PUBLICIDADE

Topo

Se Conselho Fosse Bom

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

"Descobri que fui traído 24 anos atrás, e não consigo superar"

Pexels, banco de imagens
Imagem: Pexels, banco de imagens
Karin Hueck

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados. "Se conselho fosse bom" é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas

Colunista do UOL

12/06/2021 04h00

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br

Tenho 68 anos, minha esposa, 54, e somos casados há 35 anos. Nossa relação íntima sempre foi intensa, sempre nos amamos. Mesmo quando brigávamos, nunca fui mandado a ir dormir no sofá. Ela sempre foi muito ciumenta. Porém, no fim do ano passado, ela me disse que precisava me revelar um segredo que guardava há 24 anos. Contou-me que havia me traído com um vizinho, saindo com ele várias vezes, mas que não lembrava quanto tempo durou o relacionamento com ele. Me disse também que, na maioria das vezes, não queria sair com ele, mas não conseguia dizer não, porque não tinha forças. Por que ela não conseguia dizer não? Será que ela estava apaixonada? Ou era apenas sexo? Há 9 meses que estou sofrendo, pois para mim, a traição está sendo como se fosse hoje.
- Décadas no escuro

- Caro décadas no escuro
Consigo imaginar o seu sofrimento e é natural que todas essas perguntas fiquem surgindo em looping na sua cabeça, ainda que seja um fato antigo. Para você, isso tudo é novidade, e é o que vale. O seu é um típico caso em que teria sido melhor não contar a verdade. A traição aconteceu há mais de duas décadas e não teve efeitos perceptíveis sobre o seu casamento --tanto que vocês estão aí, casados há 35 anos, com um relacionamento legal e respeitoso. Isso me faz acreditar que a sua esposa te contou esse segredo sem pensar no seu bem-estar, apenas para aliviar a própria consciência. Dito isso, o que você precisa é de tempo. Acho também que você merece algumas respostas mais claras da sua mulher, como "o que você quis dizer com não tinha forças para dizer não?" ou "o que exatamente foi esse caso?". Mas só. Tente não prolongar ou aumentar esse episódio além da conta. Com o tempo, vai ficar mais fácil. E lembre-se: isso que aconteceu há 24 anos não transforma a sua esposa em uma completa desconhecida, ela ainda é a mesma pessoa com quem você construiu esse casamento bem-sucedido.

Passei por uma cirurgia recentemente e desenvolvi uma paixão platônica pelo médico. Eu sou casada (embora não esteja passando por uma fase boa na relação), e sei que é platônico porque nem o conheço direito e tenho consciência de que é absolutamente impossível vir a conhecê-lo melhor. Para ele, eu sou só mais uma paciente. Só que não consigo racionalizar 100% e me pego stalkeando o cara em redes sociais e criando fantasias na minha cabeça. Como faço pra me livrar disso? Por mais ridículo que pareça, estou sofrendo. Tinha me esquecido de que amor platônico também doía.
- Dentro da caverna

- Cara dentro da caverna
Olha, me parece que você ainda sabe diferenciar muito bem o que é ficção do que o que é realidade, então está tudo bem. Acho que essa sua paixão platônica é muito mais um reflexo do estado não-tão-caliente do seu casamento, do que uma manifestação de um novo e devastador amor. Lembre-se: você não conhece esse homem. Tudo que ele fez foi mexer com o seu interior literalmente, não metaforicamente. Por isso, não faça nada. Deixe o tempo agir. Essa pequena obsessão vai passar e logo, logo você vai voltar a se deparar com aquilo que existe de verdade.

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL