PUBLICIDADE
Topo

Novidade da Foreo no Brasil dá "choquinhos" para revigorar células do rosto

Foreo Bear, lançamento da empresa no Brasil - Divulgação
Foreo Bear, lançamento da empresa no Brasil Imagem: Divulgação

Renata Baptista

De Tilt, em São Paulo

21/06/2021 17h24Atualizada em 21/06/2021 17h50

Quem curte gadgets de beleza certamente já conhece os produtos da Foreo, famosa por suas "esponjinhas" elétricas massageadoras para limpeza facial. Nesta segunda-feira (21), a empresa realizou um evento virtual para lançar no Brasil mais um membro da família: o Bear, que usa uma tecnologia que dá "choques" (microcorrente com pulsações) e tem design que lembra um ursinho.

Com o aparelho em mãos, achei simpático, portátil e leve. O preço, porém, não é lá muito amigável. Ele está a venda por R$ 1.999 nas cores fúcsia e menta. A venda é exclusiva da Sephora.

Já a versão mini está disponível nas cores rosa pérola e lavanda. O preço é R$ 1.299. A diferença entre os dois está na intensidade de microcorrentes: cinco no primeiro e três no segundo.

A promessa da Foreo é que a novidade funcione como uma academia para os músculos do rosto.

Mas o que são essas microcorrentes?

Bear, da Foreo - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Microcorrente é um dos tipos de tratamento de eletroestimulação (o mesmo princípio daqueles exercícios físicos que se tornaram populares), que utiliza correntes elétricas de baixa intensidade e baixa frequência.

Na prática, são choquinhos mesmo, mas quase imperceptíveis, pois o Bear está equipado com um sistema que ajusta automaticamente a sua intensidade de acordo com a resistência da pele. Isso em uma fração de segundo, segundo a empresa.

De acordo com a Foreo, este é o primeiro produto a chegar ao Brasil com a tecnologia de microcorrentes para ser utilizado em casa.

A médica dermatologista Monalisa Nunes, que estava durante a apresentação da empresa, explica que este tipo de tecnologia já vinha sendo amplamente utilizado na ortopedia e fisioterapia, e recentemente foi adotado também pela dermatologia.

Imitando as correntes elétricas naturalmente presentes no corpo humano, a microcorrente de eletroestimulação da Foreo tem como objetivo revigorar as células, deixando o rosto mais tonificado. "A microcorrente possui efeitos terapêuticos, que vão aumentar o metabolismo celular e acelerar o processo de reparação tecidual", afirmou Nunes.

Somadas a tecnologia acima, estão ainda as pulsações transdérmicas sonoras, que já são conhecidas e utilizadas em outros aparelhos da marca. Com até 8 mil pulsações por minuto, o aparelho massageia e promete diminuir o inchaço do rosto.

Existem, porém, algumas contraindicações. O aparelho não é recomendado para pessoas com implantes dentários metalizados, com restaurações a base de amálgama, com placas de metal no rosto ou com marca-passo. Quem passou por cirurgias cosméticas faciais no último ano e grávidas também devem evitar o uso do dispositivo.

Como o aparelho funciona?

O corpo do Bear é feito de silicone e as duas "orelhinhas" esféricas, quando em contato com a pele, fazem a condução da microcorrente. Ele possui apenas um botão luminoso para interface e sua bateria possibilita até 90 utilizações por carga (vem na caixa um cabo USB).

Após ativar o Bluetooth de seu celular e sincronizar o dispositivo com o app Foreo for You (disponível em Android e iOS), é possível selecionar uma rotina pré-definida. Daí, basta deslizar as esferas ao longo da pele nas áreas desejadas, incluindo queixo, bochechas, pescoço e testa.

O Bear irá desligar automaticamente quando o tratamento acabar — pode ser de 1 a 3 minutos.

O rosto deve estar bem limpo para o uso. É preciso aplicar uma camada de um sérum aquoso condutor — não pode ser oleoso. Caso contrário, não haverá condução da corrente. A indicação é que o tratamento seja feito cinco vezes por semana, uma vez ao dia, por 60 dias. Depois, de duas a três vezes por semana para manutenção dos resultados.