PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Kate Winslet diz se arrepender de trabalhos com Polanski e Woody Allen

Atriz diz considerar "inacreditável" como cineastas acusados de abuso foram tidos em tão alta consideração por tanto tempo - Dimitrios Kambouris/AFP
Atriz diz considerar "inacreditável" como cineastas acusados de abuso foram tidos em tão alta consideração por tanto tempo Imagem: Dimitrios Kambouris/AFP

De Universa, em São Paulo

11/09/2020 10h18

À luz do movimento #MeToo, Kate Winslet afirmou se arrepender de ter trabalhado com os cineastas Woody Allen e Roman Polanski, ambos acusados de abuso sexual.

Em entrevista à Vanity Fair, a atriz britânica, 44 anos, disse considerar "inacreditável" como eles foram tidos em tão alta consideração por tanto tempo.

"O que diabos eu estava fazendo trabalhando com Woody Allen e Roman Polanski? É inacreditável para mim agora como aqueles homens foram tidos em tão alta consideração, tão amplamente na indústria cinematográfica e por tanto tempo. É vergonhoso pra c... E tenho que assumir a responsabilidade pelo fato de ter trabalhado com os dois. Eu não posso voltar no tempo. Estou lutando com esses arrependimentos, mas o que temos se não somos capazes de ser apenas f... verdadeiros sobre tudo isso?", declarou.

Polanski é considerado foragido da Justiça dos Estados Unidos, onde foi acusado, em 1977, de violentar uma adolescente de 13 anos. Outras mulheres afirmaram nos últimos anos que foram vítimas de agressões sexuais por parte do diretor de "O Pianista", o que ele nega.

Já Allen foi acusado de abusos por sua filha adotiva Dylan Ferrow. Ele sempre negou as acusações.

A atriz trabalhou com Polanski em "Carnage" (2011) e com Allen em "Roda Gigante" (2017).

'Exemplo decente para mulheres mais jovens'

Winslet dá vida a paleontóloga Mary Anning no longa "Ammonite", que será exibido pela primeira vez hoje no Festival de Cinema Internacional de Toronto.

Para ela, o filme lhe fez ficar mais atenta a estar ainda mais comprometida "em honrar o que as mulheres querem dizer para si mesmas nos filmes e como realmente queremos ser retratadas, independentemente da orientação sexual". A história tem como pano de fundo a relação amorosa entre a coletora de fósseis e a geóloga Charlotte Murchison, interpretada por Saoirse Ronan.

"Porque a vida é curta e eu gostaria de fazer o meu melhor quando se trata de dar um exemplo decente para mulheres mais jovens. Estamos entregando a elas um mundo bem f..., então eu gostaria de fazer minha parte para ter alguma integridade adequada", acrescentou.

A atriz disse ficar "indignada" sobre como as conquistas de Mary não foram devidamente reconhecidas.

"Mas essas são coisas que aprendemos sobre a maneira como o sucesso feminino foi retirado da história, ou mesmo nunca escrito. Mary Anning era uma mulher cujos sucessos - suas realizações científicas - foram roubados dela por homens ricos gananciosos que não eram tão inteligentes quanto ela. Completamente ultrajante. É por isso que essas histórias são tão importantes. É importante sabermos que grandes mulheres vieram antes de nós e fizeram coisas extraordinárias", avaliou.

Violência contra a mulher