PUBLICIDADE
Topo

Renato de Castro

Enquanto vacina não vem, hotéis viram refúgio de famílias no fim de semana

O colunista Renato de Castro (dir.) conversa com Paulo Mancio, do grupo Accor  - Reprodução/ Renato de Castro
O colunista Renato de Castro (dir.) conversa com Paulo Mancio, do grupo Accor Imagem: Reprodução/ Renato de Castro
Renato de Castro

Renato de Castro é expert em Cidades Inteligentes. É embaixador de Smart Cities do TM Fórum de Londres, membro do conselho consultivo global da Leading Cities de Boston e Volunteer Senior Adviser da ITU, International Telecommunications Union das Nações Unidas. Acumulou mais de duas décadas de experiência atuando como executivo global. Renato já esteve em mais de 30 países, dando palestras sobre cidades inteligentes e colaborando com projetos urbanos. Atualmente, reside em Barcelona onde atua como CEO de uma spinoff de tecnologia para Smart Cities.

20/10/2020 04h00

Os números de novos casos de covid-19 não param de subir em toda a Europa e estamos entrando em alerta em basicamente todos os 27 países do bloco. Espanha, Inglaterra, Franca e Itália são os países com os números mais altos, mas Portugal, que havia driblado bem a primeira onda, também já entrou em alerta.

Sabemos que em todo o mundo um dos setores mais afetados é o do turismo, com uma carga ainda mais pesada para a hotelaria. Se você acha que seu setor foi muito prejudicado com a crise, imagine então uma empresa que possui mais de 700 mil quartos, divididos em milhares de hotéis pelo mundo.

A Accor é a maior empresa de hotelaria da Europa e a sexta maior do mundo, operando em 100 países, com mais de 4.800 hotéis e 280.000 funcionários e uma capacidade total de aproximadamente 704.000 quartos.

Para entender o grande desafio que é fazer planejamento estratégico de uma empresa desse porte em momentos de crise, eu conversei com Paulo Mancio, vice-presidente sênior de design, técnica e construção do grupo Accor para a América Latina. Se você perdeu a live, aqui vai o vídeo completo da entrevista.