PUBLICIDADE

Topo

Universa

Brigas por dinheiro? Conheça 9 dicas de terapia financeira para casais

Todos os gastos anotados é uma das sugestões - iStock
Todos os gastos anotados é uma das sugestões Imagem: iStock

Gabriela Guimarães e Carolina Prado

Colaboração para o UOL

14/08/2017 04h00

Além do tradicional terapeuta de casal, outro profissional entrou em cena na vida dos cônjuges em crise: o terapeuta financeiro. “Nos últimos cinco anos, a renda do brasileiro diminuiu, por causa do desemprego. Os problemas com dinheiro, e as brigas entre os casais aumentaram”, explica o educador financeiro da RVK Negócios, Cleber Camargo, que atende casais com essa dificuldade. O desacordo sobre os gastos da família e a falta de disciplina fazem com que muitos não consigam economizar para atingir um objetivo em comum, como a compra de uma casa ou uma viagem de férias. É aí que nascem os conflitos. Se você se identificou com esse cenário, confira nove dicas para não sair no prejuízo financeiro e emocional.

1. O primeiro passo não precisa ser dado pelos dois 
Quando uma pessoa muda, a tendência é que o outro também altere o seu comportamento. Claro, desde que já tenha havido uma conversa inicial e ambos tenham concordado com a mudança. Mas, muitas vezes, os dois esperam que o outro inicie a movimentação primeiro e ninguém sai do lugar.

2. Dedo na cara não é o caminho 
Por mais que o assunto dinheiro seja uma pedra no sapato e que, muitas vezes, cause conflito entre o casal, não fuja dele. Mas dialogue em um momento em que os dois estejam tranquilos e com a guarda baixa. “É preciso ouvir o outro e não só julgar, porque isso só piora o conflito”, diz Camargo.

3. Todos os gastos anotados 
É o que faz a administradora de empresas Thaís Bechir, 38, e seu marido, Fernando. Ela conta que a vida financeira do casal era desorganizada, sem objetivo e que eles não compartilhavam suas metas pessoais, o que dificultava chegar a um consenso sobre gastos e investimentos. “A educação financeira nos ajudou no hábito de fazer planos anuais, com revisões esporádicas, o que nos trouxe segurança”, conta.

4. Filhos também cuidam do dinheiro da família
Se analisou que o consumo de água na casa está alto, converse com as crianças sobre o tempo no banho e sobre deixar a torneira aberta à toa. “Procure educar as crianças desde cedo. Quanto mais a família toda se envolver no problema, melhor”, diz Marco Gutierres, educador financeiro, palestrante e terapeuta financeiro da DSOP.

Dicas de terapia financeira para casais - iStock - iStock
Imagem: iStock

5. Ninguém fica rico de um dia para o outro
Tenha paciência para ver os resultados dos novos hábitos. O corretor de seguros Fernando Nascimento, 34, e sua namorada, Camila, buscaram a educação financeira há um ano e só agora a situação começou a estabilizar. “Nós planejamos melhor. Hoje, saímos menos, mas vamos a lugares que realmente valem o dinheiro gasto. É um processo contínuo”, afirma ele.

6. Não vale mentir sobre os gastos para o par
Ou omitir, como aquelas compras feitas na internet com o cartão de crédito. Pode até rolar receio de ouvir sermão do outro, por ter se excedido no mês, mas, para encontrar uma solução, é importante jogar limpo. E assumir os momentos de excesso. 

7. Pequenas atitudes dão grandes resultados
Fernando Nascimento conta que o terapeuta financeiro o ajudou a realizar pequenas mudanças no dia a dia doméstico. “Nossa conta de luz vinha muito alta e ele deu a dica de colocar réguas de energia nos aparelhos eletrônicos. Quando a gente sai, desliga. Isso ajudou bastante, diminuiu a conta em 15%”, diz.

8. Responda: o que é essencial, supérfluo e desperdício para os dois?
Essencial é tudo o que você não vive sem (alimentação, moradia e saúde, entre outros). Supérfluo é aquilo que não é essencial, mas que traz satisfação ou melhora a qualidade de vida. Desperdício é o gasto desnecessário de água e a mensalidade de uma academia que você nunca frequenta, por exemplo.

9. Crise é oportunidade para empreenderem juntos
Nos últimos anos, você deve ter conhecido pessoas que passaram a ter uma segunda ocupação, para ter uma renda extra. Vai desde fazer marmita congelada até prestar consultoria nos horários livres. Além de aumentar a receita da família, esta é também uma chance do casal se aproximar por um objetivo em comum.

Universa