PUBLICIDADE
Topo

iPhone SE (2020): ainda faz sentido o custo-benefício do modelo da Apple?

Bruna Souza Cruz

De Tilt, em São Paulo

07/10/2020 04h00

O novo iPhone SE foi lançado em abril deste ano para renovar uma linha que há quatro anos não era atualizada pela Apple. O aparelho traz tecnologias mais avançadas do que seu irmão de 2016 e mantém a proposta de ser mais acessível entre os iPhones. Mas será que o custo-benefício vale tudo isso?

Para quem não está tão familiarizado com a linha SE: é aquele iPhone compacto, que não traz revoluções em seu design mas funciona com o mesmo processador dos modelos mais avançados. A edição deste ano é uma junção de características do iPhone 8 e com a família iPhone 11.

Claramente, o iPhone SE (2020) tem a missão de atrair quem deseja ter seu primeiro celular da Apple, mas não está disposto a pagar o preço dos modelos de última geração.

No Brasil, ele foi lançado por R$ 3.699 (versão de 64 GB), um valor bem abaixo do iPhone XR, considerado pelos últimos dois anos o "baratinho" da Apple por ter chegado ao mercado por R$ 5.199 (64 GB). Só para efeito de comparação, o iPhone mais avançado hoje, o 11 Pro Max, custa a partir de R$ R$ 7.599 na loja oficial da empresa.


Divulgação

iPhone SE (2020)

Preço

R$ 3.699 R$ 2.696 (Shopping UOL - 06/10/2020)
TILT
3,9 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

A tela é satisfatória para a maioria das atividades, mas não traz avanços tecnológicos e é pequena

Recursos atualizados de processamento de imagem merecem destaque

Apesar de ter uma única lente, produz fotos com bom equilíbrio de cores

Trabalha com o mesmo processador dos iPhones mais avançados

A bateria fica apenas na média. Podia ser bem melhor

Traz o visual do iPhone 8, lançado em 2017

Apesar dos defeitos, é um iPhone ótimo e que deve durar bons anos por um preço mais acessível

Pontos Positivos

  • Processador avançado
  • Boas câmeras
  • Conforto

Pontos Negativos

  • Bateria podia ser melhor
  • Tela pequena

Veredito

O ótimo desempenho agrada bastante e o conjunto de câmeras produz belas fotos. Mas é um celular ideal para quem não liga de usar um aparelho com tela pequena e não precisa de uma bateria que dure mais do que um dia.

Não tem nem como negar que o iPhone SE é a cara do iPhone 8, de 2017. Mesmo tamanho, mesmo design, mesma proporção de tela. O modelo deste ano é compacto e dá para digitar com apenas uma das mãos, o que não ocorre hoje com a maioria dos celulares que trabalha com telas grandes.

O que me agradou foi a lembrança de usar um celular leve e confortável por longas horas sem que minhas mãos doessem (alô, tendinite! Não sinto sua falta).

iPhone SE - mão segurando o celular da Apple - UOL - UOL
iPhone SE é confortável e dá para usar com uma das mãos
Imagem: UOL

A estrutura do modelo é feita de alumínio e vidro— ele é compatível com carregamento sem fio. Tem um acabamento espelhado na parte traseira que ajudou a dar um ar mais sofisticado a um aparelho com visual antigo. O SE também tem resistência à água (podendo ficar até um metro de profundidade por até 30 minutos com a certificação IP67).

iPhone SE - traseira do celular, câmera simples - UOL - UOL
Traseira do celular tem um acabamento de vidro
Imagem: UOL

E, sim, como você já deve ter percebido, ele tem o botão home, que serve como sensor biométrico para desbloqueio da tela. Nada de reconhecimento facial aqui. Mas em tempos de pandemia e uso de máscaras, o Touch ID ainda se mostra útil.

Botão home - UOL - UOL
iPhone SE manteve o botão home
Imagem: UOL

Esse conforto todo tem um preço com o iPhone SE: a tela pequena. Ela segue o padrão do iPhone 8 em tamanho e proporções com as suas 4,7 polegadas (11,9 cm). Se você se acostumou com as telonas das gerações recentes, poderá estranhar um pouco voltar a um tamanho de tela menor.

O modelo traz uma tela LCD com resolução menor do que a das telas dos irmãos avançados. Mas, de modo geral, tem a boa qualidade, comum aos celulares da Apple. Seu brilho e contraste são suficientes para assistir aos seus filmes, séries, ler coisas na internet.

A tela do modelo também possui a função True Tone, vista no iPhone 11 e outros modelos anteriores, que ajusta e equilibra automaticamente a temperatura das cores reproduzidas na tela de acordo com a iluminação do ambiente.

O SE trabalha com uma câmera traseira simples de 12 MP e ganhou melhor sistema de processamento de imagem em comparação ao iPhone 8. Por isso, as fotos saem melhores do que as tiradas pelo irmão mais antigo.

Apesar de ter uma única lente, o iPhone SE consegue produzir imagens com efeitos de desfoque do fundo tranquilamente. Isso já acontecia com o iPhone XR, que também tem um sensor só.

Pude comparar fotos tiradas com o iPhone SE e o iPhone 11. No geral, o celular deste ano tende a deixar as imagens com cores mais quentes e brilhantes, o que particularmente eu gosto. Por outro lado, o iPhone mais avançado produz fotos com mais riqueza de detalhes.

O que achei curioso é que as imagens produzidas pelos dois em alguns momentos ficaram parecidas umas com as outras, principalmente as de paisagem. A parte ruim é que o iPhone SE não tem o modo noturno do iPhone 11.

A câmera frontal tem 7 MP, a mesma resolução do iPhone 8. Mas também ganhou melhor sistema de processamento de imagens e recursos de câmera. O resultado prático das selfies é bem legal também. E você terá acesso ao modo retrato e aos efeitos de luz (como luz de estúdio, de contorno, preto e branco).

A percepção negativa do review vai para a bateria. E olha que eu nem pude testar tanto o iPhone SE com a conexão de internet móvel por causa da quarentena.

É chato, mas a bateria não vai durar o dia todo se você usar o celular para jogar e consumir vídeos por longas horas. Com um uso moderado, é possível que você precise dar uma carga à noite para que ela não termine enquanto você dorme.

Em um dos testes, eu deixei o celular rodando direto uma hora de vídeo no YouTube e mais 1h50 de um filme na Netflix (com conexão wi-fi). A bateria foi de 100% a 60% nesse meio tempo.

Outra informação importante é que o carregamento dela não é dos mais rápidos com o adaptador que vem na caixa. Para ir de zero a 100%, ela demorou em média 2h30.

Seguindo os irmãos avançados, o iPhone SE trabalha com o processador A13 Bionic, lançado em 2019 com a linha iPhone 11 (atualmente, a mais avançada).

Com isso, já é de se esperar que não existam problemas com travamentos, engasgadas e que rode jogos pesados. E foi isso mesmo o que aconteceu. A transição de aplicativos é ótima e os programas do celular rodam tranquilamente. Não tive problemas.

O SE deste ano foi lançado com sistema operacional iOS 13, mas os testes foram feitos com a versão atualizada, o iOS 14, que foi liberado em setembro.

O balanço final dessa análise é de que o iPhone SE é um ótimo celular quando pensamos em desempenho. Provavelmente, poderá ser usado por bons anos por causa disso, já que não ficará obsoleto em pouco tempo.

O modelo também vai produzir belas fotos para a maioria dos usuários mesmo não tendo a versatilidade de múltiplas câmeras principais e por não ter o modo noturno.

Por outro lado, não é um celular para quem precisa de uma bateria de mais fôlego e nem para quem gosta de ter um aparelho com visual moderno.

O iPhone SE começou a ser vendido no Brasil por a partir de R$ 3.699 (64 GB), duas semanas após o lançamento mundial, em três opções de cores: preta, branca e vermelha. No dia em que gravei o vídeo havia encontrado o aparelho por pouco mais de R$ 2.750. Hoje, já encontrei por alguns reais a menos.

Vale esperar também o lançamento do iPhone 12, que provavelmente será na próxima terça-feira (13). Quem sabe os preços não reduzem mais um pouco.

Se você estiver buscando na concorrência modelos na mesma faixa de preço com boas câmeras e telas maiores, coloque na sua lista o Moto G9 Plus, lançado neste ano. Os celulares Galaxy Note 10 e Zenfone 6 são de 2019, mas ainda trabalham com boas configurações.

Especificações técnicas
  • Sistema Operacional

  • Lançado com o iOS 13

  • Dimensões

  • 138,4 x 67,3 x 7,3 mm; 148 gramas

  • Resistência à água

  • IP67

  • Cor

  • Preta, branca e vermelha

  • Preço

  • R$ 3.699

Tela
  • Tipo

  • LCD

  • Tamanho

  • 4,7 polegadas

  • Resolução

  • 1.334 x 750 pixel

Câmera
  • Câmera Frontal

  • 7 MP

  • Câmera Traseira

  • 12 MP (simples)

Dados técnicos
  • Processador

  • A13 Bionic

  • Armazenamento

  • 64 GB, 128 GB e 256 GB

  • Memória

  • 3 GB

  • Bateria

  • 1.821 mAh