PUBLICIDADE
Topo

Capacete de restos, horta no PET e mais: veja projetos vencedores de alunos

Alunos de escolas públicas estaduais, vencedores do concurso Ciência para Todos, apresentam seus projetos a pesquisadores de centros e institutos de pesquisa - Divulgação/Agência Fapesp
Alunos de escolas públicas estaduais, vencedores do concurso Ciência para Todos, apresentam seus projetos a pesquisadores de centros e institutos de pesquisa Imagem: Divulgação/Agência Fapesp

José Tadeu Arantes

Da Agência Fapesp

07/12/2019 16h44

Sem tempo, irmão

  • Alunos de Franca (SP) usaram resíduos das indústrias de calçados para criar capacete
  • Criadouro de tilápias aproveita fezes dos peixes como fonte para adubar verduras
  • Horta suspensa foi plantada acima de terreno infértil em fundos de garrafas PET

Um grupo de alunos da Escola Estadual Ângelo Scarabucci, de Franca (SP), utilizou resíduos das indústrias de calçados para criar um capacete sustentável para a proteção de ciclistas.

Registrado em um vídeo de pouco mais de seis minutos, gravado com um telefone celular, o projeto ficou com o primeiro lugar no concurso Ciência para Todos, promovido pela Fundação Roberto Marinho/Canal Futura e pela FAPESP, com apoio da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

O prêmio foi uma visita ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas. Além de conhecer Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira, os alunos visitaram o Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano) e conheceram pesquisas de reutilização de resíduos.

"Baseado no que vimos aqui, você começa a pensar em como mudar o projeto, rever isso, tirar aquilo, para que ele se torne cada vez melhor", disse a estudante Naiara Alves, que integra o grupo. A visita foi acompanhada pela equipe do Canal Futura.

Horta hidropônica

O segundo colocado no concurso Ciência para Todos foi o vídeo do grupo de alunos da Escola Estadual Coronel Francisco Schmidt, no município de Pereira Barreto. Eles montaram um criadouro de tilápias de água doce consorciado com uma horta hidropônica. O sistema aproveita as fezes dos peixes como fonte natural de nitrogênio para a adubação das verduras. E se vale do bombeamento elétrico e da gravidade para promover a circulação e a economia da água.

Os estudantes escolheram conhecer o Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células-Tronco, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela Fapesp, em São Paulo.

Reunidos com Eliana Maria Beluzzo Dessen, coordenadora de Educação e Difusão do Centro, e com pesquisadores, os alunos deram detalhes da pesquisa, que envolveu estudos sobre os ciclos do nitrogênio e do carbono, fotossíntese, relações ecológicas de cooperação entre espécies, pH, gravidade, pressão, energia potencial e cinética - conteúdos do currículo escolar que entraram no projeto.

Contaram que, no meio do trabalho, todas as tilápias morreram devido a uma queda brusca na temperatura ambiente. E aprenderam com os pesquisadores que o risco é inerente à atividade de pesquisa e que a perseverança é uma das principais qualidades do cientista.

Os estudantes creditam o sucesso do trabalho à coordenação da professora Elda de Aguiar Gama Mortinho e apoio de comerciantes locais que forneceram material para o desenvolvimento do projeto.

"A gente não teve férias de julho, mas valeu a pena, porque a meta desse projeto é ajudar muito mais pessoas. Ele tem uma economia de água e, hoje, nesta crise hídrica, isso vai beneficiar muitas comunidades", comentou a estudante Luana Assumpção Santos. A visita também foi acompanhada pela equipe do Canal Futura.

Ciência x fake news

Os alunos da Escola Benedita Pinto Ferreira, de Caraguatatuba, terceiros colocados no concurso com um vídeo sobre a violência doméstica e o feminicídio, também conheceram o CNPEM, em Campinas.

A visita "empolgou" os alunos, afirmou o professor José Iraedson de Oliveira, que acompanhou o grupo. "Isso ajuda a educação e nós, educadores, necessitamos de eventos como esses". Veja o vídeo realizado pela equipe do Canal Futura.

O vídeo produzido pelos alunos da escola Escola Estadual Zilda Prado Paulovich, de Nova Independência, quarto colocado no concurso, trata de um tema mais conceitual: "A concepção dos adolescentes sobre ciência: conhecimento científico ou senso comum?". Por meio de um questionário distribuído a 106 colegas das três séries do ensino médio, eles avaliaram o conhecimento da turma sobre diferentes assuntos - da evolução dos seres vivos ao aquecimento global - e as fontes de informação utilizadas.

Em visita ao Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células-Tronco eles deram detalhes do projeto. Na primeira rodada de avaliação, constataram, por exemplo, que apenas os alunos do 3º ano do ensino médio tinham informações sobre a origem da vida e que, em média, metade dos alunos usava como fonte de consulta o Google, o YouTube e as redes sociais.

Depois de uma "intervenção" da equipe responsável pela pesquisa, o quadro mudou. A principal fonte de consulta passou a ser o Google Acadêmico e o percentual de alunos com informações sobre a origem da vida —em todas as séries— cresceu para até 65%.

"Os temas trabalhados são atuais, mas muitos de nossos colegas não tinham conhecimento científico a respeito e consideravam verdadeiras as fake news divulgadas pelas mídias sociais. A gente mostrou que essas noções não eram verdadeiras e faziam parte do senso comum e não da ciência. A gente precisa do conhecimento científico", comentou a estudante Rafaela Rodrigues Carmona, uma das integrantes da equipe do projeto. A visita foi acompanhada pela equipe do Canal Futura.

Horta suspensa

O quinto lugar no concurso ficou com os alunos da Escola Estadual de Ensino Médio em Tempo Integral Dr. Coriolano Burgos, de Amparo, e a visita foi aos laboratórios do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, onde foi recebido pelo pesquisador João Marcelo Pereira Alves.

Os estudantes desenvolveram o projeto de uma horta suspensa, plantada em fundos de garrafas PET. E isso se deveu ao fato de o terreno onde está situada a escola ter sido anteriormente um cemitério, portanto impróprio para o plantio devido a possível contaminação do solo pelo necrochorume liberado pelos cadáveres. O projeto, intitulado "Ciência IntegrAção - Cemitério", foi uma solução criativa para o problema.

"Como não podíamos usar a terra, tivemos a ideia de fazer a horta suspensa. Nosso projeto ainda está em expansão. Queremos instalar um sistema de irrigação automático, com a ajuda do pessoal de robótica", disse a aluna Giovana dos Santos Ferreira. O projeto foi desenvolvido sob a coordenação da professora Tamires Aparecida Bianchi Darioli. Veja o vídeo da equipe do Canal Futura.

Ciência a serviço da comunidade

Os grupos premiados responderam ao desafio de —individualmente ou em grupos de até cinco pessoas— documentar, em vídeos de até sete minutos, uma proposta de solução para um problema da comunidade ou região, usando métodos e processos que caracterizam a produção de conhecimento científico, com a tutoria de um professor.

O mote para a realização do trabalho foi a série homônima Ciência para Todos, com 52 episódios, produzida em parceria pela Fapesp e a Fundação Roberto Marinho/Canal Futura, que mostra os impactos sociais e econômicos das pesquisas científicas e tecnológicas. Protagonizados por pesquisadores, os episódios da série são transmitidos às segundas-feiras às 20h30 pelo Canal Futura e também estão disponíveis em www.futuraplay.org/serie/ciencia-para-todos.

O júri que avaliou todos os projetos foi composto por representantes do Canal Futura, da Secretaria de Educação e da Fapesp. "Cada integrante do júri avaliou com critério próprio. O representante do Futura se voltou para os vídeos propriamente ditos, considerando se a história estava bem contada e se o produto final estava bem acabado. O representante da Secretaria de Educação estava mais interessado em que os vídeos mostrassem a proposta didática, educacional. Eu me preocupei com o projeto de pesquisa, se havia uma pergunta, uma investigação, alternativas, conclusão", disse Alexandra Ozorio de Almeida, diretora de redação da revista Pesquisa Fapesp, que representou a Fapesp no júri.

No próximo dia 11 de dezembro, às 20 horas, o programa Conexão do Canal Futura trará uma reportagem sobre as visitas dos alunos a todos os centros de pesquisas. Os vídeos vencedores do concurso serão exibidos no Canal Futura durante o mês de dezembro.

A equipe de reportagem da Agência Fapesp acompanhou as visitas realizadas em São Paulo. Veja o vídeo.

Este texto foi originalmente publicado por Agência Fapesp de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Ciência