PUBLICIDADE

Topo

Governo anuncia aplicativo para denúncia de violações de direitos humanos

A ministra Damares Alves - Daniel Stone/Futura Press/Folhapress
A ministra Damares Alves Imagem: Daniel Stone/Futura Press/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

02/04/2020 17h26

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, anunciou na tarde de hoje a criação de um aplicativo para denunciar violações de direitos humanos, em especial violência doméstica, durante a pandemia de coronavírus.

"A notificação de violência contra a mulher nesse período é 50% maior", afirmou a ministra durante coletiva interministerial sobre ações no combate à covid-19.

Damares elogiou iniciativas de alguns estados, como o Rio de Janeiro, onde há a possibilidade de fazer a denúncia online. "Estamos considerando que as mulheres informam a violência de forma online. Nos outros estados não tem crescido porque a mulher está dentro de casa e não tem como usar a denúncia", observou a ministra.

"Mas já temos ligações (no ligue 180) de que a violência contra a mulher esta crescendo. O aumento (de ligações) na semana passada foi de 9%", acrescentou.

A ministra explicou que mesmo em casa, a mulher em situação de violência pode encontrar "um cantinho" onde utilizar o aplicativo sem levantar suspeitas. Ela também fez um apelo a vizinhos e pessoas que desconfiarem de situações do tipo, para que também façam a denúncia, garantindo sigilo e anonimato.

"Não só a denuncia contra a mulher, mas também o disque 100: abuso sexual, violência contra a criança, todo tipo de violação de direitos humanos", declarou.

O aplicativo, chamado "Direitos Humanos BR" está disponível para os sistemas Android e IOS. Quem baixá-lo receberá um passo a passo completo para realizar a denúncia. Ainda, a plataforma oferece a possibilidade de enviar fotos, vídeos e documentos que possam comprovar as violações.

Damares acrescentou que os canais do governo foram ampliados para receber denúncias e que atuam 24 horas por dia, com possibilidade de receber denúncias de mais de 50 países. Ela disse que a possibilidade de contato fora do país permitiu que brasileiros retidos no exterior recebessem auxílio de entidades nacionais que ficam fora do país até que ocorresse repatriação.

Violência contra a mulher