PUBLICIDADE

Topo

Mulheres inspiradoras

'Home officer surtada' e mais: ilustradora retrata mulheres na quarentena

Lela Brandão, autora da série "Guerreiras do Apocalipse" - Reprodução / Instagram
Lela Brandão, autora da série 'Guerreiras do Apocalipse' Imagem: Reprodução / Instagram

De Universa

21/04/2020 15h48Atualizada em 22/04/2020 15h31

O período de isolamento social provocado pelo novo coronavírus tem sido bem representado por uma ilustradora no Instagram. A artista Lela Brandão, de 26 anos, criou a série 'Guerreiras do Apocalipse', retratando de forma bem-humorada as diferentes maneiras como mulheres estão encarando a fase de confinamento.

Entre os tipos retratados, está o das mulheres que não conseguem deixar a limpeza de lado; daquelas que precisam trabalhar de casa e fazer tudo ao mesmo tempo; das estudantes que tentam dar conta das aulas e trabalhos online até de madrugada — e mais versões.

Confira a seguir o trabalho da ilustradora até o momento:

1. 'A Organizadeira Obscecada'

2. 'A Masterchef Improvisada'

3. 'A Maratonista de Netflix'

4. 'A Home Officer Surtada'

5. 'A Surtada da Internet'

vamos a guerreira do apocalipse que a cada três dias desperta em mim: A SURTADA DA INTERNET Essa guerreira acorda de manhã e a primeira coisa que faz é pegar o celular. Depois de aproximadamente 1h rolando na cama unindo o combo procastinação+negação da realidade+notícias horríveis logo pela manhã, é nesse climão que a surtada da internet começa seu dia. Quando finalmente consegue levantar da cama, vai tomar um cafezinho vendo as notícias do SPTVírus. Logo depois começa seus afazeres ao som ambiente do Bom Dia com Coronavírus na TV. Mantém uma rotina regrada de consultar as redes sociais de 15 em 15 minutos, submergindo num mar de notícias sobre o fim do mundo. Ela que sabe de cor o número de contágio de cada país, já se habituou com o coraçãozinho disparado e leves tonturas durante o dia. Mas quando vem a falta de ar, já acha que está indo a óbito. Mas, como não dá pra ir pro hospital, bora se distrair vendo notícias sobre um tal de coronavírus que ta rolando aí. Atenção: se você se identificou com a surtada da internet, bora repensar? Eu também tava assim no começo da quarentena, mas reconsidere a quantidade de informações que vc ta consumindo. Talvez seja legal definir um horário pra se informar, e controlar um pouco o acesso às redes e notícias. Desliga a TV e vai escutar uma musiquinha, sua saúde mental agradece :)

Uma publicação compartilhada por Lela Brandão (@lela.brandao) em

6. 'A Estudante EAD Enlouquecida'

7. 'A Cabeleireira Impulsiva'

e vamos pra primeira guerreira do apocalipse da semana, A CABELEREIRA IMPULSIVA Ela que no começo da quarentena começou a olhar o cabelo de outra forma. Diante da monotonia do seu entorno no isolamento, ela começou a se questionar: "Será que não é uma boa hora pra arriscar uma franja? To em casa mesmo, se der errado ninguém vai ver. Hm melhor não." E essa foi a primeira vez que a hipótese da franja pousou na cabeça da nossa guerreira, e aí meu amor, só ladeira abaixo. Ela que pegou um chumaço de cabelo de trás da cabeça e prendeu com grampo perto da testa pra simular uma franjinha, depois foi correndo baixar algum aplicativo que simulasse de um jeito mais realista, quando se viu com a franja fake pensou que tava meio estranha mas é porque não ta acostumada né? Melhor deixar quieto. Depois disso, ela foi pesquisar na internet "como cortar a própria franja", só por curiosidade, e se deparou com tantos vídeos de pessoas que tentaram e deu muito errado que achou melhor desistir. Ela estava conformada com seu cabelo de sempre quando de repente, em uma noite monótona pós surto, do mais absoluto nada, a cabelereira impulsiva foi ao banheiro, sacou a tesoura e disse " é agora, seja o que deus quiser". E foi. Cortou a própria franja, se olhou no espelho e pensou: ta estranho. Ta estranho? Ta estranho. Mas será? Ou será que eu só não to acostumada com o look? Não. Ta horrível. E se pôs a chorar, no segundo surto da noite, pensando como ela pode ser tão inconsequente de cortar essa franja ridícula. Mas força, guerreira, a média de tempo pra uma pessoa se acostumar com um corte novo é de duas semanas, então mantenha a calma e guarde o surto pra daqui a duas semanas, se você ainda se achar ridícula. Se você se identifica ou conhece alguma cabelereira impulsiva, deixe seu relato nos comentários. Valem relatos positivos e negativos kkkk #guerreirasdoapocalipse

Uma publicação compartilhada por Lela Brandão (@lela.brandao) em

Mulheres inspiradoras