PUBLICIDADE

Topo

Universa

Dolce & Gabanna decide eliminar prévias de coleção

da Efe, em Roma

11/12/2008 10h22

Os estilistas italianos Domenico Dolce e Stefano Gabbana, criadores de uma das grifes de mais prestígio do mundo, decidiram colocar fim ao ritmo frenético da prévia da coleção, que, conforme afirmam, arruinou o mercado da moda.

Fotos: Dolce & Gabbana Verão 2009

Reuters

Reuters

Os estilistas Domenico Dolce (dir) e Stefano Gabbana (esq)


"Decidimos dizer basta. Nadaremos contra a corrente, seremos talvez os primeiros a fazer isso, mas chegou o momento de mudar", disse Gabbana em entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal financeiro italiano "Il Sole 24 Ore".

"Há um ano que estamos um pouco cansados destes ritmos, que requerem um grande compromisso estilístico, mas sobretudo um enorme esforço empresarial. Tudo deve ser muito rápido e estar muito bem feito, com um serviço sempre ao máximo", afirmou.

Os estilistas criticaram o interesse "viciado" e generalizado em ter antes de todos as novidades da próxima coleção, mesmo sem terem usado as peças da atual temporada, idéia que, segundo eles, partiu dos Estados Unidos para depois alcançar o mundo.

"A base de antecipar acaba fazendo com que trabalhemos ao mesmo tempo sobre mais coleções, enquanto nossos fornecedores de tecidos ainda não têm produtos novos a oferecer. É um frenesi que cria problemas para toda a indústria têxtil", destacou Gabbana.

Segundo o estilista, a Dolce & Gabbana começou, há 15 anos, a antecipar sua coleção, mas, então, afirma, era um fenômeno muito menor, com um interesse menos "excessivo" do que existe atualmente.

"As coisas devem ser compradas quando fazem falta. Por eles decidimos entregar tudo no tempo certo, sem esquecer, claro, que nos dirigimos a um público que já tem de tudo e, por isso, nas lojas deve haver sempre mercadoria fresca", acrescenta.

Sobre a crise econômica, que afeta também a prestigiosa grife, Dolce assegura que prefere que as vendas da firma tenham caído a encontrar suas roupas "com desconto de 50% um mês depois" de tê-la tirado do mercado.

Universa