PUBLICIDADE
Topo

Leilão do 5G: por que as parabólicas são desafio para conexões mais rápidas

Faixas das antenas parabólicas serão atrapalhadas pelo 5G - Leandro Moraes/UOL
Faixas das antenas parabólicas serão atrapalhadas pelo 5G Imagem: Leandro Moraes/UOL

Colaboração para Tilt, em Florianópolis

06/11/2021 04h00

Algumas das empresas que arremataram parte dos lotes do 5G, durante o leilão concluído ontem (5) pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), precisarão em contrapartida resolver uma pedra no sapato no caminho da implementação da tecnologia, que promete ser vinte vezes mais rápida do que o 4G: as antenas parabólicas.

Isso porque uma das faixas de frequências (como se fosse uma pista em uma rodovia) leiloadas do 5G, a 3,5 GHz —a mais disputada por permitir a oferta direto ao consumidor final—, é próxima à usada para o funcionamento das TVs via satélite. Logo, do jeito que está não será possível impedir interferências no sinal que chega à televisão dos brasileiros que usam as parabólicas.

Até o início de 2021, a Anatel estimava 20,7 milhões de lares com TV por parabólica, sendo 17 milhões por sinal aberto e o restante por assinatura.

De acordo com o edital do leilão 5G, esse problema deverá ser resolvido agora pelas operadoras Claro, Vivo e Tim, já que arremataram os lotes B1 a B3 e D33 a D35 — que são das faixas de interferência na TV parabólica.

  • 5G de 3,5 GHz em faixa de 80 megahertz (maior) para uso nacional
    Lote B1: Claro, por R$ 338 milhões
    Lote B2: Vivo, por R$ 420 milhões
    Lote B3: TIM, por R$ 351 milhões

  • 5G de 3,5 GHz em faixa de 20 megahertz (menor) para uso nacional:
    Lote D33: Claro, por R$ 80,3 milhões
    Lote D34: TIM, por R$ 80,3 milhões
    Lote D35: Vivo, por R$ 80.3 milhões

Por que existe risco de interferência?

A tecnologia usada pelas TVs por antena parabólica não é a mesma usada por serviços de radiodifusão, como nas TVs abertas ou de de telefonia celular.

O sinal de TV aberta captado pelas antenas parabólicas é transmitido via satélite, da central para suas afiliadas e retransmissoras, além de residências que compraram o equipamento. A solução é barata (basta um receptor e uma antena parabólica), o que facilitou a adesão.

Como é enviado de um satélite a 35 mil km de distância, o sinal chega fraco, e os equipamentos atuais já trabalham no limite.

Quando o 5G chegar, esse equilíbrio frágil não vai sobreviver por conta da proximidade dos sinais entre essa tecnologia e a TV por satélite. Seria como se a quinta geração chegasse atropelando o sinal das TVs que se deslocam na pista de uma rodovia.

A banda C, que transmite TV via parabólica, atua na frequência de 3,7 GHz a 6,45 GHz. É uma espécie de "estrada" por onde são transmitidos os dados de radiodifusão e telefonia celular. Como o 5G usará, em uma de suas frequências, a 3,5 GHz, é essa sobreposição que atrapalhará a oferta dessa nova tecnologia.

Como resolver essa "treta" tecnológica?

A primeira certeza que o edital do leilão do 5G coloca na mesa é a de que o serviço de parabólica como atualmente funciona precisa ser alterado. Assim, as operadoras poderão usar a faixa frequência que arremataram para o funcionamento do 5G.

E, como são essas empresas que precisam das faixas, a solução encontrada pela Anatel foi a obrigatoriedade das vencedoras do leilão de migrar o sinal das TVs por antenas parabólicas para outra banda, chamada Ku.

Isso irá a "limpar" a frequência 3,5 GHz, deixando o caminho livre para o 5G.

E como fazer isso? Mudando o receptor de sinal dessas TVs que ainda usam a parabólica.

O anexo IV-A do edital do leilão diz que a "migração se dará por meio de distribuição aos beneficiários de equipamento que permita a recepção do sinal de televisão aberta e gratuita transmitidos na banda Ku, incluindo uma antena de recepção, com o serviço de instalação da antena e seus acessórios, e configuração do equipamento de recepção".

O edital ainda prevê que serão beneficiados com os equipamentos qualquer residência que use parabólica na banda C, casas com pessoas no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais), e interessados estabelecidos por um grupo de trabalho a ser montado pela Anatel para acompanhar essa migração.

O prazo máximo para a mudança de faixa é limitado ao início da operação:

  • A partir de 30 de junho de 2022 nas capitais e no Distrito Federal;
  • A partir de 1º de janeiro de 2023, nos municípios com população igual ou superior a 500 mil habitantes;
  • A partir de 30 de junho de 2023, nos municípios brasileiros com população igual ou superior a 200 mil habitantes e em pelo menos 25% dessas cidades;
  • A partir de 30 de junho de 2024, nos municípios com população igual ou superior a 100 mil habitantes e em pelo menos 50% deles;
  • A partir de 1º de janeiro de 2026, nos demais municípios.

O prazo poderá ser estendido, individualmente para cada cidade, se "constatadas dificuldades técnicas para a realização de atividades necessárias para a migração da recepção do sinal de televisão aberta e gratuita por meio de antenas parabólicas na banda C para Ku ou para a desocupação da faixa de 3.625 MHz a 3.700 MHz".

*Com informações das matérias de Helton Simões Gomes, Lucas Carvalho e Renata Baptista.