PUBLICIDADE

Topo

Controles sofrem, mas "PUBG" mantém o mesmo nível de adrenalina no Xbox One

Victor Ferreira

Do Gamehall, em São Francisco*

21/09/2017 08h19

Um dos maiores fenômenos recentes no mundo dos games, o jogo online "PlayerUnknown's Battlegrounds" chegará aos consoles com exclusividade (possivelmente temporária) para o Xbox One.

Desde que foi lançado no programa Acesso Antecipado do Steam, em março, o game inspirado em obras como “Battle Royale” e “Jogos Vorazes” tem batido recorde após recorde, sendo mais jogado do que "Dota 2" e "Counter-Strike" e ficando quase constantemente no topo da lista dos mais vendidos na plataforma da Valve.

Durante a última E3, a Microsoft revelou que o jogo também seria lançado para o Xbox One, e desde então a pergunta era: como será que o jogo ficaria nesta transição de computador para console?

PUBG Ghillie - Divulgação/Bluehole - Divulgação/Bluehole
A caçada começou
Imagem: Divulgação/Bluehole

Bom, é inevitável falar da diferença entre o controle do gamepad e do mouse e teclado. É uma discussão antiga, mas há uma clara perda no tempo de reação e timing no primeiro caso. E isso não é diferente em “PUBG”.

Por outro lado, este é (provavelmente, vamos esperar a versão final para chegar a conclusões melhores) o único negativo em relação ao jogo no PC. Em qualquer outro aspecto, “PUBG” para Xbox One recria o mesmo nível de tensão e adrenalina constante da versão original.

Para os poucos familiarizados, “PlayerUnknown Battlegrounds” coloca 100 jogadores em uma ilha gigante, onde devem lutar até a morte. Caindo literalmente de paraquedas na região, eles devem procurar por armas e itens de sobrevivência nos diversos prédios e estruturas para não virar presa dos outros.

É uma fórmula simples, e por isso mesmo acabou ficando tão popular. Por ser extremamente raro vencer a partida - ou mesmo matar mais do que algumas pessoas -, o apelo principal do jogo é justamente continuar vivo sabendo que, a qualquer momento, alguém pode te matar.

Seja no PC ou no Xbox, você continua em um estado contínuo de tensão - às vezes mais baixo, às vezes mais alto - até o momento em que tudo acaba.

E tudo começa de novo.

PUBG - Paraquedas - Reprodução - Reprodução
É o ciclo sem fim
Imagem: Reprodução

Pensando a respeito, apesar de não ser algo planejado, a precisão debilitada no controle do gamepad ajuda a aumentar esta tensão, tornando cada luta contra outro jogador em um momento ainda mais aterrorizante (e estranhamente hilário) enquanto um tenta matar o outro desesperadamente.

... E também há sempre a possibilidade do Xbox One receber uma atualização que traga compatibilidade entre mouse e teclado, o que eliminaria esta questão, ao menos.

Na minha sessão de testes, eu nunca fui muito longe nas partidas (minha melhor colocação ficou na casa dos 30), mas praticamente cada uma delas gerou um momento memorável, desde invadir uma casa e ser imediatamente saudado por um tiro de escopeta, passando pela batalha de snipers nos arredores da zona restrita do mapa, e culminando no momento em que tentei roubar um carro de um cara que estava atirando em mim (não deu muito certo).

Por isso, recomendo a qualquer um que não queira ou possa jogar “PUBG” no PC que ao menos teste-o no Xbox One. A maior dúvida é de quando o jogo deve ser lançado oficialmente, embora Brendan Greene - o tal “PlayerUnknown” - diga a todos que a previsão ainda é para 2017.

*O jornalista viajou a convite da Microsoft