Topo

Insegurança: as táticas que motoristas de apps como Uber usam contra crimes

Motoristas contam com táticas para fugir de criminosos em apps de transporte - Estúdio Rebimboca/UOL
Motoristas contam com táticas para fugir de criminosos em apps de transporte Imagem: Estúdio Rebimboca/UOL

Gabriel Francisco Ribeiro

De Tilt, em São Paulo

14/11/2019 04h00

Sem tempo, irmão

  • Motoristas de apps usam tática para se antecipar a possíveis crimes
  • Sensação de insegurança nas cidades faz com que condutores adotem estratégias
  • Truques vão desde celular no porta-malas a até compartilhar localização
  • Soluções criadas pelos próprios apps também são importantes para evitar crimes

A sensação de insegurança nas cidades brasileiras faz motoristas de aplicativos como Uber, 99, Cabify e outros serviços do tipo circularem sempre com uma pulga atrás da orelha. Visados por criminosos, eles contam até com táticas especiais contra casos de violência.

Apesar das plataformas atualizarem sempre seus aplicativos com novas medidas de segurança —a Uber inclusive tem um centro no Brasil de onde saem todas as soluções de segurança do app no mundo—, algumas soluções caseiras e criativas acabam sendo eficazes contra crimes. E isso vai do famoso "celular do ladrão" ao compartilhamento de localização em aplicativos.

Quanto mais divulgadas as medidas, mais motoristas podem passar a usar algumas ferramentas para se sentirem mais seguros —é importante ainda sempre estar atento a novidades divulgadas pelos próprios apps para aproveitar ao máximo recursos das plataformas contra crimes.

Nas últimas semanas, Tilt ouviu de alguns motoristas de apps sob condição de anonimato algumas —nem todas reveladas, claro— táticas usadas para fugir de criminosos aqui no Brasil. Confira abaixo:

Celular no porta-malas

Essa tática é para momentos mais perigosos e envolve se preparar para ações violentas de criminosos. Alguns motoristas confidenciaram ao Tilt que deixam celulares alternativos no porta-malas de seus veículos. Isso ocorre para casos de sequestro, em que os donos dos carros podem ser colocados no compartimento por criminosos.

A tática não é usada unicamente por motoristas de aplicativos e também conta com adeptos entre condutores normais pelo Brasil. O susto com casos de violência envolvendo sequestros faz isso ser uma solução útil - uma vez no porta-malas, é possível usar o celular para avisar pessoas próximas do ocorrido. É claro que o aparelho teria que ter um chip também, o que pode fazer essa estratégia de segurança ter algum gasto.

Tirar a plaquinha

Em cidades como São Paulo é obrigatório que os motoristas de aplicativos utilizem plaquinhas identificando os apps em que trabalham. Mas, ao entrar em uma região que considera perigosa, alguns condutores decidem retirar as placas do para-brisa do veículo.

A intenção ao fazer isso é não chamar a atenção de bandidos, que visam muitas vezes esses motoristas pela possibilidade deles terem dinheiro vivo consigo —apps, contudo, já permitem que motoristas de aplicativo recusem corridas em dinheiro.

"Celular do ladrão"

Essa tática é usada por muitos brasileiros, mas ganha mais importância com os condutores de aplicativos. Como o trabalho deles envolve estar com um celular sempre à mostra no painel do carro para recusar ou aceitar corridas e acompanhar o trajeto por aplicativos, alguns optam por contar com um celular alternativo.

Os motoristas até podem ter um celular pessoal bom e turbinado, mas às vezes levam outro para trabalhar, mais baratinho e menos potente. Assim, se forem surpreendidos por um assaltante, estarão entregando um dispositivo de menor valor.

Compartilhar localização em grupos

Há um senso de comunidade entre motoristas de aplicativos. Eles contam, por exemplo, com vários grupos no WhatsApp em que vão trocando informações. Esses grupos servem até para que eles se sintam mais seguros, já que não é raro que motoristas compartilhem entre si sua localização em corridas que se sintam ameaçados.

Essa estratégia faz com que todos com quem a localização é compartilhada saibam onde a outra pessoa está. Caso algo dê errado durante a viagem, basta acionar a polícia com a localização do colega já em mãos.

De olho em grupos de pessoas

Algumas táticas adotadas por motoristas envolvem ver o comportamento de quem pede uma corrida. Devido a casos traumáticos de assaltos ou sequestros nas plataformas, um motorista contou à reportagem que costuma se recusar a levar um grupo de três homens que pedem juntos uma mesma corrida - não importa em que região da cidade.

Essa tática, contudo, é um pouco controversa, já que pode acabar afastando algumas pessoas da plataforma ou criar algum tipo de preconceito contra determinados grupos. Vale lembrar que o motorista também pode ser punido por recusar corridas em excesso no aplicativo e que não há dados que provem que corridas pedidas em conjunto são mais arriscadas.

Usar botões de pânico

Os aplicativos hoje em dia contam com cada vez mais soluções de segurança —uma reação das plataformas aos vários casos de crimes que acontecem contra motoristas ou passageiros. Uma dessas soluções é o botão de pânico. Neste caso, não é uma solução que antecipa os crimes, mas sim reativa para quando algo ocorrer.

Esse botão de pânico está no aplicativo para motoristas da Uber e da 99, por exemplo —assim como existe uma versão para os passageiros. Ele costuma permitir compartilhar a localização em tempo real, além de outras ferramentas como acionar a polícia ou serviços de emergência.

Outras soluções de aplicativos

É importante estar sempre atento a novidades dos próprios aplicativos para diminuir a chance de ser vítima de casos de violência. Plataformas como Uber, 99 e Cabify estão constantemente recebendo atualizações com novas funcionalidades de segurança.

Recentemente, a Uber, por exemplo, passou a testar que motoristas vejam com antecedência o destino dos usuários (apenas uma região abrangente, contudo) e que escolham se querem aceitar corrida em dinheiro ou não - esses dois recursos já existiam de forma semelhante na 99.

A Uber ainda começou a testar uma opção que permite que motoristas mulheres só aceitem corridas de passageiras femininas - algo visto em apps concorrentes como Lady Driver e Femitaxi - e a permitir gravação de áudio do carro.

As plataformas ainda contam com recursos de inteligência artificial e aprendizado de máquina para "prever" possíveis crimes antes que atinjam os motoristas. A 99, por sua vez, conta com tecnologia de reconhecimento facial para garantir que o motorista é ele mesmo e mostra possíveis áreas de risco.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Transporte