Topo

Sexo


Sexo

Sexo casual: 7 motivos que indicam que é melhor deixar para outro dia

Graça do sexo casual é a falta de compromisso e a aventura, mas é preciso ter cuidado - Getty Images/iStockphoto
Graça do sexo casual é a falta de compromisso e a aventura, mas é preciso ter cuidado Imagem: Getty Images/iStockphoto

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

01/07/2019 04h00

Quando o tesão bate e os dois estão muito a fim de transar, para que esperar? A graça do sexo casual é justamente a falta de compromisso e a sensação de aventura. Mas para que a experiência seja 100% prazerosa é importante tomar algumas precauções -- caso contrário, o melhor é repensar a possibilidade e adiar a experiência para outro dia. Na hora de decidir, considere as circunstâncias a seguir:

1. Nenhum dos dois tem camisinha

Eis aí o sinal mais importante de todos para desistir do sexo casual, ainda que o tesão seja imenso! Como vocês provavelmente se relacionam com outras pessoas - e não sabem em circunstâncias essas transas acontecem - segurar a onda e evitar contrair uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível) é a decisão mais sensata a tomar. As estatísticas provam que transar sem proteção é um risco em ascensão: segundo dados de 2018 da Secretaria Estadual de Saúde, as ocorrências de sífilis por transmissão sexual cresceram 603% em seis anos.

2. O parceiro parece abusivo ou agressivo

Siga a sua intuição. Se, no bar ou na balada, o sujeito se mostrar meio bruto no jeito de beijar, de tocá-la ou até de conduzir a conversa, presta atenção no sinal vermelho. "E fuja correndo. O ideal é fazer sexo casual só em ambientes seguros e com pessoas minimamente gentis e confiáveis. A sua vida vale muito para se arriscar quando os indícios mostram perigo", fala Lígia Baruch de Figueiredo, doutora em Psicologia Clínica pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de
São Paulo) e coautora do livro "Tinderellas - O Amor na Era Digital" (Ema Livros). "Melhor não arriscar logo de cara a intimidade, pois entre quatro paredes você estará à mercê do que ele fizer, desprotegida e possivelmente se colocando em risco", completa a psicóloga Marina Vasconcellos, terapeuta familiar e de casal pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

3. Os dois são amigos, mas só você tem expectativas amorosas

Para Ellen Moraes Senra, psicóloga especialista em terapia cognitivo-comportamental, do Rio de Janeiro (RJ), trata-se de outra furada anunciada. "Misturar amizade e sexo pode até não ser uma ideia tão ruim, desde que ambos saibam que se trata apenas disso. Porém, se há sentimentos amorosos envolvidos por uma das partes não tem nem porque arriscar, pois além de se magoar você pode acabar com a amizade que tinha", avisa. Portanto, avalie se está preparada para encarar a situação como apenas um momento de diversão entre amigos, sem expectativas ou compromissos.

4. Ele propôs uma fantasia que você não quer fazer

A realização de fantasias muitas vezes acontece apenas quando já existe uma intimidade e ambos sentem-se à vontade para dizer ou fazer o que alimentam no plano da imaginação. "Caso ainda não confie suficientemente na pessoa e se sinta incomodada com a proposta, respeite seu tempo e sua intuição e coloque seu limite. O sexo deve ser prazeroso e ambos estarem de acordo com o que rola na cama, o que provoca ainda mais prazer. Não vale a pena 'violentar-se' para satisfazer o desejo de alguém que você mal conhece", pondera Marina.

5. Você quer fazer sexo casual como vingança

Querer dar o troco na mesma moeda, saindo com o primeiro que aparecer para se vingar de uma traição do parceiro, por exemplo, é uma ideia que só costuma funcionar na teoria. "Na prática, partir para o sexo casual como forma de desforra vai provocar uma sensação de moral que apenas vai piorar uma autoestima já abalada. Isso acontece porque não uma conexão real com o parceiro eventual, como atração física ou emocional", fala Lígia. A única exceção é no caso de haver uma atração prévia que ficava enrustida, aí a vingança até pode gerar prazer.

6. Você bebeu demais

"Então, sem dúvida, seu julgamento está prejudicado. E, dependendo da quantidade de álcool ingerida, seu bom senso e sua visão também não estão lá grande coisas, o que nos faz pensar se iria dar conta de lidar com o que encontrasse no dia seguinte", diz Ellen. De acordo com Denise Figueiredo, psicóloga e sócia-diretora do Instituto do Casal, em São Paulo (SP), quando falamos de sexualidade é primordial falarmos de desejos e vontades. "Para que a relação casual seja um momento legal, é necessário estar certa do que está fazendo. Por isso, caso esteja alcoolizada e ainda em dúvidas, vale a pena rever essa vontade. Beber demais, além de baixar a censura, pode fazer com que a resposta sexual não aconteça da maneira natural como deveria acontecer", diz. E, vale pontuar, pode colocá-la em situações não consensuais e de risco.

7. O local escolhido não é seguro

A psicóloga Marina lembra que é importante tomar cuidado ao arriscarem-se em lugares públicos onde possam ser surpreendidos a qualquer momento por alguém, passando por constrangimentos. É fundamental ter um mínimo de cuidado em preservar a privacidade e a segurança de ambos, evitando situações perigosas ou desagradáveis. Se não se sente à vontade, deixe para depois.