PUBLICIDADE
Topo

Qual o melhor celular até R$ 3.000 da atualidade?

Celulares intermediários podem salvar o seu bolso - Arte UOL
Celulares intermediários podem salvar o seu bolso Imagem: Arte UOL

Colaboração para o Tilt, do Rio de Janeiro

12/11/2021 04h00Atualizada em 25/11/2021 12h47

Um produto que é classificado como intermediário pode dar uma ideia de "nem bom, nem ruim", mas no mundo dos smartphones eles merecem respeito. Isso porque os aparelhos possuem alguns recursos avançados, presentes nos mais caros (chamados top de linha), e não custam a mesma fortuna.

Para quem deseja trocar de celular buscando um bom custo-benefício e tem uma graninha a mais, eles com certeza devem estar na lista de opções pesquisadas.

Para ajudar em suas buscas, Tilt organizou uma lista com boas opções de celulares intermediários e intermediários premium oferecidos pela Xiaomi, Motorola, Samsung e Apple.

OBS: Como no final de novembro acontecerá a Black Friday (que reúne um dia com vários descontos), pode ser vantajoso já escolher o seu aparelho e comparar os preços.

Quais são as configurações básicas de um intermediário?

De modo geral, um celular intermediário costuma ter em comum hoje em dia telas IPS LCD (com células de cristal líquido mais avançadas), bateria em torno de 5.000 mAh, conjuntos de câmera bastante razoáveis, 4GB de memória RAM (que ajuda no desempenho) e cores diversas.

Bons modelos podem ser encontrados atualmente por menos de R$ 2.500 — muitos são lançados por R$ 3.000 ou mais e, meses depois, têm seu preço reduzido. Pagamentos à vista costumam diminuir um pouco mais.

Xiaomi

A Xiaomi tem alguns celulares intermediários na linha Redmi — como o Redmi Note 10 (R$ 1.749,99) e o Redmi Note 10S (R$ 1.599).

A fabricante, porém, possui dois modelos em especial, a versão 5G do Redmi Note 10 (R$ 1.899) e o intermediário premium Redmi Note 10 Pro (R$ 2.098), um pouco mais caro, com recursos que vão um pouco além.

O Redmi Note 10 5G já começa com um espaço de armazenamento de 128 GB, o que é um bom tamanho atualmente — menos do que isso não compensa para quem usa muitos programas no celular e faz muitas fotos e vídeos com o telefone.

O modelo tem ainda uma câmera principal de 48 MP. Além disso, tem bateria de 5.000 mAh (deve durar um dia completo) e vem com carregador rápido de 22,5 W.

Ficha técnica Redmi Note 10 5G

  • Tela: 6,5 polegadas;
  • Processador: MediaTek MT6833 Dimensity 700 5G;
  • Memória: 4 GB de RAM e 128 GB;
  • Câmera traseira: principal: 48 MP; macro 2 MP; profundidade 2 MP;
  • Câmera frontal (selfie): 8 MP;
  • Bateria: 5.000 mAh;
  • Cores: prata, azul, cinza e verde;

O Redmi Note 10 Pro, que belisca o nível premium, vem com processador Snapdragon 732G, que faz parte da linha intermediária da Qualcomm que é otimizada para rodar games. A bateria é bem robusta, com 5.020 mAh: suficiente para 12 horas de jogo ou 50 horas em uso normal.

Ficha técnica do Redmi Note 10 Pro

  • Tela: 6,67 polegadas;
  • Processador: Snapdragon 732G;
  • Memória: 6 GB de RAM e 128GB;
  • Câmera traseira: principal de 108 MP, telemacro de 5 MP, ultra angular de 8 MP com campo de visão de 118 graus, sensor de profundidade de 2 MP;
  • Câmera frontal (selfie): com 16 MP;
  • Bateria: 5.020 mAh;
  • Cores: bronze gradiente, cinza ônix e azul glacial;

Motorola

A Motorola tem uma série de modelos intermediários. Para citar alguns, do mais caro ao mais barato, temos: Moto G60s (R$ 1.698,00), Moto G30 (R$ 1.359,10), Moto G20 (R$ 1.199,00), Moto G10 (R$ 1.019,15) e Moto G50 (R$ 1.799,10).

Contudo, a fabricante destaca outros dois, que não estavam nesta lista inicial: Moto G60 (R$ 2.124,15) e Moto G100 (R$ 2.830,05). Entre eles, um salto de valor, que faz a diferença no seu desempenho.

O Moto G60s tem um conjunto de câmera tripla e é a primeira vez que a empresa adota um sensor de 108 MP na linha Moto G, a família mais vendida no Brasil da marca.

Outro destaque é a bateria de 6.000 mAh, que, segundo a fabricante, dura 54 horas longe da tomada, podendo chegar a três dias de duração com uso médio.

Ficha técnica do Moto G60

  • Tela: 6,8 polegadas;
  • Processador: Snapdragon 732G octa-core 2,3 GHz;
  • Memória: 128 GB e 6 GB de RAM;
  • Câmera traseira: de 108 MP (Principal), 8 MP (ultra-grande angular e macro) e 2 MP (profundidade);
  • Câmera frontal (selfie): de 32 MP;
  • Bateria: 6.000 mAh;
  • Cores: cores azul e champagne;

O Moto G100, como o nome sugere, traz um pouco mais. A Motorola comemora em 2021 o lançamento da décima geração do Moto G.

Para celebrar o momento, o aparelho ganhou uma versão premium entre os modelos intermediários, com recursos mais avançados e uma embalagem perfumada.

Quem se destaca é o processador avançado: Qualcomm Snapdragon 870. Na China, o aparelho foi lançado como "Moto Edge S". A promessa é de um aparelho com ótimo desempenho e que não irá deixar você na mão com travadas.

Ficha técnica do Moto G100

  • Tela: 6,7 polegadas;
  • Processador: Snapdragon 870 octa-core de 3,2 GHz;
  • Memória: 256 GB e 12 GB de RAM;
  • Câmera traseira: de 64 MP (principal), 16 MP (ultra-grande angular e macro), 2 MP (profundidade) e sensor TOF;
  • Câmera frontal (selfie): 16 MP (principal) e 8 MP (ultra-grande angular);
  • Bateria: 5.000 mAh;
  • Cores: azul e cinza;

Samsung

Quem também tem uma série de aparelhos entre básicos, intermediários e premium é a Samsung. A lista é vasta e podemos sugerir um olhar mais cuidado em modelos como Galaxy A32 (R$ 1.287,08), Galaxy A52s 5G (R$ 2.564,24) e Galaxy A22 (R$ 1.248,68).

Contudo, outros dois modelos são destacados pela fabricante: Galaxy A12 (R$ 1.011,08) e o Galaxy M62 (R$ 1.747,08).

Com preço convidativo mais perto dos básicos, o Galaxy A12 vem com uma bateria de 5.000 mAh, câmera traseira quádrupla e um desempenho bastante "ok" com um processador Helio P35 (2.3GHz), 4 GB de memória RAM e apenas 64 GB de espaço de armazenamento.

Ficha técnica do Galaxy A12

  • Tela: 6,5 polegadas;
  • Processador: Processador MediaTek Helio P35;
  • Memória: 64 GB de armazenamento interno, 4 GB de RAM;
  • Câmera traseira: lente principal de 48 MP;
  • Câmera frontal (selfie): câmera frontal de 8 MP;
  • Bateria: 5.000 mAh;
  • Cores: preto, branco, azul e vermelho;

O Galaxy M62 é mais novo, custa mais caro, e o principal diferencial é a bateria gigante: 7.000 mAh. A promessa é de autonomia para mais de dois dias de uso moderado ou quase dez horas em atividades intensas, como streaming ou jogos.

O aparelho chegou em agosto de 2021 custando mais de R$ 3.000, mas a notícia animadora é que o preço já caiu bastante.

Ficha técnica do Galaxy M62

  • Tela: 6,7 polegadas;
  • Processador: Samsung Exynos 9825 octa-core de 2,7 GHz;
  • Memória: 8 GB de RAM; 128 GB de armazenamento;
  • Câmera traseira: de 64 MP (principal), 12 MP (ultrawide), 5 MP (macro), 5 MP (profundidade);
  • Câmera frontal (selfie) de 32 MP;
  • Bateria: 7.000 mAh;
  • Cores: preto e azul;

Apple

A empresa é conhecida por fabricar celulares top de linha. Ou seja, mais avançados. Nas lojas é possível encontrar, por exemplo, o tradicional iPhone 12 (a partir de R$ 4.999) e iPhone 13 (a partir de R$ 6.699).

Mas pela faixa de preço dos celulares intermediários acima, quem gosta do sistema operacional da Apple pode investir no iPhone SE (2ª geração).

O aparelho, lançado em 2020, não saiu de linha e é vendido a partir de R$ 2.759 em sua versão de 64 GB de armazenamento.

Se você não abre mão de um iPhone, pode ser uma opção para não pagar os R$ 4.091 que a Apple pede no iPhone 11 (de 64 GB).

Ficha técnica iPhone SE (2ª geração)

  • Tela: 4,7 polegadas;
  • Processador: A13 Bionic;
  • Memória: 64 GB, 128 GB ou 256 GB (RAM não especificada);
  • Câmera traseira: simples de 12 MP;
  • Câmera frontal (selfie) 7 MP;
  • Bateria: Não especificado;
  • Cores: branco, preto e vermelho.

OBS: Preços consultados em lojas varejistas em 08 de novembro de 2021. Os valores podem sofrer alterações.

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelos links recomendados neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.