PUBLICIDADE

Topo

Atriz de 'Orange' se abre sobre bulimia e diz que série ajudou a 'salvá-la'

Laura Prepon - Dimitrios Kambouris/Getty Images/AFP
Laura Prepon Imagem: Dimitrios Kambouris/Getty Images/AFP

De Universa, em São Paulo

26/03/2020 11h05

A atriz Laura Prepon se abriu sobre sua luta contra a bulimia no livro "You & I, as Mothers", que chegou nas livrarias norte-americanas esta semana. Conhecida por papéis em "That 70s Show" e "Orange is the New Black", a norte-americana disse que a escalação nesta última ajudou a "salvá-la" do distúrbio alimentar.

"Quando eu recebi o roteiro e fiz um teste para 'Orange', achei que não ia conseguir o papel. No fundo da minha mente, eu dizia para mim mesma que não estava no peso ideal, aquele que minha mãe havia forçado para mim na adolescência", contou.

Quando Laura foi escolhida para viver Alex na trama, isso reforçou sua autoestima. "Eu fico feliz de ver, durante a minha carreira, mudanças acontecendo [em Hollywood]. Fazer parte de 'Orange' foi incrível por muitas razões, e uma é que a série celebra mulheres de diferentes etnias e tamanhos", escreveu.

É um contraste grande com sua época de "That 70s Show", em que Laura interpretou Donna entre 1998 e 2006. "Eu era muito reservada [no set da série]", lembrou a atriz. "Ninguém sabia o que estava acontecendo, mas o meu peso flutuava muito durante as temporadas".

"Eu precisava ter dois guarda-roupas diferentes. Culpava tudo na menstruação, dizia que ficava 'inchada'. Vendo os episódios hoje, consigo identificar se estava sofrendo mais ou menos com a bulimia naquele período", contou.

A atriz, hoje com 40 anos de idade, disse que foi a própria mãe que a "ensinou" a vomitar após comer muito. "Eu acho que, na mente dela, ela estava tentando me ajudar. Minha mãe relacionava a magreza com o sucesso", definiu.

O tema principal do livro de Laura é a maternidade, e ela quis iniciar esta conversa de forma "honesta". "Se queremos realmente pensar quem somos como mães, precisamos falar sobre o que realmente está acontecendo em nossas vidas", disse.

Autoestima