PUBLICIDADE

Topo

Mayumi Sato

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'Humilhava garçom, não queria sexo': o que descobriram sobre par em relação

Numa pesquisa com 6.800 pessoas, 57% sentiram que caíram num golpe depois de começarem um relacionamento, quando os defeitos da pessoa amada vieram à tona - Getty Images
Numa pesquisa com 6.800 pessoas, 57% sentiram que caíram num golpe depois de começarem um relacionamento, quando os defeitos da pessoa amada vieram à tona Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mayumi Sato Mayumi de Andrade e Silva Sato

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está "não estamos" só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Mayumi de Andrade e Silva Sato

Colunista do UOL

24/10/2021 04h00

Encomendei uma pesquisa ao Sexlog para saber se muita gente já sentiu que caiu num golpe depois de começar um relacionamento, quando características da pessoa amada vieram à tona. Das 6.800 pessoas que responderam o questionário, pasmem, 57% já se sentiram enganadas dessa forma. Dessas, 53% acreditam que, se tivessem convivido mais tempo, teriam entendido melhor a pessoa amada, mas 47% dizem que não tinham como ter descoberto antes.

Pensei nessa sondagem porque talvez você esteja acompanhando a série "Casamento às Cegas" na Netflix e se contorcendo com um misto de ansiedade, vergonha alheia e pena de alguns participantes como eu. Mas, se não está, conto pra você (sem spoiler) do que se trata:

Homens e mulheres se conhecem através de uma parede. Conversam, falam de intimidades e, eventualmente, descobrem ali um grande amor. Depois se conhecem e vão conviver por alguns dias pra, no fim, decidir se vão se casar. Tudo num intervalo impensável de tempo de algumas semanas. A típica receita para dar tudo errado e, claro, render um bom reality. Eu estou adorando. Resumindo: é tão ruim que é bom.

Com toda a dinâmica televisionada, é fácil perceber como algumas pessoas só vão revelando quem realmente são ao longo do tempo. E é evidente que a possibilidade de acabar mal é muito maior do que acabar bem. Mas será que isso tem mais a ver com o fato de eles não terem se visto no início do programa ou faz parte das nossas relações que a gente vá se revelando aos poucos?

Na pesquisa encomendada ao Sexlog, os entrevistados apontaram que, dentre as más características reveladas após o início do relacionamento, as mais comuns são, em ordem de ocorrência:

  • Se tornou uma pessoa muito ciumenta
  • Controladora
  • Mentirosa
  • Interesseira
  • Preguiçosa
  • Desrespeitosa
  • Tinha vida dupla
  • Preconceituosa
  • Machista

Para completar o show de horrores, algumas pessoas compartilharam suas histórias de pura decepção. Para nos lembrar que, às vezes, a cilada vem:

"Era a pior pessoa do mundo com outras pessoas: desrespeitava familiares e gostava de humilhar atendentes e garçons. Infelizmente estava cego de amor para deixar passar estes 'pequenos detalhes', mas, graças a Deus, abri meus olhos."

"Ele queria muito ser pai, no discurso. Depois que tivemos filho entendi que ele queria mesmo é que eu virasse mãe, inclusive dele, se possível."

"Depois de quase 1 ano de namoro saudável e maravilhoso, o cara começou a fazer de conta que não me conhecia. Entrávamos e sentávamos juntos no ônibus, depois de um tempo, ele se levantava e sentava em outro lugar. Quando eu ia até ele, falava: 'Eu te conheço?'. Uma vez fui na portaria do prédio dele e o porteiro disse: 'Ele falou que não conhece ninguém com esse nome'. Depois de alguns episódios desses, acabamos".

"Depois de 7 anos com meu companheiro maravilhoso, notei que ele não queria mais sexo. Sugeri troca de casais, um homem, uma mulher, posições e aventuras de todos os estilos. Ele falava que era coisa da minha cabeça. Um grupo de amigos descobriu e me contou que meu companheiro tinha uma oficial e eu estava sendo a amante há 2 anos. Eu não tinha redes sociais, por isso nunca descobri. Mas a namorada dele tinha e postava tudo abertamente. Ele chegava a pedir para eu deixar ele na esquina do trabalho, depois descobri que era para não ser visto comigo."

"Eu conheci uma pessoa e ela se mostrava completamente esforçada e super de boa. Quando fomos morar juntos começou o inferno na terra: não gostava de trabalhar, nem de ajudar na casa. Se eu demorasse 10 minutos para chegar em casa, era motivo de brigas e desconfianças. Tinha que ser tudo do jeito dela: se fosse sair, tinha que ser só pra onde ela queria; filmes, ela tinha que escolher; até meu estilo de roupas ela queria determinar. Sinceramente, não deu pra mim.

"Fiquei com ele cerca de 6 meses. Nesse período ele me ajudou a estudar para concurso (ele é professor de cursinho e coach de concursos). Terminei porque ele queria ser meu dono e me tratava como objeto. Então ele me processou por conta do auxílio com estudos. Queria cobrar 5 mil reais pelo "coach" e mais 2 mil por rescisão de contrato (sendo que eu não assinei nada). Ele não ganhou o processo, mas me deu muita dor de cabeça."

"Depois de 7 anos de relacionamento, descobri que meu noivo é bissexual e crossdresser. Eu só sei disso hoje porque eu descobri, ele não me contou, não abriu o jogo. Se eu não tivesse descoberto, acho que ele nunca teria me contado. Ele costumava conversar com homens em salas de bate-papo e usava minhas roupas e meus sextoys sem eu saber."

"Quando éramos amigos, o boy fazia questão de lavar a louça após a refeição. Quando começamos a namorar, ele passou a deixar os afazeres para mim. Se reclamasse, ele dizia estar cansado."

"Dizia que era um cara super liberal e cabeça aberta. Na hora H se apaixonou e ficou possessivo e monogâmico."

"Me casei com um homem que era esforçado e sincero, mas depois se revelou preguiçoso, infiel e acomodado. Mas é vida que segue."

E você, já se desiludiu com alguém? Comprou coelho por lebre e só notou tarde demais? Compartilhe suas histórias nos comentários!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Mayumi Sato