PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Máscara vermelha: código ajudará vítima de violência doméstica na Argentina

Governo argentino e Confederação Farmacêutica do país lançaram campanha para proteger mulheres - Susana Vera/Reuters
Governo argentino e Confederação Farmacêutica do país lançaram campanha para proteger mulheres Imagem: Susana Vera/Reuters

De Universa

11/04/2020 16h40

Em um momento no qual órgãos internacionais de proteção às mulheres alertam para o risco de aumento da violência doméstica, países tentam encontrar alternativas para conter os casos e prestar ajuda às vítimas.

Na Argentina, a iniciativa do governo e da Confederação Farmacêutica do país foi a de criar um código para pedir ajuda na hora de ligar para a farmácia.

Por telefone, a mulher deve fazer o pedido uma máscara vermelha, ou barbijo rojo, em espanhol — essa será a senha para que o atendente preste ajuda. A orientação é que ele diga que o produto não está disponível e pegue os dados da pessoa que ligou para, em seguida, repassá-los à Linha 144, número do governo que presta atendimento em casos de agressões no contexto doméstico.

Os atendentes da farmácia também foram orientados a repassar dados de mulheres que, mesmo sem pedir ajuda, apareçam na farmácia com marcas de agressão física.

Ministra de Mulheres, Gênero e Diversidade, Elizabeth Gómez Alcorta afirmou, em uma conferência de vídeo com representantes do Senado argentino, que o número de ligações para o 144 aumentou 39% na segunda quinzena de março, período do início da quarentena, em relação à primeira.

O ministério também disponibilizou três números de Whatsapp para que vítimas possam pedir ajuda, uma conta de e-mail e um aplicativo específico.

Os esforços do governo argentino vão ao encontro das orientações da ONU (Organização das Nações Unidas), para que se criem estratégias de ajuda às vítimas envolvendo supermercados e farmácias.

No Brasil, o governo lançou o aplicativo Direitos Humanos Brasil para permitir que mulheres peçam ajuda virtualmente. Além disso, o 180, número que dá orientações para esses casos, continua disponível 24 horas por telefone.

Violência contra a mulher