Topo

Violência contra a mulher


Indonésia absolve mulher condenada por denunciar chefe que a assediava

Reuters
Imagem: Reuters

25/07/2019 11h11

Uma mulher condenada a seis meses de prisão por denunciar publicamente seu chefe, que a assediava sexualmente, obteve a absolvição do Parlamento nesta quinta-feira.

O Parlamento foi invadido de aplausos quando os deputados votaram, por unanimidade, pela anulação da sentença de prisão contra Baiq Nuril Maknun por ter gravado seu ex-chefe quando ele a assediava sexualmente com comentários obscenos.

Baiq Nuril Maknun, mãe de três filhos, estava no Parlamento e começou a chorar depois da decisão, que era sua última esperança para evitar a sentença da prisão.

Grupos de defesa dos direitos humanos condenaram a sentença e advertiram que a decisão poderia impedir as vítimas de agressão sexual de denunciarem sua situação nesse país conservador de maioria muçulmana.

O presidente indonésio, Joko Widodo, que também expressou preocupação com a sentença da mulher, deve assinar o indulto.

"O caminho foi pavimentado para conceder anistia a Nuril, e o presidente deve agir imediatamente", disse a Anistia Internacional em um comunicado.

"Esta pode ser uma vitória histórica para as vítimas de abuso sexual na Indonésia", acrescentou, afirmando que Maknun sofreu uma "imensa injustiça".

Em 2015, o então chefe de Maknun, diretor de uma escola onde ela trabalhava, denunciou-a à polícia por tê-lo difamado, depois que a mulher o gravou quando ele fazia comentários de natureza sexual.

Depois disso, Maknun foi demitida e acusada sob uma lei que proíbe a disseminação de material indecente, um texto criticado por sua ambiguidade.

Num primeiro momento, um tribunal local da ilha de Lombok absolveu-a de todas as acusações.

Mas os promotores recorreram e, no ano passado, a Suprema Corte da Indonésia revogou a sentença anterior e a condenou.