PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

Vereador do MS pede salões de beleza abertos: "Não tem marido que aguente"

O vereador Wellington de Oliveira: pedido de reabertura de salões de beleza e igrejas para ajudar as mulheres - Reprodução
O vereador Wellington de Oliveira: pedido de reabertura de salões de beleza e igrejas para ajudar as mulheres Imagem: Reprodução

Camila Brandalise

De Universa

08/04/2020 15h03

A Câmara de Vereadores de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, discutiu na terça-feira (7) a possibilidade de reabertura do comércio da cidade em meio a pandemia de covid-19.

Para justificar seu ponto de que todos os serviços são essenciais, o vereador Wellington de Oliveira (PSDB) deu o exemplo dos salões de beleza, que deveriam ficar abertos para que as mulheres pudessem usar seus serviços. De outra maneira, "não tem marido nesse mundo que vai aguentar", disse.

"Salão é importante. Imagina a mulher sem fazer sobrancelha, cabelo, unha, não tem marido nesse mundo que vai aguentar, tem que tratar da autoestima", disse o vereador. Na sequência, afirmou ainda que igrejas deveriam abrir suas portas e, desta vez, usou a violência doméstica como argumento.

"Porque se a pessoa quisesse matar a mulher e os filhos, ele vai e bate na igreja, está fechada. Daí ele fala: 'É um aviso de Deus para eu voltar lá e matar'. Então igreja é essencial, tem que criar mecanismos novos para que a igreja funcione", afirmou durante sessão em plenário.

"Pedi desculpas a todos que se ofenderam"

Em conversa com Universa, Oliveira afirmou que foi mal interpretado. "A intenção era dizer que o marido não aguentaria a mulher reclamando por não ter salão aberto e não pelo fato da mulher estar ou não de sobrancelhas feitas", explicou.

"No geral, para muitas mulheres é um serviço essencial ir ao salão. É mais que estético, é terapêutico, é um momento de valorização pessoal. Entretanto, diante do mal-entendido, pedi humildemente desculpas a todos que se ofenderam. Não era essa a minha intenção."

Questionado sobre justificar a abertura das igrejas pois, caso contrário, homens vão agredir mulheres — não levando em consideração que a violência doméstica existe quando o homem se sente no direito de agredir a esposa e a tem como posse, e independe de frequentar igreja ou ter religião —, afirma que a fala foi tirada de contexto.

"O contexto era a forma como estamos enxergando o que é serviço essencial é o que não é. Minha defesa é que tudo em sociedade é serviço essencial", respondeu.

Fala vira piada entre mulheres e gera nota de repúdio

Após a fala do vereador viralizar nas redes sociais, mulheres de Campo Grande começaram a postar fotos das unhas sem fazer e do cabelo desarrumado, como relata a advogada Rachel Magrini, presidente da unidade sul-mato-grossense da ABMCJ (Associação Brasileira de Mulheres em Carreira Jurídica).

Rachel redigiu, com outras colegas juristas e em nome da associação, uma nota de repúdio às declarações de Oliveira, consideradas machistas e preconceituosas.

"O que aparece nessas falas é a objetificação da mulher. Ela é tratada como se fosse objeto na visão que ele tem, de ter que ficar bonita para o marido se não ele não aguenta", diz. "Ficamos revoltadas."

Reitera que, mesmo com com a interpretação que o vereador agora traz, de que o marido não vai aguentar a mulher reclamar do salão fechado, continua sendo machismo e falta de percepção da realidade.

"Em um momento de isolamento no qual falamos sobre aumento de violência doméstica, reclamamos de abuso e agressão, da sobrecarga de trabalho, já que todas as funções da casa recaem sobre as mulheres", rebate. "É uma barbaridade dizer que mulheres vão reclamar disso para justificar a reabertura do comércio, inclusive contrariando o próprio Ministério da Saúde."

Rachel também questiona o argumento sobre reabrir as igrejas. "A igreja tem que funcionar porque, se não, será vai justificável o homem não encontrá-la aberta, voltar para casa e agredir a mulher? Ou então: é o pastor que tem que falar que ele não pode bater na esposa? Ele está transferindo uma responsabilidade que não é da igreja para justificar um ponto."

Projetos para mulheres

Em sua defesa, Oliveira afirma ter apresentado mais de dez projetos de lei, desde 2017, para proteção de mulheres em que é autor ou coautor com outros vereadores. "Sou um dos defensores da causa feminina e não tenho e nunca tive intenção de ofender ninguém", diz.

Rachel afirma que o vereador é, de fato, uma das pessoas mais atuantes na área. "Ele tem mesmo bons projetos na pauta referente a mulher. Aqui em Campo Grande só temos duas vereadoras, no Mato Grosso do Sul, nenhuma deputada. Quando trazemos pautas femininas, temos dificuldade em conversar", afirma.

"Ainda assim, não há justificativa para os absurdos que ele disse. "Se a gente for aceitando esses comentários misóginos o tempo todo, vai se tornando normal."

Direitos da mulher