Topo

Acelerador de partículas brasileiro alcança 1ª volta completa de elétrons

Sirius, acelerador de partículas brasileiro localizado em Campinas (SP) - Divulgação/CNPEM
Sirius, acelerador de partículas brasileiro localizado em Campinas (SP) Imagem: Divulgação/CNPEM

Gabriel Francisco Ribeiro

De Tilt, em São Paulo

22/11/2019 19h52Atualizada em 23/11/2019 15h17

Sem tempo, irmão

  • Acelerador de partículas brasileiro realiza volta completa de elétrons
  • Etapa mostra que o projeto é funcional, e alça ciência nacional a novo nível
  • Acelerador de partículas será capaz de investigar matérias na escala de átomos
  • Previsão é de que as primeiras pesquisas nele ocorram no 2º semestre de 2020

O acelerador de partículas brasileiro Sirius alcançou um marco importante nesta sexta-feira (22). O projeto científico realizou, pela primeira vez, um giro de elétrons completo em sua terceira e principal estrutura, situada em Campinas (SP).

Orçado em R$ 1,8 bilhão, o acelerador é o mais grandioso projeto da ciência brasileira na atualidade. Ele é projetado para ser o mais avançado do mundo em sua área, com potencial de revolucionar pesquisas nacionais e internacionais. A realização da volta completa foi passada em primeira mão para Tilt.

"Esse é um marco bem importante para colocar o Sirius em funcionamento. Foi a primeira volta dos elétrons no acelerador principal, o que mostra que todos os sistemas dele estão funcionando. Terminamos o dia com algumas voltas completas", afirmou ao Tilt Antonio José Roque da Silva, diretor do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais) e diretor do projeto Sirius.

A estrutura do Sirius tem 518 metros totais de circunferência e, dentro dela, os elétrons são acelerados a uma velocidade que se aproxima da velocidade da luz, com alta energia e produzindo um altíssimo brilho.

Assim, o acelerador de partículas produz uma luz síncrontron, que é uma radiação que funciona como um raio-x para analisar estruturas de materiais em escalas mínimas, de átomos e moléculas.

É a primeira vez que tem a integração completa de todo o sistema. Uma coisa é testar, como já fizemos, os sistemas individualmente. Só quando você tem de fato a volta completa é que tem a segurança de que o conjunto é funcional
Antonio José Roque da Silva

O acelerador de partículas teve sua construção iniciada em 2014, durante o governo Dilma Rousseff (PT), e foi inaugurado em 2018 já pelo então presidente Michel Temer (PMDB). Ao longo do projeto, o Sirius tem sofrido com a perda e atraso de recursos para a área científica nacional.

O Sirius serve para buscar respostas sobre a estrutura atômica das matérias e entender questões ligadas à energia. O instrumento será capaz de ampliar o entendimento de questões relacionadas a materiais, saúde e meio-ambiente.

Gráficos mostram a volta completa com sucesso de elétrons no Sirius - Divulgação/CNPEM
Gráficos mostram a volta completa com sucesso de elétrons no Sirius
Imagem: Divulgação/CNPEM

A luz síncontron emitida pelo acelerador consegue revelar detalhes de materiais orgânicos e inorgânicos, como proteínas, vírus, rochas, plantas, solo, ligas metálicas e muitos outros. O equipamento nacional está na quarta geração de luz síncontron, sendo similar apenas ao MAX-IV, construído na Suécia.

A expectativa dos responsáveis pelo Sirius é que as pesquisas realizadas nele sirvam para a criação de novos medicamentos (como para doenças como Alzheimer e Parkinson) e materiais —entre eles, alguns que podem ser usados na exploração mais eficiente de petróleo, na energia solar, agricultura e afins. Além disso, o acelerador coloca a importância da pesquisa nacional em outro nível.

"Para resolver os problemas mais sofisticados dessas áreas, você precisa entender as propriedades da matéria. País que tem equipamento como esse permite que toda a comunidade de ciência e tecnologia possa resolver questões importantes ligadas ao Brasil e ao mundo", aponta Antonio José Roque.

Ele vai permitir que você tenha uma ferramenta importantíssima para todos os pesquisadores brasileiros. O desempenho dos países cada vez mais depende de projetos como esse, o Sirius é um projeto estruturante para o Brasil. Vai permitir ciência de ponta para atacar problemas estratégicos do Brasil e o mundo

Próximos passos

A volta completa de elétrons no acelerador cria um sentimento de alívio entre os pesquisadores. Afinal, é mais uma barreira do projeto que foi vencida. O Sirius foi construído ao longo de seis anos e seu sistema é composto por milhares de componentes.

Equipe do Sirius reunida após conclusão da volta de elétrons - Divulgação/CNPEM
Equipe do Sirius reunida após conclusão da volta de elétrons
Imagem: Divulgação/CNPEM

Com o teste concluído, o acelerador agora passará por uma otimização da órbita, segundo o diretor do Sirius. A intenção é garantir que as dezenas de órbitas circulando estejam estáveis para a inserção da radiofrequência no instrumento.

"Precisa de uma quantidade certa de energia para manter a órbita sem perder os elétrons. Eles emitem raio-x, perdem energia. A maneira de sustentar a órbita é colocar a radiofrequência", aponta.

Depois disso, começa a ocorrer a geração de luz dentro do circuito, que será estudada por pesquisadores. A intenção é que entre o fim deste ano e o começo do próximo esses processos sejam alcançados.

Luta por verbas

Assim como toda a ciência nacional, o Sirius foi afetado pelo contingenciamento de recursos para a área nos últimos anos. Mas, em julho ele teve R$ 75 milhões liberados pelo governo federal e pôde concluir os testes recentes. Apesar dos cortes, Roque se mostra otimista para seguir próximo do cronograma imaginado.

"O país passou por dificuldades nos últimos anos e vivemos nesse ambiente. Os ministérios da Ciência e Tecnologia e da Economia têm compreendido a importância do Sirius e temos conseguido garantir os marcos do projeto", aponta.

O projeto já passou por adequações e atrasos para garantir algumas etapas. O acelerador segue com recursos à espera de liberação do governo federal, mas a previsão é de que a abertura para usos em pesquisa ocorra já no segundo semestre do ano que vem.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Ciência