PUBLICIDADE
Topo

Solar Orbiter registra em vídeo imagens inéditas do planeta Vênus

O telescópio Solar Orbiter Heliospheric Imager, ou SoloHI, capturou uma visão inesperada e brilhante do planeta - Reprodução/NASA
O telescópio Solar Orbiter Heliospheric Imager, ou SoloHI, capturou uma visão inesperada e brilhante do planeta Imagem: Reprodução/NASA

Colaboração para o Tilt, em Santos

13/08/2021 15h54Atualizada em 13/08/2021 15h54

A sonda Solar Orbiter, da Agência Especial Europeia (ESA) e Agência Espacial Americana (Nasa), conseguiu obter imagens inéditas ao chegar a menos de 8 mil km da superfície do planeta Vênus.

Nos dias que antecederam a aproximação, o telescópio Solar Orbiter Heliospheric Imager, ou SoloHI, a bordo da sonda, capturou uma visão inesperada e brilhante do planeta.

As imagens mostram Vênus a esquerda do vídeo, cada vez mais de perto, enquanto o Sol está fora do quadro, no canto superior direito. O lado do planeta que está oposto ao Sol aparece como um semicírculo escuro cercado por um crescente de luz - o brilho do lado "incrivelmente brilhante" de Vênus, iluminado pelo astro, segundo a Nasa.

"Idealmente, teríamos sido capazes de observar algumas características no lado noturno do planeta, mas havia sinais demais do lado diurno", explicou Phillip Hess, astrofísico do Laboratório de Pesquisa Naval em Washington, EUA.

"Apenas uma fatia do lado diurno aparece nas imagens, mas reflete luz solar suficiente para causar o crescente brilhante e os raios difratados que parecem vir da superfície", completou.

Além de Vênus, duas estrelas brilhantes também são visíveis ao fundo, no início da sequência, antes de serem eclipsadas pelo planeta. A mais à direita é Omicron Tauri. Acima, à esquerda dela, está Xi Tauri, que é na verdade um sistema estelar quádruplo. Ambas fazem parte da constelação de Touro.

Este foi o segundo sobrevoo da Solar Orbiter sobre Vênus. Outros seis sobrevoos estão programados para ocorrer de 2022 a 2030.

A sonda usa a gravidade de Vênus para atraí-lo para mais perto do Sol e inclinar sua órbita, girando-a para cima e para fora, para conseguir avistar o astro ao "olhar para baixo". A partir desse ponto de vista, a Solar Orbiter irá eventualmente capturar as primeiras imagens dos polos norte e sul do Sol.