PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Mãe desabafa sobre aproximação de estranho com a filha de 7 anos em ônibus

Ellie, de 7 anos, filha de Nicole Bescoby - Reprodução/Facebook
Ellie, de 7 anos, filha de Nicole Bescoby Imagem: Reprodução/Facebook

De Universa, em São Paulo

19/12/2019 18h18

Nicole Bescoby usou suas redes sociais para compartilhar um momento desconfortável pelo qual passou com a filha, Ellie, de 7 anos, durante uma viagem de ônibus.

No Facebook, a mãe narrou o momento em que as duas estavam juntas no transporte público, quando um homem entrou no ônibus, que não estava lotado, e optou por sentar-se ao lado da filha.

"Ela se levantou a se aproximou de mim. Não fez muita coisa a respeito, mas claramente estava desconfortável. Foi quando o homem disse: 'você não precisa ter medo de mim, me dê um toque de mão'. Ela não quis, se virou para mim e recuou-se a conversar com ele", escreveu ela, que a partir de então continuou a falar com a filha de forma privada.

O estranho insistiu em fazer contato com Ellie, questionando sobre a ansiedade para o natal. Nicole interferiu e iniciou uma conversa trivial: "Não sou muito boa socialmente, mas tento ser educada e odeio pensar que alguém está sozinho. Fiquei feliz o suficiente para ter uma conversa naquele momento".

O desconforto se fez ainda mais presente na terceira tentativa de contato feita pelo homem, que questionou a garotinha se "o gato tinha comido a sua língua enquanto inclinava-se para cima dela".

"Eu a senti se pressionando contra mim para evitar contato com ele. Tudo na linguagem corporal dela pedia para que ele parasse, mas ele não a ouvia. Por que as pessoas fazem isso?", questionou no texto.

"Você deveria ensinar boas maneiras para ela. O mínimo de educação", retrucou o estranho, que fez com que Nicole se lembrasse de várias ocasiões semelhantes pelas quais já passou, como o rapaz que a chamou de "frígida" quando ela se recusou a falar com ele em uma festa, os tios que a beliscavam para "ganhar um beijo" e outros tantos estranhos que a pressionavam por "educação acima do seu próprio conforto".

Sobre a situação no ônibus, a mãe precisou tomar uma decisão mais incisiva.

"Ela não foi indelicada, ela não precisa falar com você. Me virei para minha filha e disse: 'Querida, você não precisa falar com essa pessoa. Ninguém tem o direito de fazer você se sentir mal por algo que não queira fazer. Você pode dizer para ele parar e se ele não escutar, quem está errado é ele. Tenha certeza disso. Grite até alguém te ouvir se for necessário".

Mães e filhos