PUBLICIDADE
Topo

Seus dados vazaram? Saiba o que fazer para se proteger de fraudes

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Mirthyani Bezerra

Colaboração para Tilt

02/02/2021 17h07Atualizada em 03/02/2021 12h11

O Brasil foi surpreendido nos últimos dias por um megavazamento de dados pessoais de mais de 220 milhões de pessoas —incluindo de gente que já morreu— com detalhes como CPF, endereço, telefone, data de nascimento, escolaridade, salário, renda... a lista é longa. Mais do que nunca, o momento é de cada pessoa reforçar os cuidados para não ter suas informações usadas em fraudes.

Se você ainda não entendeu a gravidade do problema, explicamos: pessoas mal-intencionadas podem simplesmente se passar por você para efetuar uma compra no seu nome, adquirir um cartão de crédito ou um financiamento, entre outras transações financeiras. O prejuízo pode ser bem alto para o seu bolso.

O Fui Vazado é um site que confere se seus dados vazaram, mas especialistas ouvidos por Tilt se dividiram sobre a legalidade e a segurança do serviço.

SMS e emails confirmando compras

Alguns dos seus dados pessoais podem permitir com que criminosos comprem coisas no seu nome. Por isso, é extremamente importante ficar atento ao recebimento de SMS e emails de confirmação de compra e de alterações cadastrais (endereço, telefone etc).

Se você receber um SMS informando sobre uma transação que não foi feita por você, não o responda. Isso é muito importante porque ao responder à mensagem, você envia informações sobre o seu aparelho de celular que podem confirmar aos hackers que tiveram acesso ao vazamento que você é você mesmo.

Não clique em nenhum link da mensagem ou você pode acabar sendo vítima de phishing, e ter dados ainda mais sensíveis roubados pelos criminosos, como suas senhas de banco e redes sociais, por exemplo.

Se recebeu um email com assunto suspeito, principalmente se tiver cair na caixa de spam, a recomendação é deletar a mensagem sem abri-la. Há certos malwares (programas nocivos) que se instalam no aparelho ao abrir a mensagem. Se o remetente for em nome de alguma empresa do qual você é cliente —seu banco, por exemplo— prefira entrar em contato pelos canais de atendimento disponíveis no site oficial desta empresa.

Chamadas telefônicas

Se você receber alguma ligação de alguém dizendo ser de um banco, empresa ou instituição financeira querendo confirmar dados, compras ou alterações cadastrais, é provável que seja um golpe.

A recomendação é desligar o telefone e você mesmo entrar em contato com a instituição que te ligou pelos canais de atendimento oficiais no site da empresa.

Mensagens do app do seu banco

Se você usa aplicativos de banco ou de cartão de crédito no celular, redobre a atenção sobre os seus gastos e ative a trava de uso do cartão de crédito/débito, se o seu banco tiver esse serviço. Nesse caso, o cartão só vai poder ser usado se você liberá-lo, usando a identificação biométrica do seu smartphone.

De agora em diante, prefira usar o cartão de crédito/débito online do seu banco, pois eles são mais difíceis de serem clonados ou usados indevidamente. Outro serviço válido é o de cartão virtual, que pode ser gerado por app pra compras online. O número será válido para uma única transação e por tempo determinado, evitando que criminosos o usem caso tenham acesso aos dados.

Atualize seus dados cadastrais

Se você mudou de endereço, telefone ou teve qualquer outra alteração de dados, é importante entrar em contato com o seu banco ou operadora de crédito e fazer a atualização cadastral. Quanto mais recente é o dado que a instituição tem, mais dificuldade o fraudador vai ter para se passar por você.

Existe a recomendação de também fazer a alteração no site do Cadastro Positivo, alimentado por quatro empresas de crédito: Serasa Experian, SCP Brasil, Boa Vista e Quod. Essas empresas são consultadas por varejistas na hora de oferecer crédito ao consumidor.

Assim, se o fraudador tentar usar suas informações no seu nome, os dados não vão bater, diminuindo a possibilidade de o estabelecimento aprovar o crédito.

Também é possível contratar um serviço, também prestado por birôs de crédito como SPC e Serasa, que alerta quando seu CPF estiver sendo usado para compras e transações financeiras.

Mude de email principal e até de endereço

Pensando nesse cruzamento de dados, se você tem dois endereços residenciais, vale até colocar o secundário como principal, pelo menos por um tempo.

O mesmo vale para endereços de email. Crie contas de email novas, de preferência com serviços que ofereçam criptografia, e coloque essa conta como sendo a principal para as suas redes sociais e outras plataformas que você usa.

Chegou encomenda não solicitada? não receba

Seus dados também podem ser usados por empresas para criar perfis falsos —com dados verdadeiros, passando-se por você— para registrar compras também falsas para impulsionar determinado varejista dentro de plataformas do tipo marketplace —um site que vende produtos de várias lojas menores. A prática é conhecida como brushing (do verbo espalhar, em inglês), que é um envio de mercadorias não solicitadas para bombar lojas online.

No ano passado, alguns brasileiros receberam pacotes de sementes não solicitados de países asiáticos como Malásia e Hong Kong. A suspeita foi que comerciantes desses países tenham usado endereços de brasileiros para praticar brushing.

Nos sites de marketplace, ganham destaque quem tiver mais avaliações positivas e reputação. Por isso, o lojista finge que vendeu algo para um perfil falso criado com seus dados verdadeiros para, depois, fazer, ele mesmo, uma avaliação positiva daquele produto. Como ele precisa da confirmação dos correios de que você recebeu o produto, ele vai mandar qualquer coisa para sua casa.

Nunca é demais proteger suas contas

Fonte: Hiago Kin, presidente da Associação Brasileira de Segurança Cibernética