PUBLICIDADE
Topo

A verdadeira razão pela qual a Amazon quer lançar uma geladeira inteligente

Mulher guardando alimentos em geladeira organizada - Getty Images
Mulher guardando alimentos em geladeira organizada Imagem: Getty Images

Letícia Naísa

De Tilt, em São Paulo

17/10/2021 04h00

No futuro, talvez você não tenha que pedir à Alexa para acrescentar itens à sua lista de compras e nem precise de fato ir às compras, seja fora de casa ou pela internet.

A Amazon está trabalhando em uma geladeira tão inteligente que consegue identificar o que está faltando de comida na sua casa e trazer até você, além sugerir pratos para você fazer com o que estiver dando sopa por ali.

A empresa está investindo US$ 50 milhões no chamado Project Pulse, segundo o Insider, que já dura dois anos. Ainda não há previsão de lançamento da geladeira inteligente.

Além de avisar quando os alimentos estão acabando, o equipamento vai rastrear o seu estoque, prever o que você precisa comprar e ela mesma fará as compras para você. O sistema conseguirá ler até as datas de validade daquele iogurte esquecido e te sugerir receitas com aquele pedaço de carne que você descongelou há uma semana.

Amazon quer ir além

Já existem alguns modelos de geladeiras inteligentes no mercado que conseguem controlar melhor a temperatura por meio de um aplicativo no celular para que os alimentos durem mais tempo ou que economizam mais energia. A da LG, inclusive, usa o assistente de voz da Amazon para fazer pedidos de compras.

Há também um modelo da Samsung que toca música e tem uma tela, o que permite o espelhamento do celular, e faz com que ela tenha as mesmas funções de um smartphone — é possível, por exemplo, fazer um pedido de comida por aplicativo pelo sistema da geladeira.

A Amazon, no entanto, quer ir além. A empresa espera criar um aparelho bastante futurista usando inteligência artificial e o já conhecido sistema da AmazonGo, as lojas sem caixa da Amazon que têm um recurso chamado Just Walk Out, com sensores que identificam as compras dentro do carrinho e faz a cobrança no momento em que o cliente deixa a loja. Outra tecnologia que já existe que poderá ser aplicada na geladeira será a da Alexa.

No entanto, a geladeira não será fabricada pela Amazon em si. De acordo com o site Insider, a empresa deverá fazer parcerias com alguma outra fabricante de eletrodomésticos.

Robôs que tudo veem

A geladeira inteligente da Amazon é mais uma iniciativa da companhia de marcar presença dentro dos lares. Nas últimas semanas, a empresa anunciou o Astro, um robô doméstico que tem como função cuidar de pessoas idosas e monitorar o cotidiano da casa. O robô consegue fazer chamadas de vídeo e promete manter a casa segura quando os moradores estão fora. Este ano, a Amazon também lançou a sua primeira TV nos Estados Unidos com controle de voz da Alexa.

Astro, da Amazon - Amazon/Divulgação - Amazon/Divulgação
Astro, da Amazon
Imagem: Amazon/Divulgação

Dentro da cozinha, a Amazon já se faz presente desde 2017 nos EUA, quando comprou a marca Whole Foods, uma rede de supermercados, para impulsionar as assinaturas do Amazon Prime. Como consequência, a empresa lançou as lojas Amazon Fresh, que também atuam no ramo alimentício.

Antes da pandemia, a Amazon faturava apenas de 2% a 3% dos US$ 800 bilhões do mercado de hortifruti nos EUA. Com a crise sanitária, a varejista detém 10% das vendas no país.

A pandemia mudou o foco da indústria para a entrega de alimentos e há muita expectativa sobre o caminho que a Amazon deverá trilhar neste setor, segundo o site Slate. "Hoje, tudo é feito de forma diferente por causa da Amazon, e o setor de alimentos é um dos últimos a sofrer essa influência [da empresa]", diz Jon Springer, editor executivo da publicação comercial Winsight Grocery Business.

Desafios

Mas não será uma tarefa fácil para a big tech, já que o setor de alimentos apresenta muitos desafios. "O supermercado é uma coisa ótima e resiliente. Eles ficam perto de casa e você pode escolher os itens que deseja. Então, quando você faz uma compra online, você está confiando em alguém para fazer escolhas por você, para se certificar de que as coisas frias permaneçam frias e as congeladas, congeladas, dentro do período até chegar à sua casa", diz Springer. "É uma coisa muito complicada."

No Brasil, a gigante começou a expandir as ofertas de vendas apenas em 2019. Até então, vendia apenas livros e dispositivos da própria marca em território nacional.

Uma geladeira que faz as compras para o consumidor dentro da própria rede da Amazon sem que ele precise se preocupar vai possibilitar uma fatia muito maior dentro do mercado de vendas de alimentos.

A varejista também comercializa itens domésticos pessoais, como relógio, chamado Halo, que mede calorias. Não tem como ter certeza de que todos os aparelhos da Amazon estarão conectados, mas dá para imaginar que, a partir dos hábitos que outros aparelhos conseguem aprender, a geladeira conseguirá determinar, também, o que o consumidor desejará comer.