbi, professoras de Sensual Hip Dance
Imagem: Acervo Pessoal

Crescimento na pandemia

Com a chegada do novo coronavírus ao Brasil e as recomendações de isolamento social com o intuito de combater a disseminação do vírus, as professoras inicialmente acreditaram que viria aí um momento de crise, já que davam aulas presenciais e precisaram fechar as portas.

Enquanto em São Paulo a Maria Fernanda logo passou a dar aulas ao vivo por meio do Zoom, oferecendo também a opção dos alunos comprarem pacotes e aulas avulsas para fazerem as aulas depois, em seus próprios horários, no Sul a Gabbi criou o que ela chama de "Netflix da dança": uma plataforma virtual, a My House Online Pro, que funciona com base em assinaturas - que podem ser semanais, mensais ou anuais. Toda semana o assinante recebe novos conteúdos. Dentro da plataforma, encontra também treinos rápidos de hiits dançados, alongamentos e yoga. "Os resultados das aulas online têm sido muito bons, porque ampliaram nosso público. Hoje, tenho alunos no Japão, Inglaterra, Portugal. Podemos chegar a qualquer lugar", comemora Gabbi.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado o Sensual Hip Dance não aparece nos clipes de "Flores" e "Toma", de Luisa Sonza nem em "Me Gusta" e "Bola Rebola", de Anitta.

Autoestima