Topo

Sexo


Sexo

Transar em pé reduz chance de engravidar? 6 verdades sobre sexo e gravidez

Getty Images
Imagem: Getty Images

Thais Carvalho Diniz

Do UOL

30/04/2017 04h00

Quando o assunto é sexo, muitas vezes é a gravidez que ganha espaço entre as maiores dúvidas a respeito da prevenção e até mesmo sobre o que pode acontecer durante a gestação. Afinal, quem nunca ouviu que transar pode ser prejudicial para o bebê ou que é possível determinar o gênero de acordo com o dia da fecundação?

A seguir, conseguimos sanar seis dúvidas que envolvem os assuntos com a ajuda de ginecologistas e obstetras.

Consultoria | Luciana Longo, ginecologista e obstetra da área de medicina fetal do Fleury Medicina e Saúde; Carolina Ambrogini, ginecologista do Projeto Afrodite do Departamento de Ginecologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Flávia Fairbanks, ginecologista do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo).

  • Posso engravidar se o sexo acontecer durante a menstruação?

    Sim. A menstruação é um fenômeno diferente da ovulação e, em um ciclo regular, há um intervalo entre eles. Entretanto, algumas mulheres que têm o ciclo desregulado, mais ou menos curto, quando os ovários podem começar a produzir nos últimos dias de sangramento, por exemplo. De acordo com as especialistas, é muito difícil saber exatamente quando a ovulação começa e, por isso, o ideal é se proteger sempre se a intenção não for ganhar um bebê. Entre os sinais desse processo estão o desconforto na região dos ovários --nas laterais da parte baixa da barriga-- e o conteúdo vaginal que a mulher expele nesse período, parecido com um gel.

  • Transar em pé reduz a chance de engravidar?

    Não. O fato é que quanto mais tempo o sêmen ficar dentro da vagina, maior chance de um espermatozoide conseguir chegar ao útero. Mas não é verdade que se a mulher ficar deitada por mais tempo pode engravidar e nem que transar em pé, por exemplo, exclui qualquer chance de fecundação. Uma gota de sêmen --que possui milhares de espermatozoides-- pode ser o suficiente!

  • Sexo durante a gravidez prejudica o bebê?

    Não. Segundo as ginecologistas e obstetras entrevistadas pelo UOL, pelo contrário. Muitas vezes a prática é recomendada para manter o vínculo físico e emocional entre o casal. Grávidas podem transar quando e como quiserem. Entretanto, em casos de risco de parto prematuro ou ameaça de aborto, por exemplo, há contraindicações e as orientações dos obstetras devem ser seguidas à risca. Uma precaução geral é continuar se protegendo com preservativos, pois durante a gestação, o organismo fica mais sensível e há maior facilidade em desenvolver corrimentos e infecções.

  • É possível engravidar transando na água?

    Sim. Se o sexo for desprotegido e a ejaculação acontecer dentro da vagina, a possibilidade é a mesma de transar fora dela. A água não é capaz de entrar e carregar o sêmen para fora, como muitos imaginam. E ainda há os riscos de doenças, como a infecção urinária, dependendo do local onde o sexo acontece.

  • É possível planejar o sexo do bebê com base na ovulação?

    Não. Esse é um dos maiores "achismos" a respeito da gravidez. Muito se fala que, porque os espermatozoides que carregam o cromossomo Y são mais rápidos e menos resistentes e os que levam o X são mais lentos e mais resistentes, é possível definir. Na prática, segundo as especialistas, não há estudos científicos que comprovem que o sexo do bebê pode ser controlado dessa forma. Mas, como só existem duas possibilidades, menino e menina, é possível que dê certo para alguns, o que não significa que seja a regra.

  • Se a mulher gozar, aumentam as chances de fecundação?

    Não. Do ponto de vista biológico, o orgasmo feminino não é essencial para a fecundação. O papel fisiológico é apenas o prazer!