PUBLICIDADE

Topo

"Sou física espacial e quero estimular mais garotas a serem cientistas"

Arquivo pessoal/Arte UOL
Imagem: Arquivo pessoal/Arte UOL

Beatriz Santos e Rita Trevisan

Colaboração para Universa

24/07/2018 04h00

Na adolescência, ao assistir o filme "Contato", Alessandra Abe Pacini, 35, começou a sonhar em trabalhar como astrônoma. Depois de dois doutorados e várias experiências internacionais, incluindo uma passagem pela Nasa, ela quer compartilhar sua paixão com outras mulheres. "A ciência precisa de mentes femininas, a maioria que escreve é homem e, quando nós escrevemos, quem avaliam são eles. Isso é limitante", diz. A seguir, ela conta sua trajetória:

“Sempre gostei de ciências, mas o filme "Contato" foi determinante para a minha decisão de estudar Física. Ele mostrava a Jodie Foster como uma astrônoma, no Observatório de Arecibo, em Porto Rico, justamente onde eu trabalho atualmente. E aquilo foi um divisor de águas para mim. 

Leia também

Como estudante, eu não era uma aluna nota 10, mas era bastante interessada, prestava atenção nas aulas. Então, acabei fazendo monitoria, iniciação científica e tudo isso foi abrindo portas durante a minha formação. 

Sou filha de um pai matemático que sempre trabalhou com informática, que colecionava milhares de livros, incluindo vários de Física. Então, ele sempre me apoiou. Já a minha mãe nunca entendeu meu gosto pela Física e pelo espaço.

Quando eu fui para a Antártida ficar um mês, contei para minha mãe, muito empolgada, e ela quase enlouqueceu. 

Ela me perguntou o que eu ia fazer no meio do nada... Mas, com o tempo, se acostumou.

Por conta da ciência, morei na Finlândia, nos Estados Unidos e até trabalhei na NASA durante um período. Eu andava pelos corredores vendo grandes nomes que eu lia nos papers quando estudava sobre o assunto, foi uma experiência incrível!

Atualmente, eu também me dedico bastante à pesquisa, concluí dois doutorados, dei aula em Universidades e agora oriento outras pesquisadoras. Mas foram duas alunas que me inspiraram a escrever o livro "Girls in Space", que será lançado de forma independente por meio do Kindle, na plataforma da Amazon.

Eu as preparei para a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) no CEFET Química de Nilópolis (RJ) e as duas ganharam medalhas de ouro. O livro foi escrito em português e será traduzido para mais quatro línguas, porque quero atingir o maior número possível de garotas.

Estamos muito mal representadas na ciência, não há nem 30% de mulheres cientistas em todo o mundo, segundo dados da ONU

Mas as crianças entram na escola interessadas em ciência, porque o espaço fascina, elas querem experimentar, testar, ver o que vai acontecer... O que nós não podemos fazer é matar esse cientista dentro delas. Então, eu lancei o livro para tentar resgatar isso nas meninas a partir dos nove anos, quero que as garotas saibam que ciência é coisa de menina, sim.

A ciência precisa de mentes femininas, a maioria que escreve é homem e, quando nós escrevemos, quem avaliam são eles. Isso é limitante para a pesquisa em si e para a gente, porque nem todos querem abrir espaço para as mulheres. Precisamos estabelecer uma rede de apoio e avançar. O que não podemos é nos deixar abater, pois não há limites para a nossa capacidade. O espaço está aí para nos lembrar disso, representando uma fonte inesgotável de inspiração.”

Minha história